Seja colaborador do Cariri Agora

CaririAgora! é o seu espaço para intervir livremente sobre a imensidão de nosso Cariri. Sem fronteiras, sem censuras e sem firulas. Este blog é dedicado a todas as idades e opiniões. Seus textos, matérias, sugestões de pauta e opiniões serão muito bem vindos. Fale conosco: agoracariri@gmail.com

domingo, 31 de julho de 2011

ARTES CÊNICAS NO CARIRI!!!



3ª GUERRILHA DO ATO DRAMÁTICO CARIRIENSE
De 29 de outubro a 19 de novembro de 2011
Teatro Rachel de Queiroz - Crato-CE - e ruas do Cariri

Um dos maiores acontecimentos na área de artes cênicas do Ceará, que se consolida como incentivador e difusor da produção caririense, foi idealizado pelo dramaturgo Cacá Araújo, teve sua primeira edição em 2009, e hoje conta com a adesão de cerca de 30 companhias e grupos de teatro e de dança em atividade na região.

A terceira guerrilha foi contemplada no Edital Cultural do Banco do Nordeste, de quem receberá patrocínio. Também terá apoio da Prefeitura Municipal do Crato e buscará parceria da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará para onde encaminhará solicitação de patrocínio ao Fundo Estadual de Cultura - FEC.

Importante reunião foi realizada na tarde do último sábado, no Teatro Rachel de Queiroz (Crato-CE), oportunidade em que houve a primeira chamada de espetáculos para a programação do evento e 20 espetáculos de teatro e de dança foram indicados por diretores e produtores das diversas companhias presentes.

De acordo com o dramaturgo Cacá Araújo, a programação oficial será divulgada depois da segunda chamada de espetáculos, devido à necessidade de ajustes visando à contemplação de um maior número de grupos.

Rios brasileiros - Por José de Arimatéa dos Santos

Foto: José de Arimatéa dos Santos

A beleza dos rios brasileiros é incontestável e grande fonte de riqueza para todo o país. É também importante falar sobre a variedade de espécies de peixes e outros animais e plantas. Vale ressaltar o aspecto turístico que esses rios proporcionam. No Brasil inteiro encontram-se rios que com suas águas abastecem as populações de muita cidade e é grande o número de ribeirinhos que depende do rio para sua sobrevivência. Os rios brasileiros são cartões postais que deixam o país muito bem no cenário mundial.
Mas nem tudo são flores. A ganância de muitos e o despreparo da fiscalização ambiental de muitos anos estão a destruir os rios brasileiros. A garimpagem exacerbada e sem controle ambiental deixam os rios mais poluídos, além de esgotos domésticos e industriais sem nenhum tratamentos jogados no leitos dos nossos rios. Cito também a falta da mata ciliar que protege os rios e em muitos rios é necessário replantá-la e assim devolver essa proteção natural.
Está tramitando no Senado Federal o novo Código Florestal que trará a regulamentação quanto a mata ciliar e proteção de topo de morro e das nascentes de rios. Espero que os senadores e senadoras possam realmente pensar no presente e no futuro do Brasil no aspecto de defesa dos rios brasileiros. Os rios brasileiros precisam e urgentemente de uma melhor proteção para que toda a nação possa usufruir de sua riqueza de forma sustentável e respeitosa. Toda a natureza exuberante desse país verde-amarelo agradece.

Palestra sobre a política externa contemporânea dos EUA


Pelo Prof. Virgílio Arraes
(Catedrático de História da Universidade de Brasília - UNB)

Dia 1 de agosto de 2011 (próxima segunda-feira), as 19 horas
No Salão de Atos da URCA (Campus do Pimenta, Crato)

Promoção: Departamento de História da Universidade Regional do Cariri – URCA

Breve currículo do palestrante - O professor Virgílio Caixeta Arraes é graduado em história pela UNB, com mestrado e doutorado na mesma universidade. Tem título de doutor, obtido em 2005, com a tese "Relações internacionais da Santa Sé: da fragilidade à busca de autonomia". É especialista em Relações Internacionais contemporâneas e política externa do Brasil. Foi consultor do Exército Brasileiro no estudo prospectivo "Construção de cenários para o ano 2.030” e assessor de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, em 2006 e 2007. É consultor do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Possui 103 trabalhos publicados em revistas especializadas, 155 matérias veiculadas em jornais e periódicos e cinco livros publicados. Foi orientador de várias teses de mestrado e cinco de doutorado na UNB.




sábado, 30 de julho de 2011

Encerramento da temporada "As Travestidas"















ENGENHARIA ERÓTICA

Segunda noite e mesma emoção repetida: brilho e verdade. O público cativo e mais aqueles que não deixam de se surpreender com as histórias de vida e com a volta por cima das travestis.














DJ FABINHO – nada de bate estaca repetitivo!

Muita inventividade e criatividade aproveitando as batidas tradicionais das boates em músicas com muita brasilidade.
O sambinha Eu bebo sim... levou todo mundo à loucura.


















VERÒNICA DECIDE MORRER - Incrível show de rock!

 A diva Verònica Valentino sobe ao palco com todo o gás e com interpretações que aliam força e teatralidade. Sua voz poderosa e sua presença magnética conquistaram imediatamente o público do Terreiro da Mestra Margarida. Era uma galera que vinha do Engenharia Erótica somada aos que já tinham curtido o show da banda na noite anterior na cidade do Crato, com quem tinha ficado desde a apresentação de Avental Todo Sujo de Ovo, com quem veio exatamente ouvir músicas como: Negro Gato, Não serve pra mim, Papai me empresta o carro, Ilegal, imoral ou engorda – e nesta hora, antes de começar a cantar, ela pediu um cigarro pra alguém na platéia. Muita gente bonita dançou e fotografou muito e quem quis ou não quis, dançou muito, porque não dava pra ficar parado de jeito nenhum! Fechamos com chave de ouro as três noites das Travestidas no SESC Juazeiro.

Programa Cultura SESC Cariri

(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)

(88) 3523 4444 (SESC Crato)

sexta-feira, 29 de julho de 2011

A EDUCAÇÃO NO PLANETA AQUARIUS

Luiz Domingos de Luna*

Outro dia fui convidado a retornar, ao meu planeta natal – Aquarius, como de sempre, peguei a nave e embarquei nem liguei mais para o processo de desintegração, matéria, energia, matéria escura, buracos negros, galáxias, quasares, velocidade, acelerador de partículas, motor de regressão de gravidade.

Como já estou acostumado com as mutações existenciais do universo paralelo, fiz desta vez uma viagem tranqüila e segura, vez estar desintegrado em íons imantados a um grande imã sem prejuízo molecular para minha reintegração material em Aquarius, ao entrar na nossa galáxia Atenas, nem ao som do ruído do redutor gravitacional me foi motivo de preocupação inicial á viagem.

Aos procedimentos, já bastante expostos na série aquarianos, fui convidado a participar da plenária. O Tema: A Educação no Planeta Aquarius, sentei na minha cadeirinha como de costume, o telão girava em 3D, eu nessa altura, já com um calafrio psicológico muito forte, na verdade somente uma forma pedagógica de explicar a situação aos humanos, vez em Aquarius a matéria inexiste, assim a plenário lotado a esperar o conferencista que chegou muito entusiasmado.

Eu como de costume já fui ficando desconfiado, pois em Aquarius não existe emoção o conferencista saudou a todos e abriu a conferência com a praxe de sempre, ao mérito, foi logo expondo: no universo o único planeta que não tem a educação sistemática é Aquarius somos os melhores em computação gráfica, em cibernética, dominamos todo o universo possível da tecnologia, mas ainda não temos um projeto educacional, creio isto ser um ponto negativo para a nosso soberania no espaço sideral, assim para a nossa superioridade intelectual seria oportuno para nós termos a melhor educação do universo.

Nós chegaríamos à perfeição. – Correto? Um colega lá na última fila indagou: - a educação é um valor básico na sociedade, mas tem um problema – o conferencista em aparte – Qual? -A educação é um bem durável e depende do fator tempo, vetor existencial que não existe em Aquarius, - isto tem solução – mas tem outro – uns conseguem aprisionar o conhecimento com mais facilidade e outros não. - Como assim? : É que a educação de qualidade plena depende da qualidade social, - O que é esta qualidade social - É todo infraestrutura social e econômica que deve existir para que o aluno saia de sua casa escola para escola apto a aprendizagem, pois, não tendo esta oportunidade igual para todos, os aptos aprendem e os não aptos não. Tendo esta qualificação social plena, a educação tem um fim comum de oportunidades a todos ?- Sim com certeza.

Chamem o projetista – O Projetista fez o esboço da Escola, quadro funcional, currículo e na verdade expôs tudo em detalhes minuciosos, com uma didática perfeita. A platéia aplausos geral para o projetista. Eu como sempre desconfiado de tanta emoção vez isto não existir em Aquarius. O Conferencista disse: Tudo aqui é baseado unicamente no mérito, somente no mérito. Nada pode esta acima do mérito, o mérito é quem vai definir a nossa educação- Certo – a Plenária aplaudiu geral uma verdadeira festa em Aquarius.

O sábio lentamente levantou de sua cadeirinha encarou bem o conferencista e indagou - o Mérito de quem mesmo? Do professor-Algum problema? Não é que eu pensei que o Mérito seria do aluno – Como aluno? Você sabe bem que em Aquarius a prioridade é a política e a educação com mérito para o professor – você sabe que em Aquarius não existe aluno. nem tão pouco aprendiz, muito menos esta qualidade social. E o mérito do aluno, e a qualidade social – quis saber o sábio – conferencista, isto a gente pensa depois, - depois quando? Quando a gente deixar o poder, será uma cobrança nossa.
Entendeu
-Não
Alguma dúvida
-Todas
Mas é assim que a coisa funciona.

(*) Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora –Ceará.

Reedições de livros caririenses - Emerson Monteiro


Neste primeiro semestre de 2011, foram reeditadas pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, em parceria com as Universidades Federal do Ceará e Regional do Cariri, algumas das obras do escritor cearense J. de Figueiredo Filho, emérito historiador que viveu em Crato e desenvolveu atividades intelectuais de larga repercussão pelo País inteiro, sendo um dos fundadores do Instituto Cultural do Cariri ao qual pertenço.

Avô de dois dos meus amigos, Tiago e Flamínio Araripe, conheci o Prof. Figueiredo Filho quando ele proferira notável discurso por ocasião da vinda a Crato, em 21 de junho de 1964, do Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, no Dia do Município cratense. Ao pleno sol quente das 11h no céu aberto da Praça da Sé, Figueiredo falou a imensa plateia e palanque lotado de autoridades, durante meia hora, repassando os detalhes da epopeia do Cariri. Senhor do assunto e respeitável pesquisador das nossas origens libertárias cumpriu a valer seu ofício. Isto numa fase em que o Brasil afundava nos porões da ditadura que permaneceria no poder mais de duas décadas, com sérios danos às liberdades civis e aos direitos humanos, preço pago das modernizações econômicas que varia o mundo naquele tempo para instalar a globalização dos dias atuais.

Depois, já pelos idos da década de 70, frequentei a sede do ICC, na Rua Miguel Limaverde, instalada na sala principal da residência do historiador, com quem conversava boas horas e de quem adquiri o gosto pelos estudos caririenses bem a seu modo e dedicação.

Agora recebemos sete dos seus livros, reeditados em momento oportuno, para as novas gerações, através das Edições UFC, série Memória, da Coleção Nossa Cultura. Engenhos de Rapadura do Cariri, Folguedos Infantis do Cariri, os quatro volumes de História do Cariri e Cidade do Crato (este com Irineu Pinheiro) ganharam outra publicação como parte de dez títulos que enfocam a história e os costumes do Cariri.

Além desses, também mereceram novas edições Efemérides do Cariri e O Cariri, seu descobrimento, povoamento, costumes, de Irineu Pinheiro, e Juazeiro do Padre Cícero, de Floro Bartolomeu da Costa.

São trabalhos emblemáticos da civilização caririense, motivos autênticos da preservação de nossas tradições e valores, os quais, ao lado de outros ainda adormecidos, demonstram a profundidade que caracteriza a alma desta gente que iniciaria com sucesso a colonização cearense, primeiro aqui estabelecida e só então desenvolvida junto do litoral.

A Urca será federalizada? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Há poucos dias, o competente escritor e historiador Armando Rafael escreveu em sua coluna semanal: "Dilma Rousseff cria a Universidade Federal do Cariri. Juazeiro do Norte, justificadamente, fica com a sede por dois motivos: é a cidade onde está localizado o maior campus da UFC (na 3ª fase de expansão, enquanto o de Ciências Agrárias, em Crato, sequer foi concluído) e o campus que detém o maior número de cursos em funcionamento. Meses depois, a Urca é encampada pela Universidade Federal do Cariri. Crato fica com o Campus do Pimenta como prêmio de consolação..."

Mas está claro que a federalização da URCA é a vontade do Sr. Governador. Há a desculpa esfarrapada de que um Estado pobre como o Ceará não possui condições de manter três universidades.

Seria bom que se verifique a veracidade de alguns comentários que circularam pela cidade quando da criação da URCA, há quase vinte e cinco anos. Como todos sabem, a URCA somente foi viável pela cessão feita pela Diocese do Crato do acervo, cursos, prédios, bibliotecas, e outros bens que pertenciam à nossa diocese. A condição estabelecida naquela oportunidade pelo então Bispo Dom Vicente Matos era de que a doação do acervo estaria condicionada à sede da URCA (Reitoria) e muitos dos seus cursos ficarem no Crato.

Gostaria que o amigo Armando verificasse esse detalhe, consultando nos registros da Diocese, se o contrato de encampação realmente possui essa cláusula. Acredito que o padre Gonçalo poderá esclarecer sua existência. Se assim for, eis aí um ponto de apoio para os cratenses lutarem para que nossa terra não venha mais uma vez ser derrotada em suas pretensões. É importante que todos os cratense vistam a camisa do Crato e entrem logo em campo para que tal objetivo seja alcançado.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

A Urca será federalizada? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Há poucos dias, o competente escritor e historiador Armando Rafael escreveu em sua coluna semanal: "Dilma Rousseff cria a Universidade Federal do Cariri. Juazeiro do Norte, justificadamente, fica com a sede por dois motivos: é a cidade onde está localizado o maior campus da UFC (na 3ª fase de expansão, enquanto o de Ciências Agrárias, em Crato, sequer foi concluído) e o campus que detém o maior número de cursos em funcionamento. Meses depois, a Urca é encampada pela Universidade Federal do Cariri. Crato fica com o Campus do Pimenta como prêmio de consolação..."

Mas está claro que a federalização da URCA é a vontade do Sr. Governador. Há a desculpa esfarrapada de que um Estado pobre como o Ceará não possui condições de manter três universidades.

Seria bom que se verifique a veracidade de alguns comentários que circularam pela cidade quando da criação da URCA, há quase vinte e cinco anos. Como todos sabem, a URCA somente foi viável pela cessão feita pela Diocese do Crato do acervo, cursos, prédios, bibliotecas, e outros bens que pertenciam à nossa diocese. A condição estabelecida naquela oportunidade pelo então Bispo Dom Vicente Matos era de que a doação do acervo estaria condicionada à sede da URCA (Reitoria) e muitos dos seus cursos ficarem no Crato.

Gostaria que o amigo Armando verificasse esse detalhe, consultando nos registros da Diocese, se o contrato de encampação realmente possui essa cláusula. Acredito que o padre Gonçalo poderá esclarecer sua existência. Se assim for, eis aí um ponto de apoio para os cratenses lutarem para que nossa terra não venha mais uma vez ser derrotada em suas pretensões. É importante que todos os cratense vistam a camisa do Crato e entrem logo em campo para que tal objetivo seja alcançado.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

quinta-feira, 28 de julho de 2011

CABARÉ DA DAMA – Uma Flor de Dama que desabrochou!



DSC02781.JPG

DSC02771.JPG
O conto do gaúcho Caio Fernando Abreu, Dama da Noite, extraído do livro Os Dragões Não Conhecem o Paraíso e dedicado à escritora Márcia Denser foi maravilhosamente bem encenado por Silvero Pereira. A encenação desta noite foi a de número 300 e consolida 10 anos de pesquisa e oito, de apresentações que foram evoluindo no formato e na performance. No início, a peça concentrava-se apenas no texto de Caio e se chamava Uma Flor de Dama, nos últimos tempos foi inserido ao espetáculo shows de transformistas dublando divas da música pop nacional e internacional (todas foram excelentes e animaram e deslumbraram a platéia): Amy Winehouse, Lady Gaga, Preta Gil, Adèle ... e ganhou o nome que tem hoje. É esse clima de boate gay que impera na primeira parte que tanto encanta quanto  desnorteia o público, quando na sequencia, vemos a personagem que se senta e dialoga com um interlocutor que é descrito como um rapaz jovem de furo no queixo que está inserido na “roda” onde ficam aqueles que são aceitos, que não são marginalizados. O discurso vai da paquera à fúria ao escracho ao humor ao drama à ofensa à euforia à poesia: “Gosto de quem eu sou, não do que eu faço, porque escolhi ser quem eu sou”. O público vai sendo conquistado e levado a refletir sobre a condição do outro e a olharem mais atenciosamente à sua própria condição nesta vida. Um triunfo de apresentação!

DSC02754.JPG
(Momento da homenagem a Silvero Pereira pelas "Travestidas")

E amanhã, no mesmo horário, é a vez de Engenharia Erótica.

Texto de Elvis Pinheiro.

--

Programa Cultura SESC Cariri
(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)
(88) 3523 4444 (SESC Crato)

BATE-PAPO SOBRE CULTURA NA URCA

Encontro sobre Equipamentos de Saúde na Região do Cariri

O parque de exposições de Crato - Emerson Monteiro

Por mais que a gente não queira, se envolve nesses assuntos de governo, quando a população, nas urnas, permitiu aos administradores públicos cuidarem da sorte do povo do jeito que lhes aprouver. Ainda assim, coça por dentro uma vontade de falar qualquer palavra de cidadão no quadro que se estabeleceu.

É que se formou uma espécie de cabo de guerra entre os gestores do Município cratense e o Executivo estadual quanto ao jeito certo de resolver, daqui para adiante, onde funcionará o Parque de Exposições Pedro Felício Cavalcanti.

O tema esquentou mais durante o evento deste ano de 2011, pois cada vez o local fica menor para tanto movimento. A cidade passa por crise de, no mínimo, dez dias diferentes, com carros de todo canto do Brasil a encherem as vias do centro e dos bairros, sem lugar de circular, de estacionar, etc. A selvageria das alturas do som na área dos shows, que ninguém consegue diminuir, nem tem a quem reclamar, judiando, prejudicando a paz, ensurdecendo gerações e gerações, além de incomodar sobremaneira os bichos expostos lá em cima, transtornando as imediações e intranqüilizados as famílias que moram perto.
Bom, segundo aqueles com quem converso, pode haver mais disciplina, inclusive no que diz respeito aos estandes trazidos, aos segmentos e à seleção, talvez controle impossível nesses tempos de mercantilização e dinheiro, a interessar os organizadores da festa tradicional de 60 anos.

Outros pretendem que modernizar o parque no ponto ora existente resolve, que possui área de expansão no sentido Canfundó. Enquanto que o Governo oferece o projeto pronto de deslocar as atividades para o Sítio Palmeiral, nas bandas dos brejos, entorno da Avenida do Contorno.

Em resumo, a querela estabelecida virou domínio público. Impasses, impasses, e nenhum entendimento que pacifique e inicie as construções futuras. Até falam em possível consulta popular através de um plebiscito.

No entanto, prezadas autoridades, há de existir dose suficiente de sensatez nos juízos dos gestores para equilibrar a balança, porquanto é hora de providenciar soluções urgentes, invés de esperar outro ano de contradições para avançar alternativas sem que nada aconteça até a nova edição do apreciado acontecimento, afinal em suas mãos depositamos a nossa confiança.

CONVITE

A família de José Ricardo de Figueiredo convida parentes e amigos para celebração da missa da esperança, ao sétimo dia de seu encontro definitivo com Deus, a se realizar hoje, quinta-feira, 28 de julho de 2011, às 16h na Catedral de Nossa Senhora da Penha em Crato e em Fortaleza, às 19h na Igreja das Irmãs Missionárias, localizada na Av. Rui Barbosa, 1246A (esquina com Rua Eduardo Salgado, primeira quadra após a Av. Santos Dumont, sentido norte/sul). Antecipadamente agradece a solidariedade de todos.

NOTÍCIAS DA URCA

Professor catedrático da UNB realizará palestra na URCA

O Departamento de História da Universidade Regional do Cariri – URCA promoverá palestra com o professor Virgílio Caixeta Arraes, Catedrático de História da Universidade de Brasília – UNB sobre o tema “A política externa contemporânea dos Estados Unidos da América”. O evento se realizará na próxima segunda-feira, dia 1 de agosto, as 19 horas, no Salão de Atos da URCA, situado no campus do Pimenta, em Crato.

O professor Virgílio Caixeta Arraes é graduado em história pela UNB, com mestrado e doutorado na mesma universidade. Tem título de doutor, obtido em 2005, com a tese "Relações internacionais da Santa Sé: da fragilidade à busca de autonomia". É especialista em Relações Internacionais contemporâneas e política externa do Brasil. Foi consultor do Exército Brasileiro no estudo prospectivo "Construção de cenários para o ano 2.030” e assessor de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, em 2006 e 2007. É consultor do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Possui 103 trabalhos publicados em revistas especializadas, 155 matérias veiculadas em jornais e periódicos e cinco livros publicados. Foi orientador de várias teses de mestrado e cinco de doutorado na UNB.


Ex-reitor da URCA nomeado Coordenador Geral do Museu de Paleontologia, em Santana do Cariri

O ex-Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), Professor Plácido Cidade Nuvens, foi nomeado pela Reitora da URCA, Otonite Cortez, o novo coordenador Geral do Museu de Paleontologia de Santana do Cariri. Como diretor geral está o Professor Titus Riedl e, diretor adjunto, Idalécio Freitas.

Plácido Cidade Nuvens comandou, durante a sua gestão como Reitor da URCA, o processo de ampliação, reforma e modernização do Museu de Santana, sendo também o criador do equipamento, período em que foi prefeito da cidade de Santana do Cariri, repassando aos cuidados da Universidade, em seguida.

Hoje, o Museu é uma dos referenciais do turismo científico no Estado do Ceará e recebe milhares de turistas de várias partes do País e do exterior, além de possuir um rico acervo paleontológico. São cerca de 10 mil peças expostas. Agora, ofertando também melhores condições para os pesquisadores, com meios de hospedagem e lanchonete para os estudiosos e visitantes.

Fonte: Assessoria de Imprensa da URCA

terça-feira, 26 de julho de 2011

PROGRAMA CARIRI ENCANTADO SONORIDADES – 27/07/2011

Os velhos e bons Novos Baianos


Os Novos Baianos, um dos mais emblemáticos e criativos grupos musicais brasileiros de todos os tempos, surgiram na Bahia em 1969 e vigoraram vigorosamente na cena cultural tupiniquim até 1979. Eles marcaram definitivamente a música popular brasileira dos anos 1970 como um verdadeiro caldeirão sonoro, cujos ingredientes foram os mais diversificados, como a bossa nova, o frevo, o baião, o choro, o afoxé e o rock’n'roll, sempre influenciados pela contracultura e pelo emergente Tropicalismo.

Dentre os seus constantes membros, o grupo contava com Moraes Moreira (compositor, vocal e violão), Baby Consuelo (vocal), Paulinho Boca de Cantor (vocal), Pepeu Gomes (guitarra), Dadi (baixo), Jorginho Gomes (bateria) e Luiz Galvão (letras).

Os Novos Baianos foram apadrinhados pelo papa da bossa nova, João Gilberto, e contratados pela então poderosa gravadora Som Livre, onde lançaram o antológico e festejado disco Acabou chorare, em 1972, mesclando guitarra elétrica, baixo e bateria com cavaquinho, chocalho, pandeiro e agogô. Em outubro de 2007, Acabou chorare foi eleito pela revista Rolling Stone como o melhor disco da história da música brasileira.

Nesta quarta-feira, 27 de julho de 2011, o programa Cariri Encantado Sonoridades enfoca alguns dos melhores momentos desta banda que ainda hoje é lembrada como um verdadeiro laboratório de manipulação bem sucedida de vários ritmos, tendências e gêneros musicais.

Onde ouvir
Rádio Educadora do Cariri AM 1020 e Internet através do site www.radioeducadoradocariri.com.

Cineasta cratense Jackson Bantim é homenageado no Festival de Jericoacoara

Fonte: Gazeta de Notícias

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Notícias da URCA

Nova sede do Geopark recebe visita de representante do MIN e deve ser inaugurada até setembro

Está em processo de conclusão a licitação para compra de equipamentos e ar condicionados para a sede do Geopark Araripe, a ser inaugurada em Crato até o mês de setembro. O projeto conta com a parceria de órgãos como o Ministério da Integração Nacional, Secretaria das Cidades do Estado e do Geopark Araripe/URCA. Durante este mês esteve em visita ao território do Geopark Araripe, o novo gerente da Mesorregião Chapada do Araripe do Ministério da Integração Nacional (MIN), João Francisco Oliveira Maria.

O gerente da Meso Araripe veio ao Cariri para conhecer o território, os projetos apoiados pelo MIN e articular o Fórum da Mesorregião. A primeira visita foi ao Geopark Araripe, onde coordenadores do projeto fizeram uma explanação geral sobre o Geopark e depois seguiram para a nova sede, que tem financiamento do MIN. João Francisco se reuniu ainda com o Vice-Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), Patrício Melo, para conhecer as instalações da Universidade e seguiram para o estande da URCA na Expocrato, que esse ano homenageou os 25 anos de fundação da instituição.

O gerente da Mesorregião Chapada do Araripe ainda se reuniu ainda com representantes da Fundação Casa Grande e integrantes do Fórum da Mesorregião. Após as visitas ao Cariri, seguiu para o Estado de Pernambuco para cumprir outros compromissos do MIN.

URCA presente em homenagens ao centenário de Juazeiro do Norte

A Universidade Regional do Cariri (URCA) esteve representada durante as comemorações do centenário da cidade de Juazeiro do Norte. Por meio de atividades acadêmicas, a URCA, que este ano fez uma homenagem especial à cidade, durante estande na ExpoCrato, participou com os seus docentes e pesquisadores, do lançamento da coleção centenária. De 15 livros lançados, cinco deles foram escritos por professores da Instituição. Na ocasião do lançamento contou com a presença do Vice-Reitor, Patrício Melo.

A URCA é a Instituição de ensino superior pública que primeiro chegou à cidade e hoje conta com dois dos seus seis campi na cidade juazeirense, além do Centro de Ciência e Tecnologia (CCT), e a Gráfica Lira Nordestina. Provisoriamente, o campus Pirajá está sediando a Escola de Artes Violeta Arraes Gervaiseau.

A Reitora da URCA, Professora Otonite Cortez, e o Vice-Reitor, Patrício Melo, participaram da solenidade de reinauguração do monumento do Padre Cícero, no Horto, dia anterior à data do centenário da cidade, 22 de julho. A estátua teve sua inauguração depois de 41 anos de edificada na Colina do Horto, onde está sediado o Geossítio Colina do Horto, do Geopark Araripe.

Na ocasião, o Padre José Venturelli destacou a importância das atividades desenvolvidas durante o dia 21, através do Geopark Araripe, Projeto da Universidade Regional do Cariri (URCA), levando as crianças e visitantes que chegavam ao Horto oficinas e uma exposição fotográfica sobre o local.

Livros de professores da URCA lançados na Coleção Centenária:

“Sob o Signo da Fé e da Mística: Um Estudo das Irmandades de Penitentes no Cariri Cearense”, de Anna Christina Farias de Carvalho;
“Os Caminhos da Terceirização em Juazeiro do Norte – um olhar sobre as Instituições Públicas”, de José Carlos dos Santos
“A Cidade do Padre Cícero - Trabalho e Fé, de Maria de Lourdes Araújo;
“Entre Chegadas e Partidas - Dinâmicas das Romarias em Juazeiro do Norte”, de Maria Paula Jacinto Cordeiro;
“Para Onde Sopra o Vento – a Igreja Católica e as Romarias de Juazeiro do Norte”, de Renata Marinho Paz

Cariri ganha coleção de obras sobre história da região

O Cariri ganha uma seleção de obras que contam a história da região. Sete livros do escritor cearense José Alves de Figueiredo Filho foram reeditados pela Secretaria da Cultura do Ceará, Universidade Regional do Cariri (URCA) e Edições UFC, na série Memória, da Coleção Nossa Cultura. Todas as obras, que estavam esgotadas, foram relançadas em edições de mil exemplares cada, sem fins financeiros, que serão distribuídas pela URCA. Ainda não foi marcada a data de lançamento.

Foram reeditados os livros: "Engenhos de Rapadura do Cariri", "Folguedos Infantis do Cariri", os quatro volumes da "História do Cariri" e "Cidade do Crato" (com Irineu Pinheiro). Os sete livros de J. de Figueiredo Filho foram publicados como parte de 10 títulos que enfocam a história e os costumes do Cariri. Os engenhos de rapadura tornaram-se um símbolo da região que nasceu e cresceu na sombra da agroindústria da rapadura. De Irineu Pinheiro, a série inclui dois livros: "Efemérides do Cariri" e "O Cariri: seu descobrimento, povoamento, costumes".

De Floro Bartolomeu da Costa, foi publicado o livro "Juazeiro do Padre Cícero", que reproduz o célebre discurso do deputado pronunciado na Câmara Federal, em 1923, em defesa da Meca do Cariri e do seu líder político e religioso, Padre Cícero Romão Batista. "A reedição desse rico acervo ocorre numa outra feliz coincidência de data: os100anos de Juazeiro. "A leitura é imprescindível para todos quantos queiram compreender o mais extraordinário fenômeno sócio-religioso ocorrido, na última década do século XIX e nas primeiras do século XX, no Brasil: o Padre Cícero Romão Batista, criador e criatura do Juazeiro do Norte", dizem na apresentação dos livros o então Reitor da URCA, Plácido Cidade Nuvens, e a atual Reitora, Otonite Cortez.

"Engenhos de Rapadura do Cariri", de José de Figueiredo Filho, com ilustrações de Percy Lau, foi originalmente publicado pelo Ministério da Agricultura, em 1958, no Serviço de Informação Agrícola (SIA). Traça o perfil de uma atividade que tinha papel central na economia agrícola caririense e na alimentação do homem no Nordeste. Fonte: (Diário do Nordeste/Antônio Vicelmo).

Escola de Gestão Pública concede vagas para o curso de Desenvolvimento Territorial a servidores da URCA

A Escola de Gestão Pública do Estado do Ceará (EGP) encontra-se com inscrições abertas para o curso de Desenvolvimento Territorial, destinadas a servidores efetivos s terceirizados da Instituição. Os interessados devem preencher a ficha de inscrição para sejam encaminhadas para o e-mail inscricao.nedgov@egp.ce.gov.br. Mais informações junto à Vice-Reitoria da Universidade.

A Universidade Regional do Cariri - URCA, também solicitou a inserção de vagas para nos cursos ofertados pela EGP em 2011.

1 - Desenvolvimento Territorial (3 vagas)
2 - Análise e Melhoria de processos (20 vagas)
3 - Orçamento Público: Elaboração e execução (06 vagas)
4 - Fundamentos m gerência de projetos (10 vagas)
5 - Gerenciamento de Projetos e programas (10 vagas)
6 - Gestão de compras (04 vagas)
7 - Gestão de Convênios e de Contratos de Repasse para Convenentes (10 vagas)
8 - Legislação Aplicada à logística de Suprimentos - Lei 8.666/93. Pregão e registro de preços (10 vagas).

Fonte: Universade Regional do Cariri - URCA
(88) 3102-1212 - 8812.5525 ramal 2617
www.urca.br – Crato, 25 de julho de 2011

Armazém de Férias – 3° dia


ALMAH - Afinação e muita afinidade
Para os judeus, a palavra Almah significa Jovem na língua hebraica. Já os cristãos a compreendem como Virgem.  Quase duas horas de show no pátio do SESC JUAZEIRO e muito metal melódico para fãs e aficionados do gênero. Noite fria e espaço aberto que possibilitou que todo mundo pudesse curtir a apresentação tanto bastante próximo dos músicos como com total liberdade de movimentos. O diálogo entre o vocalista, Edu Feschini, e as pessoas que assistiam se deu na maior tranqüilidade. Isso só se perdeu um pouco na hora dos artistas descerem do palco, mas isso já é o esperado. A afinação dos músicos era incrível e as letras podiam não ser compreendidas, mas sem dúvida, eram sentidas com bastante euforia por uma galera jovem e imberbe, se não na idade, com certeza, no coração. Jovens ou Virgens ou ambas as coisas ou nenhuma coisa nem outra, o último dia deste Armazém do Som de Férias já entrou pra história dos shows de metal no Cariri.


Programa Cultura SESC Cariri

(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)
(88) 3523 4444 (SESC Crato)

domingo, 24 de julho de 2011

Camaradas ocupam Aracati no Festival Nacional de Teatro de Rua

Apresentação de Willyan Teles


Performance "A Encaixotada" com Janaina Felix



Interação com o público a partir do cartaz "Vende-se"


Performance "A encaixotada" realizada por Janaina Felix

Performance "A louca" realizada por Noberlia Duarte Siebra


Oficina/Performance "A Obra" realizada por Alexandre Lucas


oficina/performace " A Obra" realizada por Alexandre Lucas


Lambe-lambe "Vende-se"




Lambe-lambe "Taba Boca"



Lambe-lambe "Pelo direito de Brincar"


Norbelia Duarte Recita "A Rosa"





Lambe-Lambe "Maria da Luta" produzido a partir de fotografia

Montagem dos Lambe-lambe na Calçada da Igreja Matriz de Aracati


Marlon Torres recitando



Durante o período de 20 a 23 de julho, a cidade de Aracati foi tomada pelos artistas dos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Paraíba, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro por ocasião do VII Festival Nacional de Teatro de Rua do Movimento de Agitação e Resistência da Cultura Popular – FESTMAR realizado pelo Ponto de Cultura Instituto Aracupira Teatro e Cidadania/Frente Jovem. O Festival foi constituído por apresentações, oficinas, performances e intervenções urbanas.

De acordo com Teobaldo Silva o evento só foi possível por ter sido selecionado no Prêmio Funarte Arte Cênica na Rua 2010 e pelo aporte financeiro do Governo do Estado do Ceará e do Banco do Nordeste. Ele destaca que nesta sétima edição houve uma participação mais ampla dos artistas brasileiros e uma possibilidade de intercâmbios entre os grupos para realização de trabalhos em outras cidades.


O Coletivo Camaradas foi um dos grupo que participou do evento levando muita irreverência e engajamento político nos seus trabalhos. Os Camaradas realizaram uma oficina, cinco intervenções urbanas, duas performances e três apresentações. De acordo, Alexandre Lucas, essa foi uma das maiores produções realizadas pelo grupo. O Coletivo já realizou trabalhos em diversas cidades do Ceará, além dos estados do Rio de Janeiro, Salvador e do Distrito Federal.

Norbélia Duarte Siebra, estudante curso de Teatro da URCA, enfatiza que participou dos trabalhos e pode perceber a importância da arte como instrumento de consciência política.

Para Willyan Teles da Companhia Arriégua , a participação do Coletivo no evento deu para abranger assuntos diversificados e frisa que pra ele foi uma experiência nova na arte realizada na rua.

Janaina Felix, que realizou a performance “a encaixotada” na qual uma mulher é presa dentro de um caixote e auto se liberta diz que foi um trabalho que pode inovador a sua experiência estética e artística dentro do Coletivo.


Doze integrantes do Coletivo participaram do FESTMAR a partir do apoio da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude do Crato que garantiu o transporte para os Camaradas.


Camaradas presentes no FESTMAR:


Diego Tavares da Silva
Marlon Torres de Souza
Antonio Hamilton de Souza Holanda Junior
Cícera da Penha Mendes Ribeiro
Elizângela Brito de Sousa
Janaina Felix Julio
Alexandre Lucas Silva
Cícera de Araujo santos de Almeida
José Ailton Oliveira de Almeida
Saymon Vinicius Sales Luna
Willyan Teles Rodrigues
Norbelia Duarte Siebra

Números do Festmar:

21 Grupos
03 oficinas
40 espetáculos
02 Performances
05 intervenções urbanas
240 artistas
07 estados brasileiros

Coordenação do evento

Teobaldo Silva
Tinoco Luna
José Marcelo D2
Marcos Lima
Glenda Rayane
Chico Isidório
Plínio Teixeira

Nota de Falecimento

Comunicamos o falecimento do médico cratense José Ricardo de Figueiredo ocorrido em Fortaleza, onde ele residia, na noite da última sexta-feira, dia 22 de julho de 2011. José Ricardo era o primeiro dos oito filhos do casal Aníbal Viana de Figueiredo e Maria Eneida de Figueiredo.

Nosso Pé-de-Serra - Por Heládio Teles Duarte

Foto: Heládio Teles Duarte

sábado, 23 de julho de 2011

ARMAZÉM DO SOM - Programação Especial de Férias 2º Dia

 2ª Noite, a hora do Reggae Caririense!
E hoje, às 20h teremos ALMAH.
DSC02640.JPGLIBERDADE & RAIZ – Fica pra próxima... um show maior!
Infelizmente, a primeira banda programada para a noite de sexta do Armazém do Som não pôde se apresentar por conta do atraso de seus integrantes. Bem que alguns deles chegaram às 18h30, mas contando o tempo que ainda seria gasto com a passagem de som, foi impossível o público prestigiar o trabalho destes garotos que estão iniciando. MAS... ENTRETANTO... A última banda foi maravilhosa e cedeu vinte minutinhos preciosos pra que eles dessem uma palhinha que valeu! Estavam instigados e apresentaram composições próprias. Ficou o gostinho de queromais!


DSC02631.JPGMARY ROOTS – Muita paz e amor
Às 19h10 o público começa a entrar e o show já se inicia com muita gente instigada a ficar em pé nas laterais do Teatro. Tem criancinha no canto do palco ensaiando os primeiros passos aos cuidados dos pais e na fala do vocalista o aviso de que é música do Cariri para o Cariri “e se Deus abençoar, pra todo o país. Quem sabe, né?”. Se depender da empatia com a galera, com certeza isso irá acontecer. Canções como Livro da Vida e Árvore do Reggae eram cantadas por um verdadeiro coral. É como diz a letra, “o reggae não pode acabar não”. Depois de cantar com a alma e o coração I Shot Sherif de Bob Marley, pediu perdão pelos erros, mas arrematou dizendo a maior verdade: “Foi massa, né não?”. Ao final da apresentação a dedicatória: “Vocês é que movimentam o reggae do Cariri! Fiquem com Deus”. Isso resume bem o que foi o show da Mary Roots.


DSC02636.JPGLEGALIZE IT – Reggae de raiz brava!
Anderson Almeida com a sua camisa estampando Bob Marley encabeçou a última atração da noite que trouxe clássicos do reggae - Peter Tosh e Marley - e bastante agito pra um público que os recebeu com gritos e pulos bem altos. A percussão bastante inventiva e os “sumplers” do DJ e tecladista João Afonso mandaram ver! Aliás, essa foi a grande diferença que deu um brilho todo especial às músicas. Cada interpretação ganhava vida própria e foi nesse crescente que chegaram ao hit Legalize It, que dá nome à banda e que foi o auge da harmonia e da entrega.  Um show que uniu alto estilo, criatividade e energia.


--

Programa Cultura SESC Cariri
(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

ARMAZÉM DO SOM - Programação Especial de Férias 1º Dia

ROCKER – 1ª banda a se apresentar no Armazém do Som
O vocalista da Rocker tem muita energia e senso de humor do rock ao reggae. Em ritmo de rock cantou Borbulhas de Amor, para em seguida soltar o cabelo e parodiar Californication do RHCP transformado em EuNãoMeQueixon. Na sessão paródias ainda rolou Beatles e já que o escracho parece ser o perfil da banda, ainda teve Mamonas Assassinas, que obviamente não precisou de paródia. Enfim, uma apresentação divertida e espontânea. Na hora de cantar Bicha Boa, uma composição original do grupo, ele já estava de vestido e peruca de mulher, e misturando sem tréguas, emendou com O Rappa. Verdadeira montanha-russa do pop music nacional e internacional.

DE REPENTE BLUES – De repente muito estilo!
Um show que foi crescendo mais e mais e contagiando o público do Teatro SESC Patativa do Assaré. Crossroads, a primeira música tocada, ficou em clima de “estamos ainda passando o som”, mas tratando-se de uma música de alguém num cruzamento e afundando –“ And I'm standing at the crossroads, believe I'm sinking down” – ficou foi uma interpretação bem original. As primeiras quatro músicas foram pra esquentar. A partir da quinta, Sweet Home Chicago, público e artistas estavam numa só sintonia. Foi muita desenvoltura e simpatia do vocalista, Sascha, que na terceira canção de Gary Moore, soube colocar o baião do Gonzagão dizendo “Eu vou mostrar pra você como se dança um baião...”, tudo a ver com esse tipo de mulher de que trata a música do gutarrista irlandês - She's that kind of woman. Até Sweet Home Alabama foram 17 músicas bem interpretadas e que deram charme e estilo à primeira noite do Armazém do Som. Parabéns ao Manel do baixo, ao Remi ou Remy da batera e ao Lamar que mandou muito bem na guitarra.


VANITY – Peso! Peso! Peso!
Com composições próprias, realmente é como disse o vocalista, “a cena underground do cariri está bem representada”. Eles viajam amanhã, dia 22, para o ForCaos , onde se apresentarão no palco Dragão em Fortaleza. Foram sete músicas, mas as três primeiras foram unidas em um único bloco denso e forte. E haja pescoço e garganta, cabelo não fez falta. O vocalista e os demais integrantes do grupo com muita tranqüilidade e sem nenhuma vaidade – a vaidade ficou apenas no nome da banda – espalharam sangue na estrada (Blood on the Road e Scatter Blood ) e terminaram com escombros (The Ruins).

Bandas de Hoje:
18h     Liberdade e Raiz
19h30 Mary Roots
21h     Legalize it

Entrada 2Kg de alimentos não perecível

Local: Teatro SESC Patativa do Assaré
Rua da Matriz, 227
Centro - Juazeiro do Norte
Tel.: (88) 3587 1065

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Padre Cícero - Por José de Arimatéa dos Santos



Foto: José de Arimatéa dos Santos
Desde criança via a força do mito do Padre Cícero, principalmente nos dias 20 de cada mês em que seus devotos usam roupa preta. Em casa presenciava o quanto meus avós escutavam pelo rádio com carinho a missa em sua homenagem. Não só eles e mais uma grande parcela da população de Barbalha. Sempre gostei de andar pelas ruas a observar as pessoas e as coisas ao redor. E a audiência ainda hoje é incrível. Rádios com seus sons ligados nas alturas logo cedo da manhã na missa em homenagem a essa grande figura brasileira.
Cícero Romão Batista nasceu na cidade do Crato e o desenvolvimento da cidade de Juazeiro do Norte deve-se ao trabalho incansável de Padre Cícero que com seu carisma foi um verdadeiro catalisador e milhares de brasileiros, em especial nordestinos, se deslocaram e se deslocam para a cidade caririense de Juazeiro para trabalhar e viver segundo seus ensinamentos. E durante o ano com as romarias a cidade se agiganta mais ainda e as ruas, praças e igrejas se enchem de peregrinos em busca de paz e conforto espiritual.
A seu tempo Padre Cícero exerceu seu apostolado de maneira extraordinária e quero ressaltar principalmente o valor do trabalho e os seus ensinamentos ecológicos. Sem sombra de dúvidas considero Padre Cícero um vanguardista quanto ao tema ecologia. Já na sua época ensinava como o agricultor deveria cuidar da terra, água e plantações. Noções de cuidado com o meio ambiente era uma de suas preocupações. É tanto que é conhecida sua cartilha com ensinamentos de como sobreviver no semi árido nordestino. Todas as homenagens ao Padre Cícero e a Juazeiro do Norte, cidade centenária, são infinitas e bem vindas.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Pensamento para o Dia 20/07/2011


“A palavra Karma (ação) é curta e concisa. Mas, a ideia e os ideais que ela transmite são de grande importância para a humanidade. Eles são de dois tipos: material e espiritual, Loukik (conectado a este mundo) e Vaidik (extraídos dos Vedas ou determinações das escrituras). O Karma que apenas sustenta a vida é material. O Vaidik eleva o ser humano ao Divino e baseia-se nas escrituras. Karma não é simplesmente físico; ele é também mental e verbal. Karma reúne toda atividade do homem -- mundana, de acordo com as escrituras e espiritual. Todas as três vertentes estão, na verdade, entrelaçadas. As ações mundanas implicam em mérito ou demérito. As ações escriturais estão saturadas com a experiência de gerações de bons buscadores. O espiritualmente focado irá dedicar-se à purificação do coração, de modo que o Deus interior possa ser ali refletido.”
Sathya Sai Baba

Sem ou Contradições?! - Centenário de Juazeiro do Norte de quem?!

A programação das comemorações do Centenário de Juazeiro do Norte, com poucas exceções, é um desrespeito ao Pe. Cícero, enquanto homem, líder (político no melhor sentido da palavra) e santo! Estão fazendo uma micareta com um momento tão importante! Contradiz tudo o que ele acreditou! E olha que eu não sou radical!


Repudio tudo isso! Que pensamento retrógrado e limitado! Esses "gestores políticos" deveriam conhecer a história de pessoas como Cícero Romão Batista e aprenderem um pouco com ele. Talvez entendessem o porquê do Juazeiro do Norte existir e o motivo de nossa região ser tão rica em tantos aspectos! É triste a forma como ignoram os nossos maiores potenciais e conseguem usurpar, denegrir e transformar festas e eventos tradicionais em eventos politiqueiros: Festa de Barbalha, Exposição do Crato, Romarias de Juazeiro... Onde está a gestão cultural?


Onde estão os artistas de nossa terra? O povo que o Pe. Cícero acolheu e tanto valorizou?! Não falo de nomes como o meu, mas dos Zabumbeiros, nomes de artistas vizinhos do Crato, Barbalha e demais cidades do Ceará e também do sertão além fronteiras políticas! Os meninos da Casa Grande?! O Carroça de Mamulengos, os mestres da Cultura Popular Tradicional em um lugar realmente de respeito à grandeza e importância de sua de sua arte, principalmente para o povo de nossa região?! São Chico Cesar, dê uma luz pra esse povo!

Amigo - Por José de Arimatéa dos Santos

Amigo é uma pessoa muito especial e é aquele ou aquela que nos momentos mais precisos está junto de nós. Quando é necessário o apoio ou a crítica lá está ele exercendo a verdadeira amizade. Podemos ter um milhão de amigos ou apenas um só amigo. Se realmente for amigo não importa a quantidade. Vale a qualidade. O amigo pode morar longe e mesmo assim suas palavras ajudam e muito na vida de seus semelhantes. É muito importante cultivar as amizades e procurar ter uma relação harmoniosa de forma que possa aceitar as palavras duras, quando necessário, da mesma maneira quanto aos elogios.
Se todos da humanidade procurassem cultivar a amizade de uma forma respeitosa a todos os seres humanos e com os demais entes da natureza certamente a paz e a solidariedade seriam fatos hegemônicos. Importante a amizade para que o mundo possa ser diferente e dessa forma que as diferenças sejam respeitadas. Podemos até não concordar com muita coisa, mas somos obrigados a respeitar. Isso é a democracia. O respeito tem um pouco ou muito com a amizade. Quem tem amigo vive melhor e tem a certeza de viver mais alegre e mais feliz. Simplesmente a vida é feita de amigos. Essa é a lei da convivência humana nesse mundo. Não posso esquecer dos nossos grandes amigos animais de estimação que sempre estão a nos dar força e muita alegria. Vamos viver a amizade. O amigo nos completa e a esperança por mais amigos verdadeiros se renovam hoje que é o dia do amigo.

Programa Cariri Encantado Sonoridades – 20/07/2011

O Padre Cícero e o Juazeiro


 
Estamos em plena Semana do Centenário de Juazeiro do Norte, cujo marco será a próxima sexta-feira, dia 22. Mas, hoje, também se celebra uma importante data relacionada ao Juazeiro: os 77 anos da morte do seu patriarca, o Padre Cícero Romão Batista, considerado pelos milhares de romeiros que visitam a chamada "Meca do Sertão" uma figura mítica, um santo popular.

Reverenciado, amado e idolatrado, o Padre Cícero é tema de uma gama de canções, sob vários ritmos, gêneros e tendências musicais, que vai do baião, cantado pelo devoto Luiz Gonzaga, ao soul music, na voz do irreverente Tim Maia. Também, sambas, forrós, ladainhas, incelenças, dentre outros formatos musicais, foram compostos para homenagear o “Santo do Sertão”.

Nesta auspiciosa semana, o programa Cariri Encantado, neste dia em que se celebra a data de falecimento do “Levita do Sertão”, presta uma homenagem ao Padre Cícero e ao local da qual ele foi o principal emancipador, através de uma diversidade de músicas compostas e interpretadas por nomes conhecidos da música brasileira, como também por anônimos devotos desta personagem histórica e admiradores da progressiva cidade do Juazeiro do Norte.

Onde ouvir
Rádio Educadora do Cariri AM 1020 e www.radioeducadoradocariri.com.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

As Travestidas



Engenharia Erótica: fábrica de travestis é parte de uma pesquisa empírica e científica, para além do estereótipo e dos preconceitos, do modo de vida das travestis do nosso estado na preocupação de quebrar conceitos impostos pela sociedade tentando desmistificar sua relação com a marginalização e prostituição e lançando um olhar sobre a diferença entre história de vida e condição de vida.

 
Cabaré da Dama: Criação e interpretação solo de Silvero Pereira, a partir do texto Dama da Noite, de Caio Fernando Abreu (1948 – 1996), Uma flor de dama mostra uma noite na vida de um travesti, que experimenta com argúcia e ironia o que é próprio da condição humana: amor, preconceito, morte. Um jovem ator do Ceará no espetáculo que o consagrou no circuito de festivais Brasil afora. Prêmio de Melhor Ator no Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga.


 
 VERÔNICA DECIDE MORRER: A partir da personagem Verónica Valentino da peça Engenharia Erótica surge a banda fortalezense cheia de glamour, performance, luxúria e anti-amor e com um set list que inclui composições de Roberto Carlos, Amy Winehouse, B. B. King, Rita Lee, Arnaldo Antunes e do filme The Rock Horror Picture Show.

QUANDO A BANDA PASSAR

Luiz Domingos de Luna*


A História humana é permeada pelo acúmulo de conhecimentos do passado, a ação do presente, não muito raro, a visionários que a força elástica do futuro por razões que estão na intimidade do ser dão o pontapé inicial ao vindouro.

No distante ano de 1981, quando a cidade de Aurora ainda patinava no formato de sua infraestrutura, todo o arsenal para a civilidade urbana, ainda um sonho a bailar na mente dos otimistas, lá vem àquela forte figura, contrariando a tonalidade do presente, a colocar a pedra última do triangulo da civilidade aurorense – A Banda de Música do Senhor Menino Deus, como uma escola a levar o facho da luz a uma juventude de múltiplas carências, ainda no processo de construção da base piramidal.

Quem viveu o momento sabe que o sonho do humanizador social, ativista cultural, e sacerdote na expressão maior – Padre Francisco França – tinha um quê de Utopia, vez as colunas mestras de desenvolvimento social ser também uma utopia, na verdade, tudo era utopia mesmo, assim a do padre, era mais uma no oceano de inúmeras.

No dia 29 de abril de 1982 fui convidado para receber os instrumentos musicais na casa Paroquial, vez a solicitação do padre ter sido atendida prontamente pelo Ministério de Educação e Cultura. O Momento foi registrado por um grande paradoxo, ora, a cada instrumento que conferia um grito de emoção, lágrimas de felicidade que tocava suavemente o chão, como se existisse também uma alegoria na força gravitacional terrena.
Tudo para mim era motivo de felicidade plena, o cheiro dos instrumentos, os caixotes, a embalagem perfeita, na verdade tudo perfeito.

Quando dei conta de minha emoção plenamente exagerada, olhei ao lado e vi o idealizador da obra taciturno, triste, com uma dor na alma, uma expressão quase que fúnebre, ficou logo claro o descompasso espiritual entre mim e o arquiteto do projeto. Uma situação emblemática, uma dialética soava no ar, parecia ser um sonho realizado para mim e uma decepção para o padre.
Diante desta situação vexatória e paradoxal, confesso que para mim um pouco constrangedora, enxuguei as lagrimas de felicidades e entrei na atmosfera da dor espiritual que acometia meu mestre.

O Meu fluxo pensamental em pane, pois como conciliar a minha emoção contagiante com a tristeza espiritual marcante do momento. Pensei, devo estar agindo errado nesta situação, -esta minha alegria deve ser falsa, ou eu estou enganando a mim mesmo, Como pode? Pois eu sabia plenamente que a tristeza do padre era verdadeira, nunca passou a idéia da tristeza do mestre ser falsa, vez a sua integridade moral está acima da minha a anos luz!
Assim criei coragem e perguntei
Padre França por que tanta tristeza?
-Porque estou pensando
Como assim?
Será se daqui a 30 anos terão jovens para tocar estes instrumentos ou a ferrugem vai tomar conta deles.
Padre, a ferrugem tomar conta dos Jovens?
Não – Eu pensei dos instrumentos musicais.

Tombei na coluna do silêncio e não falei mais nada.

(*) Professor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Monsenhor Vicente Bezerra – Aurora –Ceará.