Seja colaborador do Cariri Agora

CaririAgora! é o seu espaço para intervir livremente sobre a imensidão de nosso Cariri. Sem fronteiras, sem censuras e sem firulas. Este blog é dedicado a todas as idades e opiniões. Seus textos, matérias, sugestões de pauta e opiniões serão muito bem vindos. Fale conosco: agoracariri@gmail.com

quarta-feira, 29 de abril de 2009

A ATUAL PANDEMIA DE INFLUENZA PODERIA TER SIDO EVITADA? - por José do Vale Pinheiro Feitosa

O vírus da atual pandemia é o influenza de sorotipo A e subtipo H1N1. O influenza se divide em 4 sorotipos (também chamados gêneros na taxionomia clássica) A, B, C e Thogotovirus. Todos os sorotipos podem atingir humanos. O subtipo H1N1 representa um dos subtipos das combinações possíveis da glicoproteína N e H. São conhecidos 16 subtipos para N e nove subtipos para H. Em outras palavras a variabilidade destes vírus é enorme e nunca é possível uma vacina universal para todos eles. Na atual pandemia as vacinas levarão até seis ou oito meses para serem desenvolvidas. Não é incomum que a vacina chegue após a maior intensidade do “fogo”.

De qualquer modo uma determinada combinação destes subtipos costuma se adaptar ao ser humano e permanecer em circulação por vários anos. Este é o motivo pelo qual todos os anos o Ministério da Saúde do Brasil vacina a população de idosos contra tais vírus circulantes. A atual vacina não tem efeito protetor para esta pandemia, mas protege contra o vírus já efetivamente circulante no país. Por isso a campanha de vacinação será continuada buscando atingir as metas necessárias.

A tendência do vírus influenza em promover pandemias (epidemias mundiais) deve-se em primeiro lugar à sua natureza infecciosa de vias respiratórias, se transmitindo facilmente pelo ar e por objetos contaminados. Em segundo lugar decorre da intensa movimentação humana entre os continentes, especialmente a partir do comércio mundial pós-industrial. Nos últimos 200 anos já foram identificadas 10 pandemias. Uma das mais conhecidas foi a gripe espanhola de 1918-1919 (anos da primeira guerra mundial), foi do tipo A e subtipo H1N1 (não o mesmo vírus atual, pois cada uma destas combinações dos subtipos possuem variações genéticas cruzadas), mas curiosamente começou na América do Norte (EUA) e tendo como reservatório o suíno (a seguir esta questão será melhor esclarecido em relação ao modelo aviário). A última grande pandemia foi a de 1968 (Hong Kong) com o tipo A e subtipo H3N2. Guarde este subtipo que terá importância a seguir. Considere, também, que vários sorotipos e subtipos continuaram provocando surtos e epidemias em várias países ao longo dos últimos anos.

O modelo de desenvolvimento e variabilidade do vírus envolve várias espécies de animais, especialmente aves, porcos, cavalos, mamíferos aquáticos entre outros. O modelo quando se refere aos humanos parece envolver, mais uma vez a economia. A intensidade da criação de aves e porcos para o abate se encontra na raiz da linha humana. O modelo leva a considerar a origem de quase todos os subtipos que atingem os humanos como oriundos de aves aquáticas, que espalham o vírus num largo horizonte intercontinental e se fixam no criadouros dos animais para abate. Então a granja e as pocilgas estão para a essência do modelo, como a aglomeração humana nas cidades é para a rápida transmissão interpessoal (pelo ar e perdigotos).

Então o modelo de decisão em Saúde Pública passa necessariamente pela questão do interesse econômico que envolve grandes empresas e grandes criadouros daqueles animais. Por isso é que incide uma feroz crítica à atual pandemia e envolve a Organização Mundial de Saúde, não sem razão liderada por asiáticos na atualidade. É que o modelo que apontava o caminho de uma nova pandemia já estava “anunciado” com a gripe de Hong Kong. A revista Science já identificara que o porco era um elo essencial para “forjar” no seu organismo o vírus aviário, tornando-o “apto” na adaptação humana e ampliando a própria virulência do H1N1 (subtipo dos suínos). Já havia a identificação de um aumento de virulência numa epidemia de porcos nos EUA em que se identificara que o subtipo H1N1 possuía genes do H3N2 da epidemia de Hong Kong.

Então fica claro que o ensaio da revista apontava uma linha para controlar a atual pandemia no interior dos criadouros de porcos. Se não fosse o Laissez Faire dos anos 90, quando o Estado Mínimo da Era Reagan considerava o Mercado acima de todos e as atividades econômicas um rolo compressor da sociedade, seria bastante provável que atual epidemia não estivesse ajuizando ainda mais a grande crise provocada por esta era.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Sindicato dos Bancários comemora 50 anos



O Sindicato dos Bancários do Cariri (Seeb/Cariri) comemora nesta quarta-feira, dia 29 de abril, o cinquentenário de sua fundação. Para demarcar esta histórica efemérides, a diretoria do Sindicato estar programando, para a noite do próximo dia 8 de maio, uma solenidade que acontecerá na sede da entidade, situada na rua Glicério Benício Pinheiro, 141, bairro do Pimenta, em Crato. Na oportunidade, a diretoria prestará homenagem de honra ao mérito aos fundadores da entidade, ex-presidentes e aos mais antigos associados. Haverá, ainda, o lançamento de uma publicação narrando fatos da história do Sindicato.

Neste meio século de existência, o Seeb/Cariri construiu uma trajetória permeada de muitas conquistas em prol da categoria bancária da região. Foram encetadas igualmente inúmeras lutas sob a liderança desse Sindicato, não somente as campanhas salariais da categoria, mas também movimentos que mobilizaram a sociedade regional em torno de causas históricas, como a redemocratização do Estado brasileiro após a interrupção da normalidade institucional pelo golpe militar de 1964 e a campanha pela ética na política, que culminou com o impeachment do presidente Collor de Mello. Não obstante, o Seeb/Cariri sempre se manteve atuante nas lutas empreendidas pelos movimentos sociais organizados da região, estando presente em datas e manifestações como o Dia da Mulher, Dia dos Trabalhadores, Grito dos Excluídos e reformas trabalhistas e previdenciárias reivindicadas pelos trabalhadores. No campo da liberdade de imprensa, o Seeb/Cariri se destaca nacionalmente por ter produzido o primeiro programa sindical radiofônico do Brasil, veiculado na Rádio Araripe do Crato, no início da década de 1990.

Fonte: Seeb/Cariri

segunda-feira, 27 de abril de 2009

NESTA SEMANA NO BRASIL

PANDEMIA DE GRIPE

O mundo à beira de uma pandemia de gripe aviária? A história do século XX foi marcada por grandes pandemias de gripe. A espanhola entre 1918 e 1919 desenvolveu-se em três ondas, começa nos EUA e rapidamente atinge a Europa, quando entre o outono e o inverno tem a face mais virulenta das três ondas. Estima-se uma taxa de letalidade entre 6 a 8%, calcula-se que atingiu metade da população mundial, tendo matado entre 20 a 40 milhões de pessoas. No Brasil morreu o próprio presidente da república Rodrigues Alves. A outra pandemia marcante foi a chamada gripe asiática que começou em 1957 no norte da China e em dez meses era mundial e estima-se que matou um milhão de pessoas. Em 1968 ocorreu a gripe de Hong Kong que se espalhou pelo mundo todo.

Não sem razão o mundo poderia experimentar, começando na América do Norte, uma nova pandemia de gripe. No México já atinge centenas de pessoas nos centros urbanos e já matou 104 pessoas até o dia de hoje. Existem casos nos EUA, na Espanha e Israel. A velocidade com a qual a pandemia poderá se espalhar será bem superior aos demais anos, pois agora as viagens internacionais são mais velozes e mais freqüentes. Já existem dois casos suspeitos de brasileiros oriundos do México. O atual vírus causador é da mesma matriz das grandes pandemias citadas: o da asiática era do subtipo H2N2 e este é do subtipo H1N1. O mais importante é a enorme adaptação do atual vírus a várias espécies: segundo o CDC (Centro de Controle de Doenças americano) se trata de uma mistura jamais vista que ataca simultaneamente suínos, aves e humanos.

SOCIEDADE , CONGRESSO E MÍDIA NACIONAL

Passagens aéreas, o Congresso Nacional, a mídia e os brasileiros. Com nossas famílias espalhadas por este continente chamado Brasil, passagens aéreas para visitá-los seriam o ideal nos tempos atuais. Viagem rápida e confortável. Ir ao exterior visitar as belezas do mundo, também é do agrado. Qualquer brasileiro gostaria. Bom, desse modo, a relação entre passagem aérea e os brasileiros está bem construída e argumentada.

O Congresso Nacional com passagem aérea, também. Os deputados e senadores vivem distantes de suas casas representando o sistema parlamentar do país. O que não encontra qualquer relação moral e ética é o uso de passagens como barganha, troca, favor, privilégio e safadeza com o dinheiro público. Um garotão como aquele deputado federal do RN é bem o tipo de gente que esta classe média irresponsável tem criado e revistas como a Caras, por exemplo, têm estimulado. Então a safadeza e o senso de privilégio a expensa do povo não tem relação. Agora, finalmente, aos líderes, ao “alto clero” que tanto espezinha o “baixo” nas páginas da mídia: onde se encontra um grande discurso contra esta safadeza? Por que os grandes líderes do Congresso não deram um basta nesta farra? Por que o estilo de reação foi de um “rapazinho” de Sobral, cheio do não me toques, dizendo: ministério público é o caralho?

Agora mídia e Congresso Nacional têm inteira relação. O papel da imprensa é informar sobre os fatos relevantes da sociedade e este das passagens do Congresso o é. Agora o modo, a intensidade e a boca viciada do cachimbo da imprensa é mera intimidação com o Congresso Nacional. Os esquemas concentrados em famílias, as concessões que ocorrem em tenebrosas transações fazem dos grupos empresariais da mídia nacional inteiramente suspeitos de intimidação ao poder concedente. No mesmo modo que sociedade se escandaliza com deputados e senadores, também cabe com o vampiresco comportamento do golpismo da mídia nacional.

domingo, 26 de abril de 2009

Coluna CARIRI - por Tarso Araújo

("O POVO", edição de 26-04-2009)

TESE DE DOUTORADO
Mais uma tese de doutorado sobre o Padre Cícero vem de ser publicada. Seu autor é Antônio Braga, autor do livro “Padre Cícero- Sociologia de um padre, antropologia de um santo”. A obra é fruto da pesquisa que ele realizou para a elaboração de sua tese de doutorado em Antropologia Social, defendida em 2007 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Segundo Antônio Braga: “No meio acadêmico, Padre Cícero e o fenômeno religioso do Juazeiro já foram objeto de um número respeitável de estudos, muitos de grande qualidade”.

RESGATE HISTÓRICO
O Cura da Catedral, padre Edmilson Neves Ferreira, tem planos de adquirir uma imagem de São Fidelis de Sigmaringa para ser venerada na Sé de Crato. Para quem não sabe, este santo foi declarado co-padroeiro de Crato, por frei Carlos Maria de Ferrara, ao construir a pequena capela de taipa, coberta de palha, dedicando-a de maneira especial à Nossa Senhora da Penha, a São Fidelis de Sigmaringa e à Santíssima Trindade. Era o início da Missão do Miranda, origem da atual cidade de Crato. Outro pensamento do padre Edmilson é construir um pequeno nicho, numa das colunas da Catedral, para abrigar a pequena imagem da Virgem Maria, mais conhecida como a “Mãe do Belo Amor”. Ela foi a primeira devoção mariana do Sul do Ceará. A histórica estatueta - já existente por volta de 1740 - foi venerada como a primeira padroeira dos cratenses na capelinha construída por frei Carlos Maria de Ferrara.

GASODUTO NO CARIRI
Deputado Manoel Salviano pediu pessoalmente ao presidente da Petrobrás, Sérgio Gabrielli, a implantação de um gasoduto no Cariri. A instalação desse gasoduto, no Sul do Ceará, diminuiria custos de produção, introduziria o gás natural como combustível para veículos e colocaria um fim na depredação da Chapada do Araripe, que está sendo desmatada por causa da madeira que é transformada em carvão. Manoel Salviano fez, também, um pronunciamento, na Câmara Federal, sobre a situação do Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, localizado em Juazeiro do Norte. Principal portão de entrada do Nordeste central, este aeroporto foi, em movimento, o que mais cresceu no Brasil, no ano passado. Mas encontra-se defasado e precisando de urgente ampliação e modernização. Ignoram-se as razões porque a Infraero - já com editais prontos para licitação das obras - ainda não tomou tal iniciativa.

DIVULGANDO A HISTÓRIA
A Secretaria de Educação de Juazeiro do Norte introduziu no currículo do ensino fundamental, duas novas disciplinas: Estudos afro-brasileiros e História de Juazeiro do Norte. Reativou, por outro lado, as aulas de Filosofia nas séries terminais. Aliás, um livro-piloto sobre a História do Juazeiro já foi escrito (entre seus colaboradores estão: Geraldo Menezes Barbosa, Daniel Walker e Renato Casimiro) e será editado para uso a rede municipal de ensino.

BOA NOTÍCIA
O ex-vice-reitor da Urca, professor José Nilton de Figueiredo, comunicando que conseguiu - junto ao deputado estadual Teodoro Soares (PSDB) - recursos para implantar a “home-page” do Instituto Cultural do Cariri na Internet. Por conta disso, todas as matérias publicadas na revista Itaytera (a partir do nº. 1, editado em 1954) poderão vir a ser disponibilizadas, na Internet, para quem quiser pesquisar. É a democratização de um valioso acervo, hoje nas mãos de poucas
pessoas.

VELHA ESQUERDA
Crato está a necessitar de um pesquisador para resgatar a ação da velha esquerda que existiu no Cariri antes de 1964. Bons tempos aqueles! Os esquerdistas eram pessoas idealistas e idôneas. Marcaram época no Crato homens da índole de um Ferreira de Assis, José de Figueiredo Brito, Raimundo Coelho Bezerra de Farias, Ernani Silva, Juvêncio Mariano, Otacílio Anselmo, Wellington Alves (Tonton), Geraldo Formiga, Elói Teles, José Valdesley Alves, José Figueiredo de Brito Filho, Rui de Figueiredo Bezerra, Olival Honor, Ivan Figueiredo, dentre outros... Somente em 2002, a esquerda chegaria ao poder no Brasil...

CURTAS
> Estão previstas a construção de 51 mil moradias dentro do programa “Minha Casa, Minha Vida” no estado do Ceará. 4 mil delas serão construídas no Juazeiro do Norte (...)
> Cineasta e escritor Rosemberg Cariry estará em breve no Cariri para lançar o livro “O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto: apontamentos para a História”, organizados por ele e por Firmino Holanda (...)

->A torre da Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores está a necessitar de nova pintura. A última ali feita ocorreu quando o pároco ainda era o saudoso monsenhor Murilo de Sá Barreto (...)

> Autor de várias biografias (dentre elas do presidente Castelo Banco, do escritor José de Alencar e da cantora Maísa), o jornalista Lira Neto está escrevendo nova biografia do Padre Cícero. O lançamento já tem data marcada: 22 de julho de 2011, data do centenário de Juazeiro do Norte (...)

> Em seis anos de governo o presidente Lula já esteve em Juazeiro do Norte em 4 ocasiões. As visitas foram restritas ao Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em meio a rígidas medidas de segurança (...)

ANOTE: KIT BEBUM
Esta foi postada no “site” Juaonline: “Com o surgimento da Lei Seca, onde é proibido beber e dirigir, um comerciário muito conhecido na sociedade juazeirense, Américo Capelli, está divulgando - através de e-mails e nas emissoras de rádio - a prestação do seguinte serviço: “Caso você queira tomar umas e outras, agora tem quem pode trazê-lo de volta a casa, com toda segurança e ainda guardar seu carro na garagem. Assim, você poderá usufruir o melhor da festa, bebendo à vontade. Esse serviço inteligente custa apenas R$ 35,00. Utilizando-o, você não vai ser multado pagando quase R$ 1.000,00 (Mil Reais). Os telefones para contato são: (88) 8804 - 7814 ou (88) 9928 - 2241”.

JOÃO ARAÚJO SOBRINHO.
O comandante da Casa dos Relojoeiros, está sempre movimentando o mundo ótico, seja ele levando um grupo de 12 colaboradores para a maior “Feira Ótica da América Latina,” em São Paulo - entre executivos, gerentes, consultores - e agora, mostrando os lançamentos da feira em mega desfile na “Semana da Moda”, no Cariri Shopping. São por essas e outras ações, que a Casa os Relojoeiros é líder no ramo em que atua.

sábado, 25 de abril de 2009

Do seriado "Coisas da República"

Brasil
O DIA DE ÍNDIO DE JOAQUIM BARBOSA
A descompostura quase provoca uma crise institucional no STF por causa do destempero de Joaquim Barbosa – justo ele, um ministro símbolo de coragem, cultura, inteligência e elegância



Alexandre Oltramari
POLÍTICA NO TRIBUNAL
O ministro Joaquim Barbosa (à dir.) fez acusações sem provas ao presidente Gilmar Mendes: explosão de temperamento
Em 200 anos de existência, o Supremo Tribunal Federal (STF) nunca testemunhara uma explosão de temperamento tão perturbadora. Na semana passada, durante uma rude discussão sobre a aposentadoria de servidores do Paraná, o ministro Joaquim Barbosa atacou o presidente Gilmar Mendes com uma série de acusações sem fundamento que ele leu em algum panfleto partidário. Joaquim Barbosa, culto, elegante, inteligente e corajoso relator do processo do mensalão, teve seu "dia de índio" – aquele costume civilizadíssimo de certas tribos do Xingu que concede a cada guerreiro um dia por ano em que ele pode gritar e ofender quem quiser sem sofrer retaliações.
A cena, transmitida pela tevê, começou quando Barbosa acusou Mendes de esconder informações dos colegas. Era falso. Barbosa desconhecia detalhes do processo porque estava de licença médica quando o caso foi julgado. A discussão já seria preocupante se terminasse aí. Mas ela continuou. Irritado com uma afirmação de Gilmar Mendes de que não tinha condições de dar lição a ninguém, Barbosa perdeu de vez a compostura. "Vossa Excelência está destruindo a Justiça deste país", acusou o ministro. "Vossa Excelência, quando se dirige a mim, não está falando com seus capangas de Mato Grosso, ministro Gilmar." Mato Grosso é o estado natal do presidente do STF. Capanga é como são chamados os pistoleiros que agem ali.
A maneira inadequada com que o ministro Barbosa expôs suas divergências com o presidente do STF quase mergulhou a corte numa crise institucional. Terminado o bate-boca, o ministro se retirou do STF sem falar com ninguém. Seus colegas, porém, realizaram uma reunião fechada em busca de solução para o conflito. Houve quem defendesse a abertura de processo contra Joaquim Barbosa e até se falou na possibilidade de seu impeachment. Afastada a sugestão mais radical, os ministros discutiram uma moção de censura pública contra Barbosa, mas também não houve consenso. A tese que prevaleceu, depois de três horas de discussão, foi a diplomática. Os ministros decidiram prestigiar Mendes, por meio de uma nota na qual lamentam o episódio e reafirmam sua confiança nele, sem mencionar uma palavra sobre o comportamento de Barbosa. Em almoço com dois colegas no dia seguinte, Barbosa admitiu que se excedeu, principalmente ao acusar o presidente do STF de possuir "capangas", mas descartou a possibilidade de se desculpar publicamente pelo episódio. O presidente do STF, por sua vez, também preferiu encerrar o caso. "Não há crise, não há arranhão. A imagem do Judiciário é a melhor possível", disse Mendes.
Ao contrário do que a altercação da semana passada sugere, Mendes e Barbosa têm muitos pontos de comunhão profissional e pessoal. Ambos estudaram na Universidade de Brasília, ingressaram no Ministério Público por concurso e complementaram seus estudos no exterior. A dupla também comunga o mesmo temperamento explosivo, embora esse traço de personalidade seja mais visível em Barbosa, que já se desentendeu com sete de seus colegas no STF e no Tribunal Superior Eleitoral. Mendes, ex-assessor de Fernando Henrique Cardoso e ex-ministro da Advocacia-Geral da União, foi indicado pelo presidente tucano em 2002. Barbosa, filho de pedreiro, que sempre estudou em escola pública, recebeu a toga de Lula em 2003. Foi escolhido por seus inegáveis méritos jurídicos, mas também pela disposição do presidente da República de nomear alguém com o perfil de Barbosa.
As rusgas entre Mendes e Barbosa, evidentemente, afloraram muito mais pelo que os separa do que pelo que os une. Ambos têm visões de mundo antagônicas. Considerado um elitista pelos adversários, Mendes costuma ser criticado pela maneira arrogante com que expõe suas ideias em público. Deve-se a ele, contudo, o recente desmonte do estado policial que começava a fincar estacas no coração da democracia brasileira. Já Joaquim Barbosa é considerado um procurador da República disfarçado de ministro. Ele acha que o clamor popular deve ser levado em conta pelos juízes, principalmente quando se trata de punir ricos e poderosos, e discorda das críticas que Mendes tem feito à Polícia Federal e ao Ministério Público. O ministro terá uma chance e tanto de colocar em prática suas convicções. Ele é o relator do processo criminal contra os 39 réus do mensalão, o esquema petista que desviava dinheiro público para corromper parlamentares no Congresso em troca de apoio ao governo. Barbosa já deu sinais inequívocos de que dará uma lição de isenção e coerência no caso do mensalão – este, sim, fornido de provas.
(Fonte:VEJA)

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Barbalha vai realizar Congresso de Folclore e Seminário sobre Religiosidade Popular


II Congresso Cearense de Folclore

I Seminário sobre Cultura, Religiosidade
e Festas Populares do Cariri

Barbalha (CE): 26 a 31 de maio de 2009

Será realizado, no período de 26 a 31 de maio do corrente ano, na cidade de Barbalha, o II Congresso Cearense do Folclore e o I Seminário sobre Cultura, Religiosidade e Festas Populares do Cariri. O evento tem como objetivo principal propiciar a estudiosos, professores, alunos e comunidade em geral um espaço de debates e discussões acadêmicas multidisciplinares acerca da cultura, da religiosidade e das festas populares, tendo como referência a Festa do Pau da Bandeira de Santo Antonio de Barbalha. A promoção e realização são da Prefeitura Municipal de Barbalha, através da Secretaria da Cultura e Turismo, da Comissão Cearense do Folclore e do Centro Pró-Memória de Barbalha Josafá Magalhães.
Tendo como temática o eixo “Festa Popular: cultura, tradição e fé”, o evento científico-cultural terá conferências, mesas redondas, grupos de trabalho, comunicações cientificas e apresentações culturais com grupos da cultura popular tradicional. Será realizado também o Curso de Atualização em Folclore, destinado, sobretudo, aos professores da área de ciências humanas da rede municipal de ensino, estando, porém aberto a professores das redes estadual e particular.
As inscrições para participar do evento e para apresentação de trabalho científico já se encontram abertas, podendo ser feitas através do e-mail:
comissaocearensedefolclore@bol.com.br. A programação está disponível no blog: http://maravilhosomundocariri.blogspot.com
Importante: AS INSCRIÇÕES SÃO GRATUITAS
Maiores informações:
E-mail: comissaocearensedefolclore@bol.com.br;
sectur_barbalha@yahoo.com.br;

Quem se emociona com Susan Boyle?

Sinal dos tempos é isso aí. Uma senhora de 47 anos, nascida e criada numa cidadezinha da Escócia, teve problemas de desenvolvimento mental na infância, mora sozinha com um gato, nunca teve namorados ou foi beijada e é pobre. Um dia aparece num programa de televisão inglesa de grande sucesso: Britains´s got talent. O nome: Susan Boyle. Uma senhora de porte baixo, gorda, já aparentando mais de cinqüenta anos chega ao palco para a incredibilidade do júri do programa. Uma incredibilidade encenada, feita para criar um clima na platéia e na assistência. Francamente demonstram não acreditar na calouro enquanto ela diz que cantará I Dream uma canção do musical Les Miserabilis. Aí outra jogada de emoção: a canção é a mensagem da personagem Fantine da peça no momento em que esta sonha superar definitivamente a vida miserável que leva.

Afinal tudo é produção, tudo é feito para platéias de uma economia em crise. O sinal dos tempos. Panis et circensis. Por isso mesmo o escritor Marcelo Carneiro da Cunha, no blog Terra Magazine de Bob Fernandes, pretende ser Susan Boyle. E pretende por ser um escritor que tem o quê dizer, pretende dizer e escreve sem parar mesmo não tendo o sucesso de um Paulo Coelho. Então ele quer algo divino (ou midiático pois é o caso de Susan Boyle): “aquele instante de boa e pura mágica, em todos os anos que vieram antes, todo mundo viu apenas o jeito desengonçado e improvável de Susan e não a artista”. Marcelo acredita que Susan tem a “essência” do artista, aquela que fala ao coração dos homens e se comunica com Deus. Não disse, mas foi isso que ficou subentendido em sua solidão de artista que não arrasta multidões.

Circulou pela Internet a mais cabal prova que estamos criando a cultura, como nossos teóricos bem o dizem, a estética da crise. Já vimos isso em filmes de época, em pintura, literatura e até mesmo da arquitetura. Voltemos aos anos 30 e tudo se encontra bem catalogado. A estética da manipulação das pessoas em sofrimento, para que aplaquem sua raiva com a ruptura do progresso que lhes prometeram e não veio. Esta manipulação não é nova, sempre ocorreu, mas agora ela se encontra nitidamente dirigida para este sentido. Basta identificar as explicações que a imprensa inglesa oferta ao seu público.

Para muitos Susan é uma mensageira vinda para acordar a humanidade das frivolidades mundanas, quando a feiúra da personagem é a contraprova de uma Gisele Brünchen dos saborosos anos do consumo americano. Ou então seria Susan um anjo de esperança neste desespero mundial da crise capitalista. Susan seria uma “madre” trazendo esperança para as famílias em franca decadência no tecido social, a falta de emprego, a dignidade e a sanidade mental. Enfim, aquela que tinha tudo contra si, para os padrões vigentes na produção cultural capitalista, supera-se e esta superação é uma mensagem potente para que tudo mude para permanecer como se encontra. Isso quer dizer: a crítica não se encontra ao modo de produção, mas vangloriar os esfarrapados que na loteria do improvável conquistam o prêmio em pleno coliseu televiso.

Tudo encenado, as emoções dosadas, a música da mesma dimensão do investimento financeiro em superproduções, pois sem aquela música, sem aquela emoção já de todo “elaborada” por milhões de pessoas que puderam previamente pagar um ingresso nas grandes cidades do mundo para assistir ao musical, ou compraram os CDs e DVDs.

Afinal é Susan o anjo da indústria de entretimento globalizada a serviço dos anos de crise. Serviço tão perfeitamente adequado ao momento tecnológico de modo a apenas assim ocorrer em razão do You Tube.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Coluna Política - do jornalista Donizete Arruda

(transcrita do “Jornal do Cariri”, edição 21-04-2009)

Santana com as mãos na cabeça
O prefeito de Juazeiro, Manoel Santana (PT), anda desesperado com a situação enfrentada por seu município. Já está disponível na Caixa Econômica mais de R$ 30 milhões para investimentos e obras que irão beneficiar a cidade. Porém, esses recursos não podem ser liberados porque Juazeiro do Norte está inadimplente. Essa inadimplência decorreria da falta de prestação de contas de verbas recebidas pela administração passada de Raimundo Macedo.
Raimundão nega problema
Em rota de colisão com a administração Manoel Santana, o ex-prefeito Raimundo Macedo (PMDB) fala abertamente sobre seu sucessor. Diz que quem vota no PT uma vez, nunca mais repete o voto. Palavras reveladoras sobre o rompimento entre Santana e Raimundão. Agora, sobre os prejuízos causados ao povo de Juazeiro por erros de seu governo, Raimundão nega através de assessores técnicos e afirma que no dia 30 de dezembro, a prefeitura retirou comprovantes de que estava com todas certidões sem constar nenhuma irregularidade. Essa polêmica promete, pois a verdade é que Juazeiro tem dinheiro na Caixa e não pode gastar, punindo à população.
Luizianne veta nome do Cariri
A prefeita Luizianne Lins anunciou que irá apoiar a reeleição de Ilário Marques à presidência regional do PT. Luizianne descarta apoiar a candidatura do prefeito de Mauriti, Isaac Junior. O nome de Isaac Junior também sofre resistências de outras tendências petistas. E até mesmo entre seus eleitores já há quem defenda sua desistência. Falta habilidade política do prefeito Dr Junior para quebrar resistências a sua postulação dentro do PT.
Sucessão na URCA
A professora Salete Maria é um dos fortes nomes na disputa pela reitoria da URCA. Ultimamente, fazendo mestrado em Salvador, vem ao Cariri para conversar com possíveis aliados e montar sua estratégia de campanha. Salete Maria definiu querer como vice, o professor Waltécio (PCdoB), ex-pró-reitor no inciio da gestão de Plácido Cidade Nuvens.
Disse me disse
* O ex-prefeito de Barbalha Rommel Feijó prepara sua candidatura a deputado estadual pelo PTB. Feijó espera votos além de sua terra, em Farias Brito, Santana do Cariri e Nova Olinda.
* Sineval Roque criou coragem e vai reunir os vereadores do PSB na cidade do Crato. Agora, falta anunciar apenas o dia do encontro.
* Estão adiantadas as conversas para que o ex-prefeito Walter Peixoto apóie a candidatura à reeleição do deputado Manoel Salviano(PSDB).
* Desculpe a ignorância, quem pagará a conta por Juazeiro do Norte perder R$ 30 milhões por estar inadimplente com o Governo Federal?

domingo, 19 de abril de 2009

Coluna CARIRI, por Tarso Araújo

(Jornal O POVO, 19-04-2009)
CIDADÃO CRATENSEO
juiz federal aposentado José Vanderlei Landim, por ocasião de seus 70 anos, recebeu o título de cidadão cratense e a insígnia, no Grau de Grande Oficial, da Ordem Sergipana do Mérito Trabalhista. Dr. Landim, vive hoje no Crato, recebeu também a Medalha do Mérito Cacesiano, concedida pela Casa Cearense em Sergipe. A solenidade se deu no Crato Tênis Clube, e lá esteve toda a sociedade cratense.

SÃO JOÃO
I Expo São João, acontecerá no Crato, no Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcanti., O evento é uma promoção da Comissão Gestora da Expocrato, Câmara de Dirigentes Lojistas, Sindlojas e Associação Comercial, com apoio do Governo do Estado e da prefeitura do Crato. Para o presidente da CG da Expocrato, Dr. Leitão Moura, será um São João para a família caririense, com barracas vendendo comidas típicas, festival de quadrilhas juninas e shows com artistas regionais. Destaque para a participação de Joãozinho do Exu, Fábio Carneirinho, Zé de Benona e Epitácio Pessoa.

O QUE FAZ O PROGRESSO
Que atividade - nos dias atuais - alavanca o vertiginoso crescimento de Juazeiro do Norte? Errou quem cravou a opção “romarias”. Hoje, segundo o pesquisador Daniel Walker, o ensino universitário e as grandes empresas que se instalaram na Terra do Padre Cícero são as molas principais do seu desenvolvimento. São ofertados 40 cursos de graduação em Juazeiro do Norte. O “boom” imobiliário do bairro Lagoa Seca, com pousadas, pequenos edifícios residenciais, restaurantes, etc. tiveram incremento após a instalação da faculdade de medicina. Vale por dezenas de romarias, diz Daniel Walker. É verdade. As romarias são feitas por pessoas de baixo poder aquisitivo, que se hospedam em “ranchos para romeiros” e gastam pouco dinheiro.

NOVA POSTURA
Mesmo assim, Daniel Walker faz questão de acentuar a importância do turismo religioso para Juazeiro do Norte. Ele foi - há 40 anos - importante para deflagrar o crescimento da cidade. E mesmo hoje possibilita inserir a Terra do Padre Cícero no espaço midiático brasileiro o ano todo. Hoje, Juazeiro do Norte cresce por gravidade. Seu raio de influência econômica não se resume aos 31 municípios do Cariri. Abrange de Serra Talhada e Salgueiro (PE) a Picos (PI); de Cajazeiras e Sousa (PB) a Iguatu e a região dos Inhamuns, no Ceará.

POLUIÇÃO VISUAL
Recebido com muita expectativa, o projeto para despoluição visual das ruas de Crato parece que esfriou. Até agora só foram retiradas pouco mais de duas dezenas das placas publicitárias abusivas. E isso, por adesão espontânea de alguns comerciantes. A população cobra para Crato o que foi feito pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab: proibição, por lei, de colocação de placas gigantes em fachadas comerciais, além de nova legislação com rígidos critérios para os anúncios de lojas e produtos. Em São Paulo, Kassab deu um prazo para retirada das publicidades abusivas. Findo o prazo, a própria Prefeitura retirou as remanescentes. É o que tem de ser feito também em Crato, diz o povo.

PRECIOSIDADE
No final de sua administração à frente da Urca, o ex-reitor André Herzog, mandou publicar uma edição fac-similar de “Apontamentos para a história do Cariri”, escrito por João Brígido em 1858. Esse livro foi publicado inicialmente pelo “Diário de Pernambuco”, de Recife, em forma de folhetim, em 1861. A 2ª edição ocorreu em 1888 publicada pela Tipografia da Gazeta do Norte, de Fortaleza. Muito provavelmente esta é a primeira publicação sobre a História da Região do Cariri, constituindo-se, portanto, numa verdadeira preciosidade para os pesquisadores, profissionais e interessados na história do sul-cearense. Como ficou pendente (junto à editora Expressão Gráfica de Fortaleza) a prestação final da nova edição desse livro, o professor Jurandy Temóteo, num gesto louvável, adquiriu junto à editora cerca de cem exemplares, todos vendidos - em pouco tempo - através de venda nas bancas de jornal de Crato. Não se sabe se o restante da edição ainda existe ou já foi incinerada...

VELHO SOCIALISTA
Um dos mais lendários socialistas cratenses, José de Figueiredo Brito, teve sua vida resgatada em livro. A iniciativa partiu dos seus filhos Telma e Heitor, autores de “José de Figueiredo Brito - lutas e trajetória”. O velho socialista acreditava que a defesa dos humildes deveria ser feita através das ideias no contexto revolucionário da época. Por conta disso foi perseguido pelo movimento militar de 1964 que o aposentou compulsoriamente do emprego, com prejuízos financeiros. Visceralmente honesto, insubmisso, intelectual de valor, José de Figueiredo Brito terminou seus dias em Recife, aonde faleceu em 1989.

CURTAS
> Juazeiro do Norte e Crato já começam a sofrer as consequências do caos no trânsito em suas apertadas ruas. Em ambas as cidades, há anos a malha viária não recebe ampliação. Já o número de carros aumenta a cada mês. E o que tem feito os Demutrans? Multar os motoristas (...)

> A Secretaria das Cidades do Ceará recebeu sinal verde do Banco Mundial para contratar consultoria com a finalidade de implantação efetiva dos nove geotopes que compõe o Geopark Araripe (...)

> No próximo dia 22 serão iniciados os festejos a São José Operário, padroeiro do distrito da Ponta da Serra e do bairro Lameiro, ambos em Crato (...)

> O novo bispo de Iguatu, o carmelita dom frei João José Costa, tomou posse ontem e virá, em breve, visitar o Seminário São José de Crato. Ali estudam dez seminaristas da sua diocese (...)

ANOTE: 102 ANOS DE VIDA
Raimundo de Oliveira Borges, nosso intelectual maior, completará - no próximo dia 2 de julho - 102 anos de vida. Lúcido e produtivo, ele já escreveu mais de vinte livros e se dedica, no momento, a copilar - para posterior publicação - os dez melhores discursos que ouviu ao longo de sua existência. Admirável este velho advogado, intelectual de renome e uma das reservas morais do Cariri! Nascido, em 1907, na Vila de São Pedro do Crato - hoje Caririaçu - Raimundo de Oliveira Borges foi promotor e diretor das três faculdades isoladas (Filosofia, Ciências Econômicas e Direito) que deram origem à Universidade Regional do Cariri - Urca.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

A CRISE DELES É A NOSSA - por José do Vale Pinheiro Feitosa

Já temos consciência que uma crise econômica e, portanto, necessariamente social nos atinge? Parece que uma parte significativa assim o entende. Diante de fato novo desta contemporaneidade interpretações são feitas, o futuro é pensado e muitos se utilizam da crise como mote de disputas. Não é preciso dizer que nada a criticar, pois se algo desperta tantos efeitos assim, é natural que venha á baila. Se for a crise final do capitalismo, ou uma crise do qual ele emergirá menos neoliberal, ou que tipo de solução virá, quem são os culpados por elas, seriam etapas de avanço? Outro mote é próprio da disputa eleitoral que se aproxima no ano que vem. A oportunidade de a oposição derrubar o bom desempenho popular do presidente Lula, uma forma de impopularidade que gera oportunidade ao adversário. Por isso tantos motes como o da “marolinha”, ou a questão dos recursos federais para os municípios e vida que segue, pois haverá este ângulo da crise.

Mudamos de parágrafo e com ele para a crise como origem. A crise em primeiro lugar é a crise da liderança que emergiu vitoriosa da guerra fria. Emergiu com uma política neoliberal que tinha, nesta liderança, a armada por ameaça, a pujança tecnológica por encanto, a ficção cinematográfica como ideologia e o mercado como um Deus. Claro que um Deus terreno, a própria liderança: com sua moeda de pretensão de banco central do mundo, seu consumismo capaz de fazer crescer galpões industriais pelo planeta, seu estilo de vida e pensamento capaz de dar lições até as tribos mais remotas do Sahel. Em segundo lugar é a crise dos liderados, agora sem referências, desconfiados do líder, abandonados pelo eixo organizador e desprovidos de iniciativas. Junte o primeiro lugar e o segundo com o modo de eleger presidentes da república nos EUA (lembre da primeira eleição de Bush) e entenda a razão do primeiro presidente negro, descendente de africanos, morador da Ásia e que se entusiasma a ponto de dizer é o cara, com lideranças terceiro-mundistas. Entenda o líder de vestes rotas assumindo o papel do amigo do esfarrapado.

A crise de liderança, também não é divina. Pensando-se onipresente, onisciente e onipotente, os EUA tinham que viver a humildade do dia-a-dia. Ele só seria o que é se desse aos americanos o que desejam: emprego, renda e consumo. E como criar esta mágica. Aí é que vem o artifício que enfeita o horror dos tempos presentes. Ele inventa o que não tem, desregulamenta, flexibiliza, se torna uma criatividade sobre o encanto de coitados, criam mágicas que paralisam os demais povos. A primeira das grandes questões que referiam o valor, o preço, o quanto algo efetivamente vale em comparação com outra coisa é CONTABILIDADE. Sem uma contabilidade confiável, não se tem referência de valor de um negócio, de uma empresa. As contas confiáveis são fundamentais. Vimos que tudo isso se tornou engodo nos EUA. A outra face é a previsibilidade na aposta do capitalismo, aí as Agências de Risco, os modelos estatísticos, o paroxismo da econometria, se tornaram inteira ficção, estavam a serviço do invento e da criatividade dos chamados derivativos e por aí o EUA enganaram todo mundo.

Num dado a crise tem um sentido. Aquele de substituir a herança do pós-segunda guerra e restabelecer a consciência moral e solidária dos povos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

A DRAMATURGIA DE CACÁ ARAÚJO




Entrevista concedida por Cacá Araújo à jornalista Thereza Dantas, para o site Dramaturgia Contemporânea. É só conferir o site pelo :www.dramaturgiacontemporanea.com.br/agenda

1. Quais textos já foram montados?

- “A Comédia da Maldição”, em 2005 e 2007, com direção minha e atuação da Cia. Cearense de Teatro Brincante, no Teatro Rachel de Queiroz, Crato-CE. Tem reestréia marcada para maio de 2009, no Teatro SESC Patativa do Assaré, em Juazeiro do Norte-CE.
- “O Pecado de Clara Menina”, estreou em 2007 no Teatro Rachel de Queiroz, Crato-CE, e circula pela região do Cariri cearense, também com minha direção e atuação da Cia. Cearense de Teatro Brincante. Continua em cartaz em 2009, devendo seguir para Sousa-PB e Fortaleza-CE.
- “As presepadas de Zé Ozébe”, foi criada em 2007, inicialmente encenada por alunos do Curso de Teatro da Sociedade de Cultura Artística do Crato (Turma de Cacá Araújo, dez/2007, com direção de Daniel Rodrigues). Depois foi montada pela Cia. Impulso de Teatro, de Juazeiro do Norte-CE, com direção de Mauro César, desta feita estreando em 2008 no Teatro do Centro Cultural do Banco do Nordeste (Juazeiro do Norte-CE), circula no Cariri cearense e paraibano. Continua em cartaz em 2009. Deve ser encenada em Feira de Santana-BA, sob a direção de Marcelo Czar.
- “Monólogos das Flores Violadas”, encenada em 2008, com apresentações no Teatro do Centro Cultural do Banco do Nordeste (Juazeiro do Norte-CE) e Teatro do SESC (Crato-CE), dirigida mim e interpretada pela excelente atriz Carla Hemanuela.
- “Lágrimas no papel”, que estreou em 2008, direção minha, na Faculdade Leão Sampaio - Curso de Serviço Social (Juazeiro do Norte-CE), tem a brilhante interpretação da atriz Françoi Fernandes. Ainda em cartaz em 2009, recentemente foi apresentada no Teatro do SESC em Crato-CE e Juazeiro do Norte-CE.
- “A Donzela e o Cangaceiro”, em fase de montagem, com direção minha e elenco da Cia. Cearense de Teatro Brincante tem estréia prevista para o segundo semestre de 2009, no Teatro Rachel de Queiroz, Crato-CE.

2. A linguagem de suas peças é muito coloquial nordestina, porque você faz isso?

Tenho preferência pela escrita de textos no que chamo de “dialeto nordestino”, que é uma variação lingüística identitária e reveladora da alma popular da região, a um só tempo local e universal, pelo que traz do arsenal vocabular ibérico e, em menores proporções, de outras partes do mundo. Uso, ainda, o verso popular, que nos remete aos trovadores medievais e nos aproxima dos cantadores e repentistas, tão emblemáticos da nossa cultura. Também sempre elejo como motivos centrais causos, lendas e mitos ancestrais como forma de manter vibrantes nossas raízes culturais, de difundir nossas tradições através dessa contação de histórias espetacular que é o teatro. É uma contribuição modesta à gloriosa luta pela afirmação nacional, respeitando toda a diversidade sem se deixar engolir pelos detentores do poder econômico e midiático, seja de dentro ou de fora do país. É a celebração da harmonia universal das diferenças! Somente assim a alma não se destrói, e a contemporaneidade não perde a seiva ancestral que a torna legítima de um povo ou nação.

Mas também escrevo sobre temáticas políticas e sociais numa linguagem, digamos, urbana, como é o caso de meus dois monólogos e de outros projetos que tenho prontos, sempre, nestes casos, seguindo a linha “engajada” de denúncia, de luta social, de forte teor ideológico e de combate ao capitalismo e às injustiças por ele produzidas.

3. Você acredita que esse coloquialismo pode gerar um sentimento regionalista e não sair das fronteiras do Nordeste?

Independente disso, nós já somos vítimas de um preconceito imbecil e arrogante por parte da grande mídia e de certa intelectualidade elitista principalmente do Sul e Sudeste, que não admite arte que não seja moldada em seus parâmetros estéticos e lingüísticos ou nos de seus “superiores” estrangeiros. Vêem-nos com menores, inferiores, até mesmo quando “macaqueamos” seus modelos. Mas felizmente essa é uma tendência que está ficando ultrapassada, especialmente quando se tem em curso políticas públicas que valorizam a diversidade, como é o caso atualmente do desempenho do governo federal.

Creio que o fato de privilegiarmos nossa linguagem pode gerar desinteresse por parte dos grandes patrocinadores privados de origem não-nordestina e internacionais, embriagados pela mídia e enlouquecidos pela sede de lucros. Mas penso que circuitos alternativos subsidiados pelo poder público realizados por instituições sérias como o SESC, BNB, FUNARTE e outras, via editais ou mesmo através de festivais e outras iniciativas, poderão desmistificar esse falso entendimento de regionalismo e proclamar a universalidade de qualquer gesto artístico.

Outra vertente importante é no campo midiático. O Brasil não pode mais bancar o monopólio da informação e da veiculação de símbolos culturais nas mãos de um punhado de produtores e intelectuais de uma única região ou estado. Precisamos regionalizar a nossa produção televisiva e informativa para que a diversidade nacional seja respeitada. Quando falo regionalizar é no sentido de difundir a arte, a notícia, os costumes, a história, a vida do povo de cada região geográfica e cultural, sem impor as neuras comportamentais estrangeiras nem os modismos novelísticos da vez. A democratização efetiva dos meios de comunicação é um caminho indispensável. Na minha opinião deveria ser tudo estatizado, laicizado, “gratuitizado”, com efetivo e eficiente controle social. Nada de “Marinhos”, “Macedos” e outros arremedos de paladinos da comunicação.

Não podemos, também, descuidar dos processos educacionais formais. A escola tem que ser um centro múltiplo: receptor, produtor, irradiador e intercambiador da ciência e da arte. Digo isso porque vejo a Educação como centro da emancipação humana. Somente através dela pode salvar o homem da desgraça, da barbárie, da destruição. Mas precisamos mudar os paradigmas ideológicos dominantes.

4. Existe alguma regra na construção dos seus dramas?
Sou um dramaturgo autodidata. Li e leio muito sobre tudo, de história e teoria literária aos clássicos e atuais conhecidos e desconhecidos autores. Cordéis, romances, política, poemas...

Considero-me privilegiado por ser aluno de Aristóteles, Platão, Sócrates, Sófocles, Eurípides, Ésquilo, Plauto, Racine, Molière, Goldoni, Brecht, Meyerhold, Stanislavski, Marx, Engels, Stálin, João Amazonas, Ângelo Arrôyo, Plínio Marcos, Dario Fo, Nelson Rodrigues, Maria Clara Machado, Lourdes Ramalho, Ariano Suassuna, Dias Gomes, Guarnieri, Boal, Câmara Cascudo, Oswaldo Barroso, Rosemberg Caririy, Mário de Andrade, Patativa do Assaré, Correinha, Leandro Gomes de Barros, Galego Aboiador, Marreco, Gavião, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Pedro Bandeira de Caldas, Raimundo Aniceto, Mestre Aldenir, do transeunte, do bêbado, da meretriz, da criança, do vento... e de tantas e tantos incontáveis mestres e loucos!

Não costumo seguir regras na criação de minhas obras, apenas estabeleço um argumento inicial, que depois deriva para narrativas mais detalhadas, seguindo-se da elaboração do texto propriamente dito. Como sou ator e diretor, gosto de abusar de rubricas, pois escrevo para eu mesmo encenar, embora não proíba que outros diretores e companhias montem meus textos.

5. Você está escrevendo um livro sobre o gestual do teatro nordestino. Poderia nos contar um pouco sobre esse trabalho?

Não é exatamente um livro. Estou pesquisando e experimentando o que chamo de “cena brincante”, que é um mergulho na tradição dos folguedos populares (Reisado, Maneiro pau, Coco, Bandas cabaçais etc.), na inspiração dos mitos (Lobisomem, Caipora, Lula-sem-cabeça...), no aconchego dos causos e lendas, nos movimentos faunescos (gestualidade animal), no antropo-homem sertanejo... ligando isso tudo a nossa ancestralidade. Estamos à procura do “gesto dramático universal”, por isso a palavra falada, dita, não pode ser impeditiva de circulação de um espetáculo. Pretendo, entretanto, publicar essa experiência.

6. Quais são os personagens arquetípicos do teatro nordestino?

O Nordeste é mais legitimamente universal do que qualquer outra região do país. Aqui residem os elementos formadores do grande mosaico cultural que é o Brasil, caldeado por mais de quinhentos anos. Aqui nós temos ibéricos, mouros, africanos e ameríndios. Somos talvez o maior exemplo da possibilidade de unidade de contrários, de harmonia da diversidade, de beleza e de multiplicidade de cores.

Neste sentido, nossos personagens arquetípicos vêm de tempos medievos e de pelejas nem sempre alegres ou brincantes. É o Bobo-Grilo-Malasartes-Mateus-Povo que diverte os poderosos ao tempo em que deles se vinga e astuciosamente persegue a felicidade. É o valente, a donzela, o bicho-mito que apavora e fortalece uma moral religiosa, a fera que se transforma, o príncipe que liberta... Somos um povo “aventuroso” desde os nossos antepassados. Estamos sempre recontando a extraordinária epopéia da busca da felicidade, reeditando permanentemente a comédia e a tragédia de se viver digladiando contra a opressão (monstro) para salvar a princesa (liberdade). Isso é resquício da colonização católica. Temos nossos Zumbis e outros mitos e heróis que nos remetem ao índio, ao cangaço e às façanhas revolucionárias que nossa maravilhosa história teima em reacender.

7. O que se aproxima mais do teatro nordestino hoje, a comédia dell'arte ou a dramaturgia contemporânea?

Vejo a commedia dell’arte como a síntese genética do teatro nordestino, pois este, mais apegado à tradição das ruas e das feiras, soube melhor traduzir a essência da alma popular, não se deixando levar pela tendência neurótica do urbanóide narcotizado pelo vírus estadunidense ou pela vertente européia degenerada.

Quero até fazer um parênteses quanto à questão da contemporaneidade. É que as épocas estão se fundindo como que a caldear uma nova existência e o que tiver raiz profunda sobreviverá. Por isso não podemos nos perder do nosso tronco, sob pena de termos que penar mamando no peito de quem não nos pariu e até nos comportarmos como sendo outro, pensando sermos nós. Imagino e sou convicto de que o nosso “novo”, o nosso “contemporâneo” não deve se perder da “umbilicalidade” original.

8. Como você vê a produção do teatro nordestino hoje?

O verdadeiro teatro nordestino é a festa dionisíaca mais original, efervescente e respeitável que conheço, pois, via de regra, não tem apelo nem pêlo dos gatinhos e gatinhas da mídia novelística que garante bilheterias e dispensa talento. Vejo autores mais destacados como o Ariano Suassuna, Hermilo Borba Filho e Lourdes Ramalho, serem, por nós notabilizados, junto a Oswald Barroso, Marcos Barbosa, Emmanuel Nogueira, Cacá Araújo e Wanderley Tavares dentre outros, com algum espaço na produção e circulação, ainda que circunscrita praticamente ao Ceará e ao Nordeste.

9. Como você vê a produção do teatro brasileiro?

Acompanho o que a internet, jornais e revistas me oferecem. Depois o que consigo ver por aqui, não sendo muito, mas sempre de muita valia.

Entendo que o teatro brasileiro terá sua dimensão reconhecida em todos os sentidos quando o povo conseguir olhar para o espelho e vir a si mesmo, com suas ambições, perfeições e defecções, sonhos, alentos e desalentos, feiúras e belezas, aventuras e desventuras... motivos de orgulho e de auto-estima revigorados! Hoje o nosso teatro ainda é, no conjunto majoritário, a expressão de poucas companhias de famosos e ou privilegiados pelo grande patrocinador privado ou estatal, fruto de lobby midiático.

Entretanto, a produção não cessa e se diversifica na riqueza do temário, da história, da ousadia e do talento de homens e mulheres que se afirmam na condução da cena brasileira alternativa. Não se pode desconhecer a interpretação magistral de um Autran e de uma Montenegro ou Pêra, sem também elencar gente nossa como Ricardo Correia, Salviano Saraiva, Orleyna Moura e muitas e muitos...
Em, 5 de abril do ano 2009.




foto: www.blogger.com

sábado, 11 de abril de 2009

Os estragos da "Marolinha"


A Crise das Prefeituras

O impacto da crise econômica sobre as receitas públicas está sendo muito mais forte do que as previsões iniciais e afeta seriamente o equilíbrio fiscal e financeiro das prefeituras brasileiras. Os resultados da economia, de uma maneira geral, estão provocando quedas seguidas na arrecadação tributária. E, com as medidas anunciadas recentemente, que prevêem a redução de mais de um bilhão e seiscentos milhões de reais, a situação pode se agravar.
Uma das principais consequências é a redução dos valores que as prefeituras recebem da União por meio do Fundo de Participação dos Municípios. Esse fundo é formado por parte da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados, que também estão caindo. Da mesma forma, cai a receita do ICMS, recolhido pelos estados, que transferem para as prefeituras parte do que arrecadam. A crise, como se vê, não está poupando nenhum nível de governo. No caso dos municípios, os números impressionam.
Com a queda da arrecadação do IPI e do IR nos primeiros dias do mês, o segundo repasse de março do FPM para as prefeituras foi de R$ 250 milhões de reais: 19,3% menos do que o valor inicialmente previsto, de R$ 310 milhões de reais.

Coluna CARIRI - por Tarso Araujo

(transcrita do jornal O POVO, domingo,12-04-2009)
CONURBAÇÃO
Entende-se por conurbação a contínua e progressiva conexão urbana interligando cidades. Isto aconteceu no Cariri, mais precisamente no Triângulo Crajubar, formado pelas cidades de Crato-Juazeiro do Norte-Barbalha. Essas cidades estão praticamente emendadas. O Banco Mundial se dispõe a conceder empréstimos visando consolidar a conurbação que seria transformada numa região metropolitana, a segunda do Ceará. Na prática, sabe-se que Juazeiro do Norte - espremida entre Barbalha e Crato - já não dispõe mais de espaço agrário. Daí porque algumas imobiliárias de Fortaleza estão de olho em terrenos existentes em Crato e Barbalha para futuros investimentos.
NOVOS RUMOS
A Rádio Educadora do Cariri, fundada há 50 anos pela Diocese de Crato, passou a ser administrada pela associação de leigos católicos Missão Resgate. Essa associação, dirigida pelo jovem advogado Geraldo Correia Braga, dentre outras finalidades, ajuda adolescentes e adultos em situação de risco social e pessoal relativos às drogas. Enquanto noutras partes do Nordeste, os padres se queixam de igrejas vazias, a Missão Resgate enche todas as semanas a Quadra Bi-Centenário, no Centro de Crato, com uma multidão calculada em cinco mil pessoas.
NOVA REGIÃO METROPOLITANA
O prefeito de Barbalha, José Leite Cruz (PT), é um dos defensores da proposta do governo Cid Gomes de criação da Região Metropolitana no Crajubar. Ainda em apreciação pela Assembleia Legislativa do Ceará, a proposta foi elaborada pela Secretaria das Cidades. As cidades de Crato, Juazeiro e Barbalha estão conurbadas, segundo os critérios e metodologia do Banco Mundial. Segundo o prefeito José Leite: “o processo de integração do Crajubar - hoje conurbado - constitui opção para consolidar o mercado regional, integrar as cadeias produtivas, impulsionar a competitividade das empresas, promover o intercâmbio de conhecimento tecnológico e científico e conquistar uma melhor inserção na economia estadual”.
PANORAMA DO CARIRI
Prefeito da maior cidade do Cariri, o médico Manoel Santana (PT), garante que agora vai começar a implementar seus planos para Juazeiro do Norte. Segundo ele, os 100 primeiros dias de governo foram usados para tomar pé da situação herdada e “arrumar a casa”. Em Crato, não houve problemas. Reeleito, o advogado Samuel Araripe (PSDB) deu continuidade às obras em construção, uma vez que a situação financeira da Prefeitura estava em ordem. Em Barbalha, José Leite Cruz (PT), economista, ex-gerente do Banco do Brasil com passagem na superintendência da instituição, reorganiza as finanças e mantém os serviços básicos em funcionamento.
BISPO
Dom Fernando Panico estará ausente de Crato por cerca de 50 dias. Amanhã, 13, ele viaja para Minas Gerais, onde pregará retiros. Depois, seguirá para São Paulo. Lá, entre os dias 22 de abril e 1º de maio, participa da 47ª Assembleia Geral daConferência dos Bispos, que ocorre em Itaici. Depois, dom Fernando viaja para a Itália, em férias, de onde só retornará dia 3 de junho.
PARCERIA
Os advogados Jorge Emicles e Jonas Oliveira deram início a uma parceria para atuação na áreas previdenciária e trabalhista, abrangendo, inclusive, municípios do Cariri Oeste. Os advogados manterão escritórios em Crato, Assaré e Nova Olinda.
CURTAS
>E ainda tem quem duvide da existência da “indústria da multa”. Na zona rural de Crato, no km 20 da CE-292, proximidade da Escola Agrotécnica Federal, existe um sensor que limita a velocidade a 40km/h. O que tem gerado de multas é algo fabuloso...
>Triste o estado de conservação das praças de Juazeiro do Norte e Crato. Em Juazeiro, o pequeno monumento ao ex-prefeito José Geraldo da Cruz, localizado no Bairro Franciscano, teve um braço decepado pelos vândalos. Está “cotó”, como diz o povo...
>Já em Crato, a praça São Vicente (oficialmente Juarez Távora, nome não utilizado pelo povo) desde que foi construída (em 1953, há mais de meio século) nunca recebeu um mínimo serviço de conservação. É sujeira só...
>Louve-se, por dever de justiça, a conservação das praças de Barbalha. Até mesmo pequenos espaços estão sendo aproveitados para colocação de grandes jarros com plantas ornamentais. Um exemplo a ser seguido nas demais cidades caririenses...
BATE-PAPO
SAÚDE
O secretário da Saúde de Juazeiro do Norte, Giovanni Sampaio, comemora o bom desempenho de sua pasta nos primeiros 100 dias da gestão do prefeito Manoel Santana (PT). Como pontos principais em sua atuação, a intervenção no Hospital Santo Inácio, a compra de mais de R$ 3 milhões em medicamentos para a população e a implantação das cirurgias bucomaxilofacial, sendo Juazeiro o primeiro município do Interior do Nordeste a ter esse tipo de serviço.
CENTRO DE CONVENÇÕES
Previsto para os próximos dias o início da construção do Centro de Convenções do Cariri, o maior investimento feito pelo Governo do Ceará na cidade de Crato nos últimos 25 anos. Será um equipamento polarizador regional, contemplando diversas atividades culturais e sociais, como seminários, cursos profissionalizantes, exposições, feiras, teatro, dentre outras. Ficará localizado na avenida Padre Cícero, num terreno de aproximadamente 20 mil m², distante 5km do Centro do Crato e a 10km do Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em Juazeiro do Norte. A área construída será de 4 mil m², abrigando dentre seus principais ambientes, espaço para oficinas, um teatro com capacidade para 1.000 pessoas, quatro auditórios com capacidade para 250 pessoas cada, uma sala multiuso com flexibilidade de layout, além de um restaurante.
FAMÍLIA
Especialização em Direito de Família é mais um dos cursos de especialização em pleno vapor na Universidade Regional do Cariri (Urca). O curso pretende capacitar profissionais graduados em Ciências Sociais Aplicadas, professores do ensino superior, bacharéis em Direito, assim como aperfeiçoar a formação de advogados, educadores e profissionais com atuação na área de família e educação. A coordenação é do professor Patrício Melo.

Tradições populares do Cariri

(Fonte: O POVO, 11-04-2009)

De rosto coberto
Grupo dos caretas mantém tradição da festa em Jardim
Tradicional durante a Semana Santa em Jardim, a Festa dos Caretas ocorre hoje. Durante os festejos, pessoas fantasiadas saem pelas ruas recolhendo dinheiro para a malhação do Judas
Daniela Nogueira
da Redação
A festa se torna uma grande brincadeira pela cidade. No Sábado de Aleluia, os caretas invadem Jardim, a 540 quilômetros de Fortaleza, e saem pelas ruas pedindo dinheiro para a malhação do Judas. As pessoas inovam nas fantasias, que são produzidas com muito cuidado. Vale tudo, menos mostrar o rosto. A tradição já existe faz tempo, mas desde 2006 passou a ser coordenada pela Associação Cultural dos Caretas. O grupo dos caretas de Jardim é o mais tradicional da Região do Cariri, por causa da criatividade com que fazem a animação na Semana Santa.
Para o coordenador da Associação, Luís Pereira Lemos, o principal desafio agora é conseguir apoio financeiro. Falta uma sede própria para que os participantes possam ter mais espaço para organizar o material e criar as oficinas. “O apoio da Prefeitura está sendo fundamental, mas ainda não é suficiente”, diz o coordenador.
Para o agricultor Vicente de Paula Ferreira, que participa há mais de 20 anos da festa dos caretas, é um prazer fazer parte do grupo dos caretas. Ele diz que, quando veste a fantasia, sente que representa a cidade e sua cultura. Tem orgulho da tradição que ajuda a continuar. No sábado da Semana Santa, o Sábado de Aleluia, também é dia da malhação do Judas. As pessoas escolhem um ponto social negativo que querem expurgar e aproveitam a simbologia da data para mandar aquela coisa ruim embora.
No Crato
Na cidade do Crato, distante 504 quilômetros da Capital, foi feito um plebiscito do qual participaram cerca de nove mil pessoas. Vários problemas sociais foram colocados em votação. Mas o tema da vez foi a pedofilia. Um boneco que representa o assunto vai percorrer as ruas do Crato, a partir das 16 horas do sábado, e depois será queimado pela população.
A concentração será na famosa Bodega do Joquinha, na Rua dos Cariris, no Centro da cidade. A malhação será realizada no Centro Cultural da Rffsa.
De acordo com Antônio Carlos Araújo, diretor da Sociedade Cariri das Artes, o ritual é uma manifestação popular muito antiga. “Já existia antes de Cristo. Os povos queimavam bonecos de palha para celebrar uma boa colheita”, explica Antônio Carlos. Como o ritual continuou a ser seguido, a Igreja se apropriou do princípio pagão e dá sequência à expressão cultural todos os anos. (Colaborou Amaury Alencar)

terça-feira, 7 de abril de 2009

REPARTINDO O BOLO!


O Governo Federal anunciou nesta terça-feira (31), a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de 30 itens de material de construção, deixando o preço de 5% a 8% mais barato para o consumidor final. Com a medida que começa a valer a partir de 1º de abril (não desanime por que o dia é “da mentira”) o Governo parece querer, como se costuma dizer por aqui, “matar dois coelhos com uma cajadada só!”: defender o emprego do profissional da indústria da construção civil e estimular o cidadão comum a redirecionar suas aplicações (poupança) para a casa própria.

As construtoras, investidores e indústria do material de construção se beneficiam com a renuncia fiscal, mesmo que momentânea, tendo com isso uma margem maior que deve ser utilizada como desconto na venda dos imóveis e materiais. O reflexo esperado é a recuperação nas vendas de um mercado que, até então, assistia seu maior crescimento de todos os tempos. Com isso, espera-se evitar as demissões na cadeia produtiva, o que traria enormes prejuízos ao erário da União e a economia do Brasil.
Como disse Cláudio Conz, Presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção: ”O Brasil é construído pelos milhões de brasileiros que contratam um arquiteto e um engenheiro e gerenciam sua própria obra”. Do material de construção consumido no Brasil, 77% é comprado pelo cidadão comum, que reforma, amplia e constrói a própria casa. A redução no IPI deve reduzir o custo final da obra em até 8%. Construir agora só não é tão bom negócio para quem pensa em recorrer a empréstimo. Os juros podem eliminar, ou até superar, os descontos. A exemplo da compra de carros-novos, quem planeja construir (ou comprar imóvel pronto) e está com o dinheiro guardado, esperando pra ver quais seriam os efeitos da crise mundial, a hora é de aproveitar os descontos de ocasião!

Dimas de Castro e Silva Neto
Engenheiro Civil, Mestre em Gerenciamento da Construção pela University of Birmingham e
Professor do Curso de Engenharia Civil da UFC Cariri

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Uma operação de guerra



O Icasa, time juazeirense que vinha dando tantas alegrias e sendo motivo de orgulho aos amantes do futebol no Cariri, foi rebaixado para a segunda divisão do futebol cearense. Óbvio que, a partir de agora, as reclamações e acusações serão muitas, mas o momento mesmo serve para reflexões.

O Verdão do Cariri vinha se arrastando no Campeonato Cearense. Um time capenga, que jogava bem uma partida e a outra quebrava a bola. Um time irregular, que teve quatro treinadores durante a competição, que tinha um elenco limitado, não poderia dar em outra situação.

A hora agora, é também para se preparar. Vem aí a continuação da Copa do Brasil e a Série C do Campeonato Brasileiro. O Icasa se quiser figurar em alguma competição nacional em 2010, vai ter que se sair muito bem na terceirona brasileira. A diretoria tem que montar um time bem melhor, convocar torcedores, imprensa, chamar os empresários da cidade para aumentar os investimentos no clube, enfim, tem que ser uma operação de guerra.

No mais, não desanimar, não achar que o mundo caiu. É péssima essa situação, mas o Icasa é bem maior, tem uma grande torcida, com certeza, uma das maiores do estado, e vai voltar à elite. Agora, vamos torcer para Crato e Guarani de Juazeiro que continuem a boa campanha na segunda divisão cearense e representem o Cariri em 2010 no Campeonato Cearense da primeira divisão. Somos agora, Leão do Mercado e Azulão desde pequenininho.

Universidades mudam o interior do Ceará

(Excertos de matéria publicada no jornal "O Povo", edição desta 2ª feira, 06-04-2009)

As cidades do Interior vivem um processo de mudança, que é crescente. A chegada das faculdades e universidades tem transformado o cotidiano de quem vive nesses municípios. O POVO visitou essas cidades e dá início hoje a uma série de matérias sobre o processo de expansão do ensino superior, ao mesmo tempo em que abre a discussão acerca do tema
Daniela Nogueira

enviada a Sobral, Cariri e Aracati
O ensino superior deixou de ser um privilégio da Capital. Faculdades e universidades têm chegado ao Interior e uma série de mudanças tem mexido com o cotidiano das cidades. Lojas de eletrodomésticos, supermercados e perfumarias, que antes só existiam na Capital, começaram a aparecer. A vida noturna ficou mais agitada, com a abertura de boates.
Para se ter uma ideia, dos 184 municípios do Ceará, 30 já têm sede de alguma instituição pública ou privada de ensino superior. E um ponto interessante: em muitas das cidades, há mais de uma dessas instituições. Os dados são do Ministério da Educação (MEC).
Sobral, na Zona Norte do Estado, já é considerada uma cidade universitária. Foi para lá onde se estendeu o primeiro braço da Universidade Federal do Ceará (UFC) no Interior. O curso de Medicina chegou em 2001 e, cinco anos depois, a cidade recebia um campus da UFC, com mais cinco cursos. A instituição somou-se à Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), que já existia na região, e a mais outras instituições particulares. “Até 2000, a Universidade Federal do Ceará era a Universidade Federal de Fortaleza”, diz o professor Vicente Pinto, do curso de Medicina em Sobral, satisfeito com a expansão.
A interiorização também chegou ao Cariri, para onde foi mais um campi da UFC. Barbalha foi a primeira cidade da região a receber um curso, também de Medicina, em 2001. Hoje, há mais quatro em Juazeiro do Norte e um, semestre que vem, vai para o Crato. E um aspecto é inegável: a abertura de mais cursos no Interior faz com que mais gente passe a morar nas cidades. Boa parte da mão-de-obra qualificada para trabalhar nas instituições tem de ser importada. Resultado - muita gente vai, gosta e fica. “A qualidade de vida no Interior é outra, bem melhor. Vim embora com a minha família e não quero mais voltar para Fortaleza”, conta a professora Ariluci Goes, do curso de Biblioteconomia do campus Cariri, da UFC.
-------------
Meu comentário:
1 -O jornal "O Povo" não fez nenhuma menção - pelo menos na matéria divulgada hoje - à Universidade Regional do Cariri-URCA, cuja reitoria funciona em Crato e é a maior instituição universitária do Cariri, um dos orgulhos do povo caririense. Como amanhã, terça-feira, será publicada uma segunda parte da matéria, pode ser que a omissão seja corrigida. A URCA oferta - não sei se estou atualizado - 16 cursos de graduação, além de vários cursos de Pós-Graduação e 1 de Mestrado;
2 - Faltou o jornal informar que a cidade de Juazeiro do Norte é a que oferta o maior número de cursos de graduação no interior do Estado ( são 40 cursos universitários), como se depreende do demonstrativo abaixo:
–FACULDADE LEÃO SAMPAIO
1.Administração
2.Enfermagem
3.Serviço Social
4.Ciências Contábeis
5.Fisioterapia
6.Educação Física
7.Biomedicina
8.Psicologia

–CEFET
1.Automação Industrial
2.Produção Civil
3.Licenciatura em Matemática
4.Licenciatura em Educação Física
5. Engenharia Ambiental

–URCA
1.Engenharia de Produção
2.Matemática
3.Construção Civil
4. Física

–FMJ
1.Medicina

–FACULDADE JUAZEIRO DO NORTE
1.Ciências Contábeis
2.Ciências da Informação
3.Enfermagem

–UVA
1.História
2.Letras
3.Educação Física
4.Administração de Empresas
5.Ciências Contábeis
6.Biologia

–CENTEC
1.Alimentos de Origem Animal
2.Alimentos de Origem Vegetal
3.Saneamento Ambiental
4.Recursos Hídricos e Irrigação
5.Eletromecânica

–PARAISO
1.Administração
2.Direito
3.Sistemas de Informação

–UFC
1.Engenharia Civil
2.Filosofia
3.Biblioteconomia
4.Administração de Empresas

domingo, 5 de abril de 2009

Coluna CARIRI - por Tarso Araújo

(Publicada no jornal O POVO, 05-04-2009)

NINGUÉM SEGURA

Apesar de não ter sido vitorioso, nas últimas eleições, na pretensão de se eleger prefeito de Juazeiro do Norte, pela terceira vez, o médico-empresário e deputado federal Manoel Salviano não deixa de conseguir novos melhoramentos para a Terra do Padre Cícero. Salviano implantará em breve, em Juazeiro, uma indústria farmacêutica de grande porte. Associado a empresários da Argentina - os investimentos se aproximam R$ 100 milhões - o empreendimento vai produzir antibiótico para exportação nos países do Mercosul. Tudo com tecnologia de alta qualidade e consultoria da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz). Manoel Salviano teve mais de 37 mil votos na sua última tentativa de governar – pela terceira vez – a maior cidade do Cariri.


EXEMPLO A SER SEGUIDO
O Colégio Moreira de Sousa (antiga Escola Normal Rural de Juazeiro do Norte) inaugurou, recentemente, a sala de memória do educandário. Ali estão expostos: modelos de fardas usadas pelos alunos, jornais editados pela escola, livros de atas, galeria de fotos, quadros dos concluintes, fotografias de grandes eventos ali realizados, dentre outros. Planeja-se, agora, transformar outra sala num pequeno memorial de Monsenhor Murilo de Sá Barreto, o qual, por mais de 30 anos, foi professor daquela escola.


FÉ DO POVO
A tradicional missa celebrada todo dia 20 pela alma do Padre Cícero chegou a Crato. Ela acontece na Matriz da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, do bairro Seminário. A iniciativa do pároco, padre Sebastião Bandeira foi aprovada por centenas de fiéis cratenses que vêm participando da solenidade religiosa em memória do mais ilustre filho da Princesa do Cariri.


CURTAS
> Quem passa pela Praça Siqueira Campos, no Centro de Crato, vê uma pequena coluna dotada de um relógio com quatro faces. Cada uma marcando um horário diferente. O relógio surgiu após recente reforma feita naquele logradouro. Reforma essa que não agradou a quase ninguém. Há quem diga até que ela prejudicou, irremediavelmente, a promissora carreira política do deputado Ely Aguiar (....)

> No início de maio estará circulando nº. 27 da revista “A Província”, excelente publicação, fruto do denodo e idealismo de Jurandy Temóteo. “A Província” nada fica a dever às melhores revistas das academias de letras e institutos culturais do Brasil (...)

> O Governo do Ceará acaba de publicar um belíssimo livro: “The UNESCO Araripe Geopark”. A obra – escrita em inglês por André Herzog, Alexandre Sales e Gero Hillmer – foi editada em papel couché com muitas fotos coloridas. A apresentação foi feita pelo governador Cid Gomes (...)
TURISMO SERTANEJO
O V Simpósio de Turismo Sertanejo poderá ser sediado na Universidade Regional do Cariri (URCA), no Salão de Atos do Campus do Pimenta, no mês de outubro. Pelo menos essa é a proposta preliminar da comissão organizadora do evento, que esteve reunida na manhã de ontem, com o Reitor da URCA, Professor Plácido Cidade Nuvens, em seu gabinete. Os integrantes da comissão, incluindo o professor Giovanni Seabra, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), as professoras da URCA Roberta Piancó e Luciana Lacerda, entre outros componentes, apresentaram o projeto ao Reitor, que garantiu apoio logístico e infra-estrutura para sediar o evento no Cariri. A data estipulada é de 10 a 13 de outubro, com a realização das universidades federais da Paraíba e do Ceará. O evento poderá reunir mais de 300 participantes. Entre os assuntos a serem abordados estão o turismo e os arranjos produtivos locais.


ANOTE: “CAUSA MORTIS”
Enviei e-mail ao historiador Armando Rafael perguntando: “E aí, o que acha dessa zoada sobre a “causa mortis” da Beata Maria de Araújo”? Ele respondeu: “Na verdade não há zoada e sim uma voz isolada que pouco leu sobre o fato”. Se tivesse lido saberia que em 1998, a escritora Fátima Menezes, lançou um livro (“Padre Cícero, do milagre à farsa do julgamento”), publicado pela Editora Bagaço, do Recife. Ali ela reafirma o que é domínio público e voz corrente há quase cem anos em Juazeiro: a Beata faleceu de câncer de mama. Aliás, no 2º Cartório de Juazeiro do Norte, no livro nº. 7, às folhas 85 v a 87, existe (é disponível para quem quiser ler) um documento relativo à Beata, onde consta o seguinte tópico: “Em 17 de janeiro de 1914, em plena revolução política, a mística Maria de Araújo deu a alma ao Criador, a quem, dias antes se oferecera dando sua vida para a salvação do povo de Juazeiro que se achava debaixo do cerco das forças do governo estadual representado pelo coronel Franco Rabelo”.


NO MESMO LUGAR
O secretário de Saúde de Juazeiro do Norte, Giovanni Sampaio, declinou da oportunidade de ser deputado estadual, na ausência do deputado Cirilo Pimenta (PSDB). Giovanni prefere continuar seu trabalho à frente da saúde juazeirense. Ao mesmo tempo, trabalha para ser candidato ao legislativo estadual no próximo ano.

NOME
O secretário de governo de Juazeiro do Norte, Ricardo Lima, teve sua candidatura a deputado estadual lançada por petistas de Juazeiro. Lima, que é presidente municipal do PT, pode contar com apoio de diversos diretórios municipais da legenda pela região.

SAÚDE
O Hospital Estephânia Rocha Lima, tem conseguido realizar representativo número de atendimentos à população de Juazeiro do Norte. Até o dia 26 de março foram contabilizados 31.692 atendimentos. O prefeito, Dr. Santana, lembra que o hospital é público, e com a implantação do serviço de urgência e emergência no Hospital Santo Inácio, o Estephânia tem como público alvo agora “adolescentes e adultos a partir de 12 anos e mulheres grávidas que apresentem alguma doença que necessária e obrigatoriamente não precise estar ligada à gestação”, lembra o prefeito.


MEIO AMBIENTE
Professor Maurício Teles, chefe de Gabinete do prefeito José Leite (PT), em Barbalha, conduzindo seu cargo com competência. Professor Maurício, durante a Semana Árvore, realizada em Barbalha alertou para a importância da preservação ambiental e do crescimento de uma consciência de proteção ao nosso meio ambiente.

O ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo, reuniu um grupo de amigos na manhã da última quarta-feira no Verdes Vales Lazer Hotel para falar sobre o ato da sua filiação ao PMDB nesta segunda-feira, às 16 horas, naquele mesmo lugar. Ele aproveitou para convidá-los a ingressar juntos no partido e obteve a resposta positiva da maioria. Ele lembrou que permaneceu durante 20 anos no PSDB e não está indo para o PMDB para ficar apenas um dias ou dois. Raimundão falou da história do PMDB, da sua trajetória política e da pretensão em se candidatar a deputado federal nas eleições do próximo ano. Ao mesmo tempo em que Raimundo Macedo se filia ao PMDB, cerca de 60 filiados devem pedir desfiliação da agremiação.





O deputado estadual Vasques Landim desembarcou na tarde da última quinta-feira, no Aeroporto Regional o Cariri, em companhia de prefeitos da região que estiveram em Fortaleza. Os gestores participaram de audiência pública na Assembleia Legislativa sobre a crise mundial e estão preocupados com o corte nos repasses do FPM que atinge em cheio os cofres municipais. Vasques se fez acompanhar dos prefeitos de Nova Olinda, Afonso Domingos Sampaio, e de Altaneira, Antonio Dorival de Oliveira, ambos do PSDB.

sábado, 4 de abril de 2009

Irmã Dulce é declarada venerável



A religiosa baiana Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, morta em 1992, aos 77 anos, conhecida no Brasil como Irmã Dulce, já pode passar a ser chamada de venerável. O decreto que reconhece a vida de virtude heroica da freira foi assinado ontem na Cidade do Vaticano pelo papa Bento XVI e ratifica a decisão tomada, por unanimidade, pelo colegiado da Congregação para a Causa dos Santos, do Vaticano, em 20 de janeiro. O título significa o último estágio antes da beatificação da freira, cujo processo corre desde janeiro de 2000.
A oficialização da elevação de Irmã Dulce a venerável pegou de surpresa os fiéis da religiosa, que aguardavam a assinatura do sumo pontífice apenas para junho. E fez crescer a expectativa em torno da beatificação. Antes de morrer, foi personalidade muito popular em Salvador. Para que Dulce seja reconhecida beata, a Santa Sé precisa reconhecer um milagre que tenha ocorrido por intercessão da religiosa. De acordo com o frade italiano Paolo Lombardo, postulador do processo de beatificação da religiosa, esse reconhecimento está próximo. “Esperamos que a confirmação do milagre passe pela última análise nos próximos meses”, afirma o religioso, conhecido no meio como o “advogado dos santos”. Estão sob seus cuidados 80 causas de beatificação e canonização de religiosos de todo o mundo. “Ela (irmã Dulce) seguramente será beatificada”.
As expectativas giram em torno de um possível milagre ocorrido em Sergipe. Ao dar à luz, em parto normal, uma mulher teve uma intensa hemorragia, que fugiu do controle dos médicos. Acabou sendo desenganada. Os familiares, então, teriam chamado o padre da cidade para fazer uma corrente de orações à religiosa. Pouco depois, a mulher recuperou a saúde. (das agências)

Um passo histórico



por André Herzog (*)

O último dia 30 assinalou uma ocasião muito expressiva para a Universidade Regional do Cariri. Teve lugar a primeira defesa de Dissertação de Mestrado de um programa autônomo de pós-graduação de nossas universidades sediado fora da capital, o programa de Bioprospeção Molecular da Urca.
Essa pode parecer uma ocasião trivial. Isso porque o Brasil tem apresentado indicadores excelentes no crescimento do número de mestres e doutores titulados anualmente. No entanto, esse resultado guarda uma indesejável assimetria na distribuição desses programas. Do total de 4115 cursos de mestrado e doutorado recomendados pelo órgão nacional competente, a Capes, 2194 estão localizados na região sudeste, apenas 117 em toda região norte e 680 no nordeste. Destes 680 o Ceará sedia 112, dos quais apenas 2 no interior do Estado, reproduzindo em escala estadual uma assimetria nacional.
A análise desse indicador revela a importância da efeméride. Entretanto, seu valor não se limita ao relevante aspecto da oferta de qualificação nessa modalidade. O programa de Bioprospecção Molecular foi criteriosamente concebido para efetivar, no âmbito da Urca, a importante dimensão da investigação científica, e para cumprir a missão definida para a Universidade, que é a de ser um agente do desenvolvimento regional. O programa qualifica recursos humanos em uma área estratégica de grande importância, que é o estudo dos recursos da biodiversidade. Sua abordagem, multidisciplinar, é ampla o suficiente para envolver importantes temas, desde a biodiversidade pretérita (os fósseis) a atual (os diversos organismos vivos), em diferentes escalas de complexidade e tamanho, até em nível molecular, quando isola e investiga as atividades farmacológicas dos princípios ativos contidos nas espécies de plantas e animas da região. Esse é o caso do primeiro trabalho que comprova a atividade cicatrizante e gastroprotetora do óleo do pequi, uma espécie de grande importância local. O responsável mestrando é também um docente da Universidade. Nada mais emblemático.
Os resultados já alcançados pelos projetos em desenvolvimento, todos baseados no aproveitamento racional dos recursos naturais da região e de grande importância científica e sócio-econômica, já apontam para o êxito da iniciativa e para os frutos futuros, que certamente poderão conduzir até a desejável geração de produtos protegidos por propriedade intelectual, transformando conhecimento em riqueza. Muitos são os merecedores de créditos elevados por essa conquista.

(*) André Herzog - Doutor em Ciências pela Unicamp é professor do Departamento de Química Biológica
(Artigo publicado no jornal O POVO deste sábado, 04-04-2009)

sexta-feira, 3 de abril de 2009

A capela do Lameiro - Armando Lopes Rafael

São José Operário, padroeiro do Lameiro
Funesta destruição vem sendo feita ao patrimônio arquitetônico do Crato, levada a efeito por iniciativas governamentais e particulares, ante a omissão da nossa elite e meio acadêmico. Tal fato me fará escrever, vez por outra, sobre a história de algum prédio incorporado a nossa paisagem, mesmo de construção recente, como faço hoje.
Neste 2009 está completando 53 anos do início da construção da pitoresca capela de São José Operário do Lameiro. Devo ao prof. José Nilton de Figueiredo, lameirense ufanista, nascido e residente naquela localidade, ex-vice-reitor da Universidade Regional do Cariri, as informações abaixo transcritas sobre a mencionada capelinha. O prof. José Nilton as copilou a partir de dados de livro inédito deixado pela professora Dandinha Vilar.
A Capela de São José Operário do Lameiro foi iniciada em 1956 pelos padres Miguel e Geraldo, da Ordem Salvatoriana, vindos de Garanhuns, Pernambuco. A construção foi feita sob orientação de Dom Francisco de Assis Pires, segundo bispo do Crato. Naquele ano, a Igreja Católica devocionava universalmente a invocação a São José Operário, cuja festa é celebrada em 1º de maio, Dia do Trabalho. Daí a escolha de São José como orago da nova capelinha do então distrito, hoje bairro do Lameiro, àquela época desprovido de um templo católico.
O terreno para a edificação da capela foi doado pelo Sr. José de Alcântara Vilar, respeitável cratense e proprietário de vasta área rural no sopé da Serra do Araripe. Exerceu esse cidadão, por várias legislaturas, o cargo de vereador à Câmara Municipal do Crato. Chegou à presidência da Casa, proporcionando-lhe ocupar interinamente o cargo de Prefeito Municipal.
Monsenhor Rubens Gondim Lóssio, àquela época vigário da Paróquia de Nossa Senhora da Penha, a cujo território pertencia o Lameiro, foi o primeiro sacerdote a dar assistência espiritual a nova capela. Seguiram-lhe, nesse mister, os seguintes sacerdotes: padre Lurildo Linhares, padre Antonio Onofre de Alencar, padre Manoel Alves Feitosa, monsenhor José Edmilson de Macedo, monsenhor Antônio Feitosa, monsenhor João Bosco Cartaxo Esmeraldo, padre Francisco Ivan de Souza, padre Robério Felipe da Silva, frei Joaquim Dalmir Pinheiro de Almeida, padre Expedito Félix, padre Sebastião Pedro do Nascimento, padre José Vicente Pinto de Alencar e Silva e padre Francisco Roserlândio de Sousa. Atualmente dirige novamente a capela o padre Manoel Alves Feitosa. Em 1967 a Paróquia de N.Sra. da Penha sofreu grande desmembramento e o território do Lameiro passou a pertencer a recém criada Paróquia de N. Sra.de Fátima, do bairro Pimenta.
Muitos ajudaram e muitos ainda ajudam na manutenção da capela do Lameiro. Dos falecidos não se pode deixar de mencionar: Antonio Araújo Quesado, Carlina Pinheiro, Dandinha Vilar, Geraldo Costa, Jacinta Araújo de Menezes, José Pinheiro Gonçalves, Luiz Idelson Belém, Maria Dalvenisa Correia, Neusa Tavares da Silva, Vicença Ribeiro Caçula (D. Rosa). Dos vivos devem ser mencionados: monsenhor Ágio Augusto Moreira, Antônio Luiz Pereira, Irmã Santa, Joana D´Arc Ribeiro Brígido, Maria Leônia Ribeiro Barbosa, madre Rosália, Rosa Margarida da Silva (tia Rosa) e Sylvanna Vilar, todos benfeitores da capela. Somente no dia 1º de maio de 2003, decorridos 47 anos da fundação da capelinha, a escritura do terreno onde ela está erigida, devidamente lavrada em cartório, foi entregue oficialmente ao pároco Pe. Manoel Alves Feitosa, pelo então proprietário do terreno, o ex-deputado Dr. Ossian de Alencar Araripe e sua esposa dona Maria do Céu Vilar de Alencar Araripe.
Aí, em rápidas pinceladas, o esboço histórico da capelinha do Lameiro.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Dom Nuno Álvares: Santo, guerreiro e monge – por José Narciso Barbosa Soares




Cavaleiro, Condestável do Reino, grande esmoler e religioso carmelita, Frei Nuno de Santa Maria, beatificado em janeiro de 1918, será canonizado no próximo dia 26 de abril em Roma, pelo Papa Bento XVI


Sobre este homem pousou, desde cedo, a mão da Providência. A sua vida foi uma sucessão contínua de prodígios e de lutas; e as suas ações, quer como condestável dos exércitos, quer como grande esmoler, foram aureoladas pela glória e humildade.

Tendo entrado cedo na carreira das armas, logo após, aos 16 anos, Nuno Álvares contrai núpcias com Dona Leonor Alvim. Desse casamento, interrompido prematuramente pela morte da mulher, nasceu Dona Beatriz, que se casou com o 1º Duque de Bragança, filho bastardo de Dom João I. Pelo grande dote que deu à filha para o enlace matrimonial, é considerado o fundador da Sereníssima Casa de Bragança, (Escudo da Casa de Bragança ao lado) cujos reis reinaram em Portugal de 1640 a 1910; e no Brasil independente, de 1822 a 1889.
Consciente de que esta vida não é senão uma preparação para a outra, que é a das bem-aventuranças eternas, Nuno Álvares vai recolher-se no convento do Carmo, em 1423. A procura da transcendência e do Absoluto, que é o nosso Deus Uno e Trino, encherá a sua alma sedenta até o último suspiro. Aqui já não importam os títulos, mas a atitude. Professará como irmão carmelita e se tornará o paladino da autêntica caridade cristã, distribuindo esmolas e ajudando os mais necessitados. Sim, para ele, servir a Cristo era auxiliar os mais pobres: Servir-vos, Senhor, é reinar, diz a Escritura. Certamente, com o seu exemplo, fez mais pelos pobres que os “profetas” da Teologia da Libertação.
Em 1431, com 71 anos incompletos, entrega a sua alma ao Redentor. Na igreja do Carmo, sobre a campa rasa, lia-se em latim: “Aqui repousa aquele Nuno, Condestável, fundador da Casa de Bragança, chefe militar exímio, depois monge bem-aventurado, o qual, sendo vivo, desejou tanto o Reino do Céu que mereceu, depois da morte, viver eternamente na companhia dos santos; pois, de seguida a numerosas recompensas, desprezou as pompas e, fazendo-se humilde, de príncipe que era, fundou, ornou e dotou este templo”.
Depois de muitos percalços históricos, sobretudo devido ao terremoto de 1755, que devastou Lisboa e a igreja do Carmo, os seus restos mortais repousam, desde 1951, na igreja do Santo Condestável na capital portuguesa. Nuno Álvares Pereira, santo Condestável, Frei Nuno de Santa Maria –– três nomes, três facetas de um só homem.
E-mail do autor: catolicismo@catolicismo.com.br
Estátua do Beato Nuno Álvares no Mosteiro da Batalha