Seja colaborador do Cariri Agora

CaririAgora! é o seu espaço para intervir livremente sobre a imensidão de nosso Cariri. Sem fronteiras, sem censuras e sem firulas. Este blog é dedicado a todas as idades e opiniões. Seus textos, matérias, sugestões de pauta e opiniões serão muito bem vindos. Fale conosco: agoracariri@gmail.com

sábado, 31 de julho de 2010

Karimay acabou de falecer

Lamentavelmente, acabamos de perder materialmente o sociólogo, artista plástico, espírita e formidável figura humana – LUIZ KARIMAY.

A informação foi passada a pouco por Reginaldo Farias, um dos discípulos do Mestre Karimay nas artes plásticas, a Luiz Carlos Salatiel, que me comunicou o fato.

Para nós, amigos e admiradores do Artista e do Homem Luiz Karimay, foi um infausto acontecimento, por conta da privação de sua companhia sábia; mas, decerto, para o seu espírito, foi um momento supremo, que ele estava preparado para tal.

Obrigado, Karimay por tudo que você fez e representa para nós, seus amigos de longas datas.

Descanse das atribuições mundanas em plena paz e luz.
Ele caminhou firme na linha tênue

Equilibrando-se com a sua espada de luz de samurai zen

O que é para um mestre atravessar para o outro lado?

Uma travessia, decerto, pisando o solo sagrado com sapatilhas de bailarino

Já o seu tamanco de carvalho, este já estar bem gasto

Também pudera, sua caminhada, longa e árdua, venceu os terrenos derrapantes

Com breves e estratégicas paradas para cultivar, por exemplo, um bonsai de umbuzeiro

Da minha parte, sei que o mestre nunca parte

Ele adianta os passos para mostrar as veredas que dão em algum lugar

Como entender um mistério? – Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Há alguns dias, eu e Magali fomos convidados para falar para um grupo de jovens casais que se preparavam para a cerimônia de seus casamentos. É claro que além da nossa experiência pessoal, consultamos alguns livros. Num deles, vi algo que muito me emocionou e me transportou aos meus oito anos de idade, nas aulas de catecismo da minha querida e saudosa tia Esmeraldina, a irmã mais velha da minha mãe. Naquela época, eu me preparava para fazer a minha primeira comunhão. De repente, minha memória me fez ouvir a voz da tia Esmeraldina me perguntando sobre o mistério da Santíssima Trindade: O Pai é Deus? O Filho é Deus? O Espírito Santo é Deus? A cada uma dessas perguntas eu respondia sim, sem nada entender. E acredito que ninguém ainda hoje entenda tais mistérios. Mas lendo o livro “Os Sacramentos” de Dom Hilário Moser*, encontrei uma definição de Deus que satisfaz a quem pensa como eu, em aceitar a existência desse mistério principal da nossa fé. Abaixo, tomo a liberdade de compartilhar com aqueles que se deram ao trabalho de ler até aqui o que rabisco, a mesma emoção que eu senti ao ler as palavras de Dom Hilário.
“O nosso Deus não é um Deus solitário, é um Deus-Família. Ele é Pai que tem um Filho. E o amor que vai do Pai ao Filho e do Filho ao Pai é tão perfeito que é uma Pessoa, o Espírito Santo. Assim, em Deus há uma contínua corrente de amor entre as três Pessoas divinas. O Pai está todo voltado para o Filho, o Filho está todo voltado para o Pai, e o Espírito Santo mantém Pai e Filho voltados um para o outro. Este é o grande mistério da Santíssima Trindade. É difícil para nós, criaturas, entender esse mistério, mas assim é o nosso Deus e é assim que a Bíblia nos fala de Deus.”

Descobrimos que essas sábias palavras têm tudo a ver com a formação de uma família, onde o amor deve fluir entre o casal e os filhos, da mesma forma que circula na suprema divindade. O amor do marido para a mulher, o amor da mulher para o marido deve ser tão intenso quanto o amor dos pais para com os filhos e dos filhos para com os pais. Isto nada mais é que o reflexo do amor de Deus atuando sobre a família. Se todas as famílias do mundo colocassem esse mistério em suas vidas, vivendo sob o influxo do Espírito Santo, certamente não existiria tantas agressões entre os seres humanos, não haveria guerras, exploração do homem pelo homem e a pobreza; não somente a pobreza material, mas principalmente a pobreza moral, a maior de todas as misérias.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Dom Hilário Moser é bispo emérito de Tubarão-SC

Crônicas de uma geração: o Bar de Abidoral

O “barman” Abidoral e Salatiel, o mentor do espaço

O Abidoral em questão é o mais conhecido abidoral do Crato: Abidoral Rodrigues Jamacaru Filho, cantor e compositor, projetado a partir dos festivais de música que aconteceram na cidade por toda década de 1970.

Pois bem, Abidoral já teve um barzinho, em sociedade com o também músico cratense Calazans Callou. O bar durou pouco, acho que no máximo um ano, mas propiciou momentos aprazíveis e boas e risíveis histórias.

Era 1985, um ano bom. Abidoral foi incentivado por Luiz Carlos Salatiel a ser um empreendedor. Calazans, que na época trabalhava no Bamerindus, topou dividir os duros afazeres deste complicado ramo comercial. A ideia de Salatiel era pragmática: como era impossível sobreviver de música no Cariri naqueles anos da chamada “década perdida” da economia brasileira (permeada de inflação, pacotes heterodoxos de choques econômicos, falta de incentivo à cultura, inexistência de espaços e mercados para o artista local etc), então o jeito era construir uma alternativa que aliasse negócio e diversão. Um bar, por isso, seria o empreendimento ideal.

Calazans, que conhecia os distribuidores de bebida da região, conseguiu o fornecimento de forma consignada. O espaço escolhido foi o Bar das Anas, como era conhecido o bar mantido por Ana Cássia e Ana Leonel, que estavam deixando o ramo, localizado no conjunto Padre Cícero, bem próximo da divisa Crato-Juazeiro.

Para a rapaziada que estava órfã de um point alternativo, foi um presentaço. O local era super-agradável, bastante ventilado, amplo, visto que havia um terrenão baldio ao lado, e muito acessível. Aqueles que não tinham automóveis, a grande maioria, bastava pegar o busão da Viação Brasília e saltar bem na porta do bar.

O nome do bar não poderia ser outro – Bar de Abidoral – batizado que foi pelo senso comum da galera. Nem adiantaria colocar, por exemplo, “Espaço Cultural Avallon”, pois não pegaria. A rapeize prontamente dizia: vamos pro Bar de Abidoral, e pronto!

Além da bebida e do peixe frito, o outro principal prato da casa era, lógico!, música: refinado som ambiente e excelente música ao vivo. Todas as sextas e sábados, um espetáculo. Foram antológicas, por exemplo, as apresentações da Banda Cariri (leia-se João do Crato, Manel D’Jardim, Cacheado, Cleivan Paiva, Borís, Nivando, Paulo Lobo e Iran, respectivamente no vocal, baixo, bateria, guitarra, baixo, sax, trombone e piston).

Na parede externa, o pintor Romildo Alves fez um painel retratando as figuras que frequentavam o bar: artistas das mais diversas especialidades e os contumazes boêmios. Além, é claro!, de Abidoral, imagens caricaturizadas de Geraldo Urano, a la filósofo grego, e Zadinha, retratado de véu e grinalda. Zadinha, apelido do artesão Osvaldo Filho, foi a noiva da única e inesquecível quadrilha junina que o Bar de Abidoral realizou. O noivo foi Monquinha Cabral.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Uma questão de idade – Por Magali de Figueiredo Esmeraldo

Há trinta e sete anos, recém-casados, eu e Carlos fomos morar na cidade de São João d’Aliança em Goiás, distante cento e cinqüenta e dois quilômetros de Brasília. Nessa época, Carlos trabalhava na construção da estrada São João d’Aliança a Alto Paraíso. São João d’Aliança era uma cidade antiga de uma única rua. Alugamos uma casa e como Carlos trabalhava o dia todo, eu ficava muito sozinha. Antes que pudesse me dar conta que seria difícil ter amigas nessa pequena cidade, duas mulheres com idade de mais ou menos sessenta anos, nossas vizinhas, vieram nos fazer uma visita. Elas foram tão acolhedoras, tão educadas que me senti grata pela delicadeza delas. Apesar da diferença de idade minha e de Carlos, para as nossas novas amigas, pois eu tinha vinte e três anos e Carlos vinte e sete, nos alegramos em ter pessoas tão boas morando perto de nós. Assim ganharíamos experiência com elas e, elas se alegrariam com a nossa juventude.

Moramos apenas dois meses nessa cidade, mas foi o suficiente para reconhecer o quanto as nossas amigas eram bondosas, como a maioria das pessoas que moram em cidades pequenas. Fomos convidados por elas para passar um domingo em Alto Paraíso, uma região montanhosa, cheia de vales e muito verde, onde elas tinham uma irmã que morava lá. À medida que subíamos a serra, ficávamos maravilhados com a beleza de um rio que descia ordenadamente. Era uma visão radiante da natureza. Fomos muito bem recebidos pela família das nossas amigas. Lá chegando, elas nos ofereceram papa de milho. Olhando a mesa repleta de pratos cheios de uma papa amarela, eu logo desconfiei que fosse canjica e aceitei. Carlos disse que não queria. E eu sabendo o quanto ele gosta de canjica, perguntei por que não aceitou e expliquei o que era. Ele respondeu: “É canjica? Então eu quero!” Rimos muito e explicamos a elas que aquilo que elas chamavam papa de milho, na nossa terra é canjica.

Ainda hoje lembro com carinho dessas duas mulheres maravilhosas que nos trataram tão bem e, supriram a falta que sentíamos dos nossos familiares. Com essas lembranças agradeço a Deus por ter colocado no nosso caminho essas pessoas de bem. Tem gente que vem ao mundo para distribuir bondade e sempre são recompensadas pelas Bênçãos Divinas.

Relembrando os fatos ocorridos em épocas passadas, notamos como a nossa percepção do tempo muda à medida que os anos passam. Há mais de quinze anos estávamos conversando com uma prima de Carlos sobre esse período em que moramos em São João da Aliança. Então sem pensar, fui dizendo para ela, que lá nós só tínhamos como amigas duas velhinhas de sessenta anos. Entretanto não foi no sentido de desvalorizar minhas amigas, mas para ressaltar a nossa diferença de idade. Mesmo assim a prima de Carlos, quase que me crucificou, pois essa era a idade dela. Tive muito trabalho para consertar meu erro. Fui explicar que com vinte três anos, achava que pessoas com mais de sessenta anos já eram velhas. Mas com minha idade do momento já não pensava assim. O certo é que fui perdoada e hoje tenho muito cuidado quando o assunto é idade. Aprendi a lição, pois viver é um eterno aprendizado.

Por Magali de Figueiredo Esmeraldo

A FEIRA DE ANTIGAMENTE – POR PEDRO ESMERALDO

No tempo de minha infância, observava com muita tensão o movimento circulante dos mascates na antiga estrada velha que liga Crato a Juazeiro para a movimentação da feira do Crato.

Era coordenada por uma legião enorme de romeiros que marchava em direção do Crato a fim de buscar seus bens necessários para sua subsistência.

A feira do Crato sempre foi considerada uma das maiores feiras do nordeste. Tinha toda espécie de bugiganga, como especiarias, cereais e também pequenos animais domésticos: aves canoras, suínos, ovinos e caprinos. Era longa e seu movimento assustador. Não havia outro igual.

O povo de Juazeiro, possuidor de grande vocação para as obras artesanais, fabricava seus utensílios durante a semana, após o movimento do seu trabalho árduo na agricultura; produzia durante a semana a sua cultura agrícola para depois vir movimentar seus negócios na feira do Crato.

Era uma comunidade pacífica e capacitada para pendores artesanais com grande movimentação de utensílios domésticos, o que aproveitava o seu labor com a venda nesta devida feira. Os mais pobres não tinham condições financeiras e carregavam na cabeça os seus produtos manufaturados, os mais bem aquinhoados utilizavam seu transporte utilitário que eram as carroças de tração animal, o que vinha ser mais atenuantes na sua tarefa, e os menos possuidores de recursos teriam de concordar com as sujeições dos fiscais da prefeituras.

Nessa época, quase não havia carro, já que as duas principais cidades do cariri eram incipientes no movimento progressista e não podiam movimentar, de maneira alguma, os seus serviços com mais eficiência em busca da civilização mais bem acentuada, além disso, arcavam com poucos recursos financeiros e ainda não possuíam métodos educativos evoluídos. Esses movimentos eram suavizados e controlados pelos poderosos coronéis do sertão. Por isso, os técnicos da produção agrícola traziam pouco poder aquisitivo ao sertanejo que era completamente rudimentar, pois eram dominados por uma classe ruborizada e grosseira de pseudo-protencionistas.

Nesse período, ou sejam entre as décadas de 40 e 50, observava-se um comportamento ruidoso, deixando todo o pessoal submisso, sem procurar meios favoráveis para melhorar sua vida económica. Esses movimentos eram controlados pelos poderosos coronéis, a fim de se locupletarem com as benesses dos trabalhos agrícolas e procuravam controlar a submissão que, há tanto, dilacerava os pobres, deixando-os conviver em absoluta pobreza.

Por sua vez, causava admiração em observar a coragem desse povo humilde conduzir as suas quinquilharias para movimentar a feira do Crato.

Convém notar que essa classe pobre durante dias e noites, tinha que se desloca das suas atividades agrícolas para administrar em casa a sua tarefa artesanal, fabricando rudimentarmente os seus utensílios para, juntamente com a mulher e filhos, complementar com produto agrícola a sua economia. Fabricava de tudo desde vassouras, bacias de flandres, foice, espingardas, garruchas etc.

Hoje, devido a modernidade, não temos mais esse movimento febril, já que as coisas mudaram tudo para melhor, pois vemos um trabalho mais sofisticado e com melhoria de produtividade e adequando ao tempo moderno. Esse tempo de miséria já passou. Graças a Deus.

Crato-CE, 29 de Julho de 2010

quinta-feira, 29 de julho de 2010

A COMÉDIA DA MALDIÇÃO NA PRAÇA DA SÉ - CRATO-CE - SÁBADO - 20 HORAS


A Cia. Cearense de Teatro Brincante - Ponto de Cultura do Brasil - apresenta: A Comédia da Maldição! Um dos mais aplaudidos espetáculos dos últimos tempos... Na Praça da Sé, em Crato-CE, neste sábado, 31 de julho, às 20 horas, na programação do I Festival do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Estado do Ceará.

Elenco: Cacá Araújo (Tandô); Carla Hemanuela (Mãe Luzia); Charline Moura (Irmã Francilina); Jardas Araújo (Cantador); Edival Dias (Padre Sebastião); Joênio Alves (Dono da Bodega); Jonyzia Fernandes (Ana Expedita); Joseany Oliveira (Leide Zefa); Josernany Oliveira (Brincante da Mula); Lílian Carvalho (Beata Carmélia); Lorenna Gonçalves (Cibita); Márcio Silvestre (Vigário Felizberto); Orleyna Moura (Viúva Fantina); Paula Amorim (Ladra); Paulo Henrique Macêdo (Fotógrafo Jorjão); Samara Neres (Zulmira); Músicos: Lifanco (viola) e elenco (percussão).

Técnica: Texto e Direção Geral - Cacá Araújo; Assistência de Direção - Orleyna Moura; Cenografia - França Soares; Sonoplastia - Cacá Araújo; Iluminação - Danilo Brito; Maquiagem - Carla Hemanuela e Joênio Alves; Figurino - Orleyna Moura e Carla Hemanuela; Guarda-Roupa - Luciana Ferreira; Operação de Som - Gabriela Melo; Operação de Luz - Danilo Brito; Música - Lifanco e Cacá Araújo; Fotografia - Gessy Maia; Cinegrafia – Toyota; Produção Executiva - Mônica Batista; Produção Geral - Sociedade Cariri das Artes.

Promoção: SATED/CE
Apoio: Prefeitura Municipal do Crato / Sociedade de Cultura Artística do Crato / Sandálias Brisa / Coletivo Camaradas





“É dito que ‘o sucesso traz sucesso’. Mas como o sucesso deve ser alcançado e qual sucesso você deve almejar? A Bhagavad Ghita declara: ‘Shraddhavan Labhathe Jnanam’ (‘O perseverante buscador assegura sabedoria’). Isso significa que, sem perseverança e seriedade, nenhum sucesso pode ser alcançado. O homem não é capaz de fazer progressos significativos em direção ao Divino devido à ausência de esforço árduo na esfera espiritual. Sem a prática espiritual, a leitura de livros religiosos e ouvir discursos espirituais não têm valor. Estudar as Escrituras e recitar os nomes de Deus podem ser bons atos por si próprios. Mas se não houver amor, que é a base de toda disciplina espiritual (Sadhana), eles não têm utilidade.”
Sathya Sai Baba

Entrepontos encerra seu primeiro ciclo de encontros no Crato (CE)


O programa Entrepontos chega à quarta cidade do interior cearense na próxima terça, 3 de Agosto. O projeto é uma ação prévia da IX Feira da Música de Fortaleza. O fim do primeiro ciclo do Entrepontos marca a véspera da Feira, que acontecerá no período de 18 a 21 de agosto no Centro Dragão do Mar

O Crato (CE) é a última cidade do primeiro ciclo do programa Entrepontos. A série de encontros no interior cearense passou por Guaramiranga, Itapipoca e Quixadá antes de chegar ao município da região do Cariri. De 3 a 6 de agosto, o Crato recebe o encontro que envolverá músicos, técnicos, produtores e demais agentes do universo musical. Este público terá a oportunidade gratuita de interagir com convidados do Ceará e de outros estados do Brasil, assistir palestras e participar de grupos de trabalho (GTs) divididos em três áreas de capacitação da música – Comunicação; Gestão de Carreira e Produção; e Direção e Técnicas de Palco.

O Entrepontos já reúne resultados da experiência de realização do encontro nas três primeiras cidades deste ciclo. Em Guaramiranga, cerca de 40 pessoas participaram dos GTs e diagnosticaram, junto aos facilitadores, a necessidade de se organizar um núcleo produtivo para dar conta da boa movimentação do calendário cultural da cidade. A leitura parte da sugestão de que o expediente de projetos culturais realizados no município, como o Festival de Jazz & Blues e o Festival Nordestino de Teatro, pode reunir uma presença mais significativa de mão-de-obra local.

Em Itapipoca, o grupo que reuniu em torno de 70 pessoas traçou um planejamento de ações para a cena musical do município. Mobilizar uma atividade envolvendo a música de Itapipoca na Feira da Música de Fortaleza; programar uma mostra de músicos locais na capital cearense; organizar uma mostra de música na própria região; e realizar ensaios abertos da orquestra da cidade foram algumas dessas ações.

A cidade de Quixadá reuniu aproximadamente 40 pessoas, a exemplo de Guaramiranga, distribuídas entre os GTs. Na agenda quixadaense, os participantes planejaram organizar uma grande caravana para a Feira da Música; mobilizar uma atividade envolvendo a música de Quixadá também na Feira; estimular o intercâmbio Fortaleza – Quixadá entre os artistas locais; levar a tecnologia de transmissão de shows ao vivo pela Internet para outros eventos da cidade.

Em comum, os GTs de comunicação das três cidades criaram uma lista de discussão online e um blog a fim de reforçar – respectivamente - a comunicação entre os agentes do município e de conectar a produção local com o resto do mundo. O Entrepontos finaliza os encontros desta série traçando um mapeamento da cadeia produtiva da música em cada cidade, de acordo com a participação nos GTs. A atividade sugere um posicionamento para que cada participante entenda a sua responsabilidade com a cena musical local. Até então, em torno de 150 pessoas já receberam o certificado de participação no Entrepontos.

A realização do EntrePontos é da Associação dos Produtores de Discos do Ceará (ProDisc), com a parceria do Sebrae (CE) e incentivo do Sistema Estadual da Cultura (SIEC). No Crato, o programa conta com apoio da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude do município e do Sebrae local.

O Encontro – O Entrepontos abre a sua programação para empreendedores, gestores culturais e de entretenimento, estudantes e profissionais vinculados às linguagens artísticas e áreas afins, como Design, Moda, Comunicação Social e Turismo. O acesso é gratuito e as inscrições prévias estão abertas na sede do Sebrae do Crato (Rua Senador Pompeu, 341, Centro).

A dinâmica de cada encontro segue o esquema abaixo:

- Encontro Geral, com abertura do evento e reconhecimento dos participantes de cada município;

- Palestras temáticas, com a realização dos painéis de troca de experiências com convidados do Ceará e de fora do Estado;

- Grupos de Trabalho (GT), facilitados por agentes de reconhecido saber e experiência nas áreas de Comunicação; Gestão de Carreira e Produção; Direção e Técnicas de Palco;

- Laboratório Musical. É a atividade final do encontro, momento em que os participantes acompanharão a realização de um evento musical – com apresentação de três atrações. O laboratório será o espaço para a aplicação de conhecimentos adquiridos nos GTs, à medida do potencial e aprendizado de cada participante e de seu respectivo entendimento sobre o evento.

Programação

* Crato

Locais: Palestras e GTs na sede local do Sebrae (Rua Senador Pompeu, 341, Centro) e shows no Centro Cultural do Araripe (Largo da RFFSA – antiga estação ferroviária)
Acesso: Gratuito

- 3/8:

14 às 19h30 – Encontro geral (com intervalo)

- 4/8:

14 às 17h – Grupos de Trabalho

17h30 às 19h30 – Painel com Benjamin Taubkin (pianista do selo Núcleo Contemporâneo e membro da ABMI – Associação Brasileira de Música Independente/SP) e Amaudson Ximenes (Associação Cultural Cearense do Rock – ACR/CE)

- 5/8:

14 às 17h – Grupos de Trabalho

17h30 – Preparação para o laboratório musical

- 6/8:

9 às 16h – Laboratório musical

17h – Sorteio de brindes e finalização dos GTs

20 às 22h – Shows com Felipe Cazaux (CE) e bandas locais

Serviço – EntrePontos – série de encontros, realizada no interior do Ceará, com foco na capacitação em negócios da música. Dias 30 de junho a 3 de julho em Guaramiranga (CE), 14 a 17 de julho em Itapipoca (CE), 21 a 24 de julho em Quixadá (CE) e 3 a 6 de agosto no Crato (CE). Acesso: Gratuito. Informações gerais: (85) 3262.5011 – entrepontosce@gmail.com

Mais informações para a Imprensa: (85) 8690.2466 – fgurgel@gmail.com (Felipe Gurgel) e (85) 8846.6092 – debmedeiros@gmail.com (Débora Medeiros)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

COMPOSITORES DO BRASIL

É dura, é triste, é cruel
A dor de uma saudade
Quando se teve nas mãos a felicidade...
(Um juramento falso)

PEDRO CAETANO

Por Zé Nilton

Cem anos de Pedro Caetano celebrará sua família ao lado de amigos e fãs no dia 01 de fevereiro de 2011.

Nesta sexta-feira, dia 29, às 20,30 ,iniciando as comemorações do centenário desse compositor de destaque na época de ouro da Música Popular Brasileira, será realizado um grande show no Clube do Choro de Santos-SP, com a presença de sua filha Cristina Caetano.

Informa ainda Cristina Caetano que dentro das comemorações serão realizados trabalhos de restauração de acervo, montagem de um site, edição de livros, songbook e CD. Enfim, a memória do inesquecível e primoroso compositor será preservada.

Pedro Caetano é de Bananal , São Paulo, mas cresceu, viveu, amou e tornou-se um expressivo compositor no Rio de Janeiro. Estáentre os bambas da época, como Ataulfo Alves, Cartola, Ismael Silva, Nássara, Wilson Martins, Ary Barroso. Dividiu a autoria de suas músicas com nada menos de que Pixinguinha, Noel Rosa e Valfrido Silva.

Dono de uma inspiração melódica de grande valor e de uma poética de profunda singeleza, Pedro Caetano deixou sua marca no panteão da História da Música Popular Brasileira, e sua música será eterna como as coisas que tocam a alma. Atentemos para essa poesia adornada por uma melodia que nos enche de raro prazer:

Nova Ilusão(Pedro Caetano)

É dos teus olhos a luz
Que ilumina e conduz
Minha nova ilusão
É nos teus olhos que eu vejo
O amor e o desejo
Do meu coração...
És um poema na terra
Uma estrela no céu
Um tesouro no mar
És tanta felicidade
Que nem a metade
Eu consigo exaltar...
Se um beija-flor descobrisse
A doçura e a meiguice
Que teus lábios tem
Jamais roçaria, as asas brejeiras
Por entre roseiras
Que são de ninguém...
Óh, dona do sonho,
Ilusão concebida
Surpresa que a vida,
Me fez das mulheres,
Há no meu coração
Uma flor em botão
Que abrirás se quiseres.

Outra vez estaremos prestando a homenagem a Pedro Caetano através do programa Compositores do Brasil. Associamo-nos às alegrias dessa festa que sua filha Cristina Caetano está coordenando, e que gentilmente nos procurou, através do Blog Caririag, em contato com o prof. Carlos Rafael, para agradecer pelo programa que realizamos em fevereiro último.

Compositores do Brasil, um pouco da história e das músicas de Pedro Caetano.
Na sequencia:

SETE E MEIA DA MANHÃ, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz, com Dircinha Batista
UM JURAMENTO FALSO, de Pedro Caetano com Orlando Silva
É COM ESSE QUE EU VOU, de Pedro Caetano com Elis Regina
FLOR DE LARANJEIRA, de Pedro Caetano Carlos Galhardo
SANDÁLIA DE PRATA, de Pedro Caetano e Alcir Pires Vermelho com Francisco Alves-Sandalia de Prata
O QUE SE LEVA DESSA VIDA, de Pedro Caetano com Ciro Monteiro
ONDE ESTÃO OS TAMBORINS, de Pedro Caetano com Quatro Ases e um Coringa
CAPRICHOS DO DESTINO, de Pedro Caetano com Orlando Silva
LEVEI UM BOLO, de Pedro Caetano, com Almirante
DISSE ME DISSE, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz, com Aracy de Almeida
EU BRINCO, de Pedro Caetano com Carlos Galhardo brinco
FOI UMA PEDRA QUE ROLOU, de Pedro Caeteno com Vassourinha
O SAMBA AGORA VAI, de Pedro Caetano com Quatro Ases e um Coringa
DUAS VIDAS, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz com Orlando Silva
SALVE O AMÉRICO, de Pedro Caetano e Alcyr Pires Vermelho com Cristina Buarque e a Banda Glóri

Quem ouvir verá!

Programa COMPOSITORES DO BRASIL
Rádio Educadora do Cariri
Todas as quintas-feiras, de 14 às 15 horas
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Retransmissão: www.cratinho.blogspot.com










Cariricaturas
Do blog para o papel

Recebi do meu amigo Wilton Dedê, um incansável residente da cultura caririense, um exemplar devidamente autografado do livro “Cariricaturas em Verso e Prosa”, edição que registra o fazer literário de um grupo de escritores que postam suas criações no blog www.caricaturas.blogspot. Com. Ao ler o livro percebi que nem tudo que está ali é diletantismo e que nem tudo está preso a um passado imóvel, feito naftalinas mofadas.

Não vou entrar no mérito literário, uma vez entendido que a essência desse feito seja exatamente o ato sacramental e fundador de ações coletivas que encenam suas vivências em um espaço virtual. A partir dessa decupação, dois aspectos me chamaram a atenção nessa obra. Creio que esses aspectos possam traduzir, em parte, aquilo que se pretende em uma criação dessa espécie, bem como aquilo que não se espera em forma de repercussão interventiva.

O primeiro aspecto é o diálogo imaterial e material entre as mídias, a escrituração que sai do campo virtual da rede mundial de computadores, carregando todas as transversais que isso representa, para cair no universo imemorial da imprensa, conservando e prolongando o poder da escrita no papel, e tudo que essa escrita representa dentro da história da humanidade. O outro aspecto é o dialogismo entre o universal e o provinciano, em seu eterno jogo de junção e disjunção na construção do cotidiano das pequenas narrativas individuais.

Dentro da leitura que faço dessa obra que intervém diretamente em nosso universo imaginário como um eterno retorno, os aspectos que me chamaram a atenção revelam o tanto que este livro está inserido em nossa realidade, em nossa contemporaneidade, exatamente pelo que ele tem da fragmentação e da descontinuidade. Se por um lado o “Cariricaturas em Prosa e Verso” busca visibilidade através de um marco, de um registro mais palpável, de um ancoradouro de idéias, de uma amostragem da nossa cultura, por outro lado ele indicia categoricamente também o que é propriedade criativa daquele que navega anonimamente na rede, que está oculto, mas que também é parte dessa bricolagem. Eis o intrigante flâneur da nossa era.

Longe de querer ser uma síntese do que se produz artisticamente aqui no Cariri, o “Cariricaturas em Prosa e Verso” se projeta como uma janela de um apartamento do infinito edifício das manifestações culturais. Olhando através dela é possível ter uma visão tremeluzente e impressionada do que aqui se faz e do que aqui se paga. Ao mesmo tempo em que você encontrará o cangaceiro de Wilton Dedê sentado em sua montaria, correndo bribocas secas, tendo lobisomens e volantes em seu encalço, você também encontrará a viva, a mais que presente opacidade das gravuras de Bruno Pedrosa, que oferecem a você apenas o espaço e nenhum chão.

O grande barato desse livro é que ele proclama, de forma belamente irônica, a perversão total dos comentários anônimos, a forma anarquista mais temida por aqueles que se relacionam coletivamente na rede mundial de computadores. Agora você pode pegar o livro e fazer o comentário que você quiser. Sem que ninguém saiba quem você é. E mais ainda, sem que os autores nem saibam o que você está comentando e nem para quem você está comentando.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Inscrições Abertas para Cariri Cangaço 2010


As Inscrições para o Cariri Cangaço 2010 estão abertas, e este ano será muito mais fácil participar, não precisa preencher Ficha, basta nos enviar um email para o endereço fichacariricang@hotmail.com, Com os dados abaixo:

NOME
TELEFONE
ENDEREÇO EMAIL
ATIVIDADE PROFISIONAL

Pronto! Já está inscrito para um dos maiores eventos do Cangaço no Brasil!

Seja bem vindo, faça já a sua Inscrição.

Produção Cariri Cangaço

domingo, 25 de julho de 2010

Ingazeiras aos olhos do mundo

Luiz Domingos de Luna*
Nos umbrais do espaço tempo, já conhecida no oco do mundo, ao bloco congelado de uma história esquecida. Celeiro do cinzel, pincel do menestrel das artes plásticas, do fluxo do cotidiano ao estilo abstrato, na poeira do esquecimento de outrora, a lâmpada do gênio, duas vidas que na vírgula do tempo, o mistério dos remansos gira nos acordes da cítara no baile existencial – Aldemir Martins.
Da viola, pandeiro e violão, música brega, sertaneja, do xaxado ao samba canção ao gosto do ritmo, misturas em audição, na grandeza de um menino, ganha o forró nordestino uma nova versão – Alcimar Monteiro é também filho do nordeste, de ingazeiras, que também, é palco luz da criação.
Quando a caatinga foi devorada ao som do apito do trem, no dia 08 de dezembro 1923, sob o manto da mãe protetora – A Padroeira N.SRA Conceição- recebe pela primeira vez a máquina do progresso e do desenvolvimento – O trem.
Enquanto a fumaça da locomotiva teimava em voltar para a capital alencarina, gritava com os braços abertos as margens do salgado, ainda na bruma fresca, do cheiro potável da água salgadina, em fluidez, o grito de apelo, aos inúmeros artesãos, pintores e músicos, na seara da mistura entre o mundo material e espiritual, uma fonte jorradora ao cariri, ao sertão, ao Nordeste, sua linda aquarela, ao oco do mundo, materializar – Ingazeiras a musa de sempre no sul do Ceará, na curva do tempo, a qualquer momento, na constelação do cariri um estrala à brilhar.
(*) Professor- Aurora - Ceará
(*) Colaborador do blog Cariri Agora

Que festa de arromba! – Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Certa vez eu escrevi que, sempre que voltava ao Crato, procurava por aquela cidade da minha infância e adolescência e não mais a encontrava. Aquele Crato somente existia dentro de mim e não mais em outro qualquer lugar. Mas nestes três últimos dias, como que por encanto ou tocado por alguma varinha mágica, aquele Crato ressurgiu esplendoroso em pleno Crato Tênis Clube, o único sexagenário entre todos os presentes. De repente regredimos há mais de quarenta anos. Todos nós ali voltamos à adolescência. Eu dançava com a garota dos meus sonhos, jurando que após concluir meus estudos voltaria ao Crato para casar com ela. O velho “Conjunto Ases do Ritmo” tocava como antes. Cheguei até a vislumbrar a imagem de seu Irineu por trás do acordeão de Hugo Linard. Tudo era encantamento na festa da primeira velinha do Cariricaturas.

Fadas existem! Elas foram as responsáveis por momentos tão sublimes, que reforçaram a vocação do Crato como centro irradiador da cultura. Milagres também existem! Acreditem.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo

UMBIGADA - Geraldo Junior e Banda e OS CABRAS na pressão + PART. DE DUANI

Numa lua quase cheia de julho - Emerson Monteiro

Sob os efeitos recentes da tempestade de emoções vividas por ocasião do lançamento do livro Cariricaturas em verso e prosa, acontecido na noite de 24 de julho de 2010, nas dependências do Crato Tênis Clube, resolvo escrever algumas palavras neste assunto.
Junto dessa vontade, me veio ao pensamento uma polêmica verificada no auge do jornal O Pasquim, arauto brasileiro da contracultura na década de 60, quando o escritor Luiz Carlos Maciel escrevia artigos analisando o conteúdo existencial das letras de Noel Rosa e, sem intenção deliberada, feriu o espírito realista do célebre Millôr Fernandes. Assim, sem querer, provocou cisão irreparável no grupo de artistas e intelectuais do semanário, abrindo brecha intransponível para a sua continuidade. Tudo por conta do modo romântico de olhar a vida sem meias tintas, com fartura de emoções, aos moldes da avaliação literária.
Na tempestade que invadiu o espaço do tradicional recanto da sociedade cratense, nessa noite de autógrafos repleta de escritores, convidados, falas e música, causou espécie a farta emocionalidade do instante. Cercado de amigos que se reencontravam, vindos alguns de lugares distantes, público feliz desfrutou ocasião pródiga e espontânea. Viu-se de perto o Crato criativo, resistente e culto redimido em ocasião típica dos seus melhores dias de antes experimentados.
A festa produzida por Socorro Moreira, Claude Bloc e Edilma Rocha, animada por Hugo Linard e banda, reavivou bons sentimentos do auge de épocas bem especiais guardadas na memória. O mistério dessa intensidade, desse fulgor, lembra a frase de Saint Exupéry que diz: Quando o mistério é muito impressionante não cabe desobedecer.
Em meio ao sucesso das atividades em movimento, busquei agir como quem anda nos corredores internos de uma loja de porcelanas e vidros finos. Tantas valiosas personalidades vistas de perto, ao gosto por literatura, cultura, arte; figuras marcantes todo tempo, nos vários estágios dos caminhos desse rincão forte do Cariri, formaram painel verdadeiro de histórias e ocasiões, no encontro ao natural. Uma grande nave de cumplicidades circunscreveu sonhos pelo ar, feito o clima imponderável dos filmes geniais de Federico Fellini, decerto.
Daí soube as razões internas da vez em que Luiz Carlos Maciel analisou as letras dos sambas de Noel Rosa com a lente dos sentimentos. Porquanto há dimensões que apenas pelo lado de dentro se pode tocar, independentes dos caprichos horizontais da razão fria, das matemáticas.
Nesse aspecto, foi o professor José Newton Alves de Sousa quem, ao agradecer as homenagens recebidas, melhor definiu a voltagem da festa.
Fez menção a outro discurso e consignou mudança radical que, então, vivenciara na fisiologia de seu corpo, pois diante daquilo todo ele se transformava apenas em um coração.

sábado, 24 de julho de 2010

EMANCIPAÇÃO, NÃO !


Por Zé Nilton

Outro dia lendo a programação das festividades pelos 246 anos do Crato, além de pífia presença do poder público no tocante a benfeitorias no município, ainda tinha um erro histórico, ao informar de que se tratava dos 246 anos nossa de emancipação política. Aí eu pergunto: emancipação política de quem? Na verdade o Crato foi criado como Vila Real do Estado Português. Por que?

1.Porque o iluminista Marquês de pombal, lendo Rousseau, Diderot, Montesquieu, Maquiavel e demais (lembra dos déspotas esclarecidos?), e crente na ascensão da razão instrumental resolveu otimizar administrativamente o império português, desde os confins da África, Ásia, América até a Vila de índios perdida no Nordeste do Brasil. Falo da quase semi abandonada terras dos Cariris Novos, outrora núcleo missionário de uma das diversas ordens religiosas que, financiadas pelo império português, aldeavam e catequizavam índios nos rincões do Brasil.

2.Porque, segundo a determinação da política do império português, acolhida pelas próprias missões, era preciso expandir territórios, incluir o maior número de súditos, que por sua vez gerariam mais recursos para a manutenção da política expansionista portuguesa vis-à-vis as pretensões do império espanhol e outros.

3.Porque, segundo Pombal, esse negócio de financiar catequese e conversão de povos sem nenhuma civilidade, seria perda de tempo face a urgência da solidificação do império lusitano no mundo à beira da modernidade.

Diferentemente de como querem alguns, o que hoje é Crato, em 1764, já possuía uma população considerável de pessoas chegadas e estabelecidas tanto em função da Missão do Miranda, fixação de índios depauperados e expropriados de suas terras, arregimentados desde o centro-sul cearense, a partir de 1738, pelo relegado Frei Carlos Maria de Ferrara, (quem descobriu isto foi Pe. Gomes), como em função de movimentos bélicos entre potentados familiares (Montes x Feitosa) e empreitadas mal sucedidas da empresa portuguesa em busca de ouro. Além, é claro, da ocupação desenfreada de colonos empreendedores.

Em 1764, no quadrilátero onde hoje é a Praça da Sé e adjacências, mais de 50 casas (fogos) abrigavam famílias indígenas, caboclas e os corpos militares do estado lusitano. Segundo documento de criação da Vila Real de Crato, perdido, com parte recuperada pelo eminente Carlos Feitosa, que colheu de Theberge, que colheu de Antonio Bezerra, e que não é citado em nenhum momento pelo Pe. Gomes, cerca de 243 pessoas estavam presentes no dia da criação da Vila Real de Crato. O documento mostra como foi esquadrinhado o núcleo urbano originário de nossa urbe. Claro que obedecia a determinação do pacote de criação de todas as vilas em terras portuguesas.

Então, a criação da Vila Real de Crato não se deve a nenhuma outra determinação que não seja àquela ditada pelo estado português. Desde muitos antes, a política colonizadora editava leis neste sentido, que nunca eram efetivadas, pela frouxidão da presença legal do estado, pela inércia e interesses dos mandatários capitães-mores e quejandos para a urbanização das comunidades indígenas nos sertões do Brasil. Só para se ter uma idéia, a Vila de Crato foi erigida dois anos após sua criação de fato. E essa rapidez se deve ao momento da mais intransigente presença de Sebastião José de Carvalho e Melo. Naquele ano tinha porque tinha que serem criadas vilas reais com evocação de urbes portuguesas. A Vila de Crato assim o foi porque havia condições materiais. Já a de Baturité, não. O Monte-Mor o Novo d'América só depois tornou-se vila.

Bom, agora vai aqui uma provocação. Se querem teimar pela emancipado do município de Crato, em 1764, eu digo, legal! Muito Bem! Então, admita-se forçosamente uma emancipação por expropriação das terras pertencentes aos índios Cariús, doadas por escritura passada em cartório, em Recife, em 1743. Bonito! Então, fica assim: o dia 21 de junho comemora-se a emancipação política do Aldeamento do Brejo da Missão de Nossa Senhora da Penha de França, como era chamada a Missão do Miranda.

Aliás, esse episódio – só no Crato – é bastante digno de nota: uma reforma agrária ao contrário. Explico. Quando da elevação da vila, por força da lei portuguesa, a bem da verdade, as terras que eram dos índios terminaram por serem destinadas aos entes da organização social de então, Igreja, Poder Público (Senado da Câmara), funcionários do corpo administrativo da Metrópole e demais.

Você já pensou se se leva avante a idéia do resgate das identidades indígenas com os direitos que lhe foram usurpados?

Silêncio. Muito silêncio...

Bem, mas eu só quis falar do que mesmo? Ah, não é de bom alvitre dizer que o Crato foi emancipado. Não houve nenhum movimento neste sentido nos anos de 1764.

Há sim, um movimento legítimo de Ponta da Serra e outras localidades por separação territorial.

Quanto à Ponta da Serra eu vou votar SIM. Eu adoro os Valdevinos, os Leite, Toín historiador, Pe. Bosco. Acho que eles têm o direito de ter uma cidade.
Quem sabe lá as coisas não se realizam...

VERSO E PROSA - Livro ´Cariricatura´ é lançado hoje

Crato. A evolução tecnológica integra os meios de comunicação e gera prodígios de ampliação das consciências, no tempo e no espaço. Nos dias atuais, mediante a penetração massiva da comunicação, por meio da rede internacional de computadores, a possibilidade de se reunir meios em novos fenômenos propicia reencontro de pessoas e culturas numa perspectiva de resultados múltiplos antes jamais avaliados. Um exemplo dessa transformação de hábitos e costumes é a publicação do livro "Cariricatura em Verso e Prosa". Coordenado por Socorro Moreira, Claude Bloc e Émerson Monteiro, o livro, editado pelo BSG Bureau de Serviços Gráficos, reúne escritores que fazem parte de uma geração de jovens intelectuais que foram sufocados pelo regime militar, ou impossibilitados de extravasar os seus talentos literários pela necessidade de se preparar para o vestibular.

Quarenta anos depois dos chamados "anos de chumbo", estes jovens de ontem, já de cabelos grisalhos, se reencontraram na internet e criaram o blog "Cariricatura", com o objetivo de divulgar às suas ideias de forma democrática, sem patrulhamento político ou ideológico. O reencontro virtual deu origem ao livro que agora está sendo lançado.

São 33 autores, poetas, contistas, ensaístas, cronistas, gravuristas, valores do lugar espalhados pelo Brasil, porém, de pés firmados nas origens caririenses, ou ligados aos seus padrões, pela identificação e vivências, somadas em livro único. A publicação é ilustrada com gravuras do artista plástico Bruno Pedro, que faz parte da geração talentosa. O lançamento será, hoje, no Crato Tênis Club, seguido de festa dançante. A mesa está sendo vendida a R$ 40, com direito a um livro. A professora Socorro Moreira lembra que cada um dos escritores contribuiu com R$ 200,00. O livro, segundo a professora universitária, Claude Bloc, é o renascimento da região após a grande dispersão dos anos 60. O advogado Emerson Monteiro destaca que o livro é a continuidade da vocação libertária e literária do Crato.

Antonio Vicelmo
Repórter do Jornal Diário do Nordeste

HOJE, Dia 24 de Julho - Lançamento do Livro "Cariricaturas em Prosa e Verso" no Crato Tênis Clube


Hoje, dia 24 acontecerá no Crato Tênis Clube, a festa de lançamento de um importante livro para o Cariri, "Cariricaturas em Prosa e Verso". Trata-se de uma coletânea de inúmeros poetas e escritores caririenses que se reuniram para oferecer aquilo que cada um tem de melhor na sua lira. O evento é coordenado pela revista eletrônica Cariricaturas, sob a supervisão de Socorro Moreira, Claude Bloc e Edilma Saraiva, todas, grandes poetisas da região, com a colaboração de pessoas igualmente ilustres como Emerson Monteiro, dentre tantos outros. O evento tem a seguinte programação:

20 h - Cerimonial de lançamento ( sem discursos !)- por Edilma Rocha.

Música ao vivo : Com João Nicodemos

20:30 h Performances poéticas - participação de L. C Salatiel, Salete Libório, Poliana, João do Crato, Divani Cabral , Stela e Olival. Apresentação do Livro "Cariricaturas em Prosa e Verso - Projeção de imagens num telão ( produção Claude Bloc)

21 h Coquetel, e momento de autógrafos.

Apreciação da galeria de fotos-pintura da artista Cratense Telma Saraiva

-Sorteios de brindes. Mimos de amigos : Elmano Rodrigues, Jurandir Temóteo, Everardo Norões e Carlos Esmeraldo.

22 h- Baile animado por Hugo Linard e sua banda.

Fonte: Site Cariricaturas

sexta-feira, 23 de julho de 2010



Quando quiseres
venhas
e gires com as pontas dos dedos
o meu coração
(...)
Nirton Venâncio


                                         




Troque suas sessenta camisas por uma de número oitenta.

Geraldo Urano




(...)
o silêncio é uma rua
de janelas fechadas. 

Everardo Norões

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Nas situações-limite - Emerson Monteiro

O primordial não é o limite das situações, mas quem escapará delas, que apresentem por mérito o talento de vencer quando atravessar a correnteza dos extremos, através dos mares da dor, da dúvida, da solidão, etc.
A tudo o que existe corresponde um resultado de ordem prática, real, aquilo em forma de produto ligado às origens, resultante do objetivo que lhe deu início, à primeira vontade, levado ao seu fim derradeiro, nessa empresa chamada vida, existência, ou missão. Não importam as circunstâncias e seus variados matizes, pois, chegado ao final, isso também ficará para trás.
O que pesa, no entanto, vem no jeito de encarar os limites, casamento feito do hífen na palavra (situações-limite), nos moldes de uma ponte resistente. Os demais fatores valem por detalhes ocasionais de menor importância, companheiros de meio de viagem, frieza que se torna fundamental só no trato das circunstâncias, na vala comum das ocorrências.
Assim como o verbo ser representa estado de permanência, as situações fazem ligação do que se acha antes com o que virá depois, do ser que define o circunstancial das situações, ligando-as a sujeitos que permanecem até sumir nas curvas da estrada infinita, enquanto existe algo acontecendo conosco jamais sumirá.
O tempo marcha sempre, parado no mesmo lugar, fonte universal de um tônico invisível, imaterial, sol que a tudo purifica, fazendo e desfazendo, presença intermitente da realidade, luz no fim de todos os túneis por aonde se chegar.
O que vale é o equilíbrio entre as partes, a queda e a coisa que cai, a queda e a coisa que se levanta, para depois, de novo desaparecer e reaparecer noutras formas e oportunidades, essência daquilo que gerou, nas eras silenciosas, infinitas.
A propósito desse aparente estado de indiferença com que a natureza trabalha os seus fenômenos e das pessoas terem de cruzar de algum modo problemas extremos, ditas situações-limite, a história registra que Thomas Morus, filósofo inglês vítima de contradições religiosas na Grã Bretanha do século XVI, já enfermo, sem poder mais se movimentar com das forças pernas, ao chegar no cadafalso para ser decapitado dirigiu-se a um dos guardas que lhe acompanhavam e pediu:
- Amigo, ajuda-me a subir, que ao descer não te darei mais esse transtorno.
Quis dizer, noutras palavras, que dele apenas sobrariam retalhos de lembranças jogadas aos padrões da dignidade com que se opôs a cruéis perseguidores. Depois, então, mais nada restaria dos momentos que fogem, dentro da coerência e dos valores imortais desse chão.
Num gesto simples, contou que o tempo não passa; nós é que passamos, e, conosco, as coisas, pelo movimento provisório dos relógios e dos moinhos, iguais ao brilho das ondas de oceano imaginário, no sopro cadenciado do fole que sobra as brasas na oficina eterna do destino forjando, indivisível, o futuro.

AFASTEM DE NÓS ESTE CÁLICE – POR PEDRO ESMERALDO

Esta frase pertence ao compositor Chico Buarque de Holanda; achamos conveniente expressar nossos pensamentos para ver se os políticos cratenses tenham fibras e trabalhem mais pela cidade.

Não temos para quem apelar mas, continuaremos com a nossa ideia de permanecer contrários e evitaremos a sanha dos sangue sugas que vivem penetrando no Crato com atributos violentos e nos levam tudo de bom. Precisamos nos unir numa só corrente de forças iguais para ver se obtivemos um meio de convencer a esses vereadores fantasmas, mostrando, com toda extensão, que o Crato deve ser pra os cratenses e não para esses abutres que vêem nos sugar com unhas e dentes, enganando o povo com palavras falsas, dizendo que vão trabalhar pela cidade.

A nosso ver, esses vereadores fantasmas não trabalham pelo bem da cidade e devem se compenetrar e marchar em linha reta contra os abusos desses carcarás que vem nos sugar.

Primeiramente, devemos observar melhor que esse pessoal não conhece o Crato e vem buscar o seu apoio com cara desavergonhada que como que nós não teríamos vergonha de comparecer nos terreiros das casas desta cidade.

Nós os cratenses, temos por obrigação defender o património da cidade do Crato, pois constantemente nos surpreendermos, quando vemos esse pessoal falacioso abraçar os políticos com. cara de desdém é o que nos enraivece é que alguns políticos cratenses não teem sentimentos e vivem entregando os pontos a esses abutres inimigos.

Não falaremos à toa, mas falaremos com toda a força dos nossos pulmões, solicitando que esses políticos afastem-se do nosso caminho e, ao mesmo tempo, devem recordar o mal que eles nos fizeram, em anos passados, pois impediram que fossemos beneficiados com melhoramento como é o caso da vinda da Universidade Federal pois, com gestos indignos e com mentiras deslavadas, reuniram na calada da noite e açambarcaram o campus da universidade para a cidade de Juazeiro do Norte. Foram falaciosos, arrogantes e indigestos e agora vem desavergonhado pedir voto aqui como se nada tivesse acontecido?

Cratenses tomem cuidados, estejam alertas, não se deixem enganar pela saga dos inquisidores e vamos alevantar o espírito, vingando com uma expressão sublime de discórdia e mandaremos todos irem cair na "caixa prega", visto que, aqui nada vem fazer ao não ser buscar o que é nosso, o voto.

Avante pessoal, chegou a hora da vingança, não queremos mais imiscuir- se, mas convenceremos aos homens cruéis que só pensam em beneficiar-se a si mesmo,pois não toleramos mais essa discórdia de desigualdade de comportamento do progresso educativo. Já chega desse mau pensamento, visto que eles consideram o Cariri somente a cidade de Juazeiro do Norte. Isto é uma blasfémia, um desprezo aos outros municípios.

Agora, aproveitando a deixa, fiquemos de orelha em pé com os fanfarrões da Ponta da Serra; não dêem rabo a nambu porque nambu não tem rabo. Não dé valor a quem não tem.

Crato- CE, 22 de Julho de 2010

quarta-feira, 21 de julho de 2010

COMPOSITORES DO BRASIL

Quando eu canto seu coração se abala
Pois eu sou porta-voz da incoerência
Desprezando seu gesto de clemência
Eu sei que o meu pensamento lhe atrapalha...(
Agalopado)

ALCEU VALENÇA

Por Zé Nilton

O bonito em Alceu Paiva Valença, nascido em 1º. de julho de 1946, é essa dupla proximidade dele com sua música e deles com a terra que os originou. O Nordeste e o mundo, eis sua terra. Mas uma vez no mundo, não perde o sentimento e o aconchego telúricos. Quer encontrá-lo quando está em casa? Vá a Recife. A imagem sempre se repete a cada carnaval pernambucano. Aquele homem com cara de louco quedo atrás de um janelão de primeiro andar abençoando a turba de foliões num vai e vem, embevecida pelo autentico som carnavalesco, o frevo.

No memorial de sua arte um dia ele disse:

“No dia em que eu nasci três vezes um galo cantou, Satanás bateu num sino e uma estrela alumiou. Ficou tudo escuro no dia em que nasci. Era meio-dia. E fez um escuro medonho. Em São Bento do Una. Nasceu um bendito.

Um bendito. Mas que acabaria à `profissão de maldito´, já que a música era seu dom.
Sou bendito, isto sim, porque reinvento a MPB e, por outro lado, não sou mais novo. Sou um balzaquiano da música popular brasileira. A base da minha música é praticamente o cordel. Vem das coisas que ouvi diretamente dos cantores da minha terra.

Vem da infância, das histórias contadas pela negra Loló, vem do aboio na voz do vaqueiro ao anoitecer. E tinha lua na caatinga, o menino na garupa, com medo de lobisomem.

Depois, vem dos elementos urbanos que absorvi e misturei a essa base, e tirei meu produto. Um produto novo.

No Recife, comecei a me urbanizar na marra, comecei a ter vergonha do meu sotaque, porque eu era de São Bento e os meninos mangavam muito de mim. Porque eu era matuto. Convivi com a classe média alta, mas meu pai não queria luxo em casa. Mesada pequena, cabresto curto para evitar que seu `gado´ desgarrasse pelo mundo afora. E a vontade de ter roupa bonita. Eu vivia um dilema: morava num bairro bom, mas não tinha dinheiro no bolso. Enfim, um cara diferente no sotaque, no bolso e no gosto. Nunca virei recifense, mas São Bento do Una ia ficando para trás”.
(História da Música Popular Brasileira- Grandes compositores. S. Paulo: Ed. Abril, 1982).

Alceu Valença, diz a crítica, constrói o alicerce da futura música de consumo do Brasil, contudo, digo eu, o invólucro daquela música passou, ou melhor, desmanchou-se no ar. Se a música de Alceu é de consumo, viva a música de consumo de Alceu! E morra a música de consumo de certos “compositores” de hoje e de certos jovens a vista.

Aliás, ele já antecipava tudo isto, se quisermos entender sua crítica para o lado da música, quando disse:

Além de tudo sou moleque mal-ouvido
Sou atrevido, já joguei tudo pro ar
Vai longe a noite do meu sonho colorido
Duvidar? Duvido e insisto em duvidar
Creio na perua
O povo tá comendo vidro
Creio na perua
E o baião vai pipocar
Creio na perua
O que tá pior vai piorar
É como a história da cantiga da perua
Seu Elias fez a sua profecia popular
E Ary Lobo resolveu morar na lua
Partindo do Sputinik do campo do Jequiá...
(Fé na Perua).

COMPOSISTORES DO BRASIL, programa musical da Rádio Educadora do Cariri, nesta quinta-feira, a partir das 14 horas, faz uma retrospectiva musical desse excelente compositor brasileiro.

Na sequencia:

PUNHAL DE PRATA, com Alceu Valença
CARAVANA, de Alceu Valença e Geraldo Azevedo com Elba Ramalho, Zé ramalho e Geraldo Azevedo
A DANÇA DAS BORBOLETAS, de Alceu Valença e Zé Ramalho com Zé Ramalho
AGALOPADO, com Alceu Valença
TÁXI LUNAR, de Alceu Valença, Zé Ramalho e Geraldo Azevedo com Geraldo Azevedo
POR TODA LÃ, com Alceu Valença
CORAÇÃO BOBO, com Alceu Valença
FÉ NA PERUA, de Alceu Valença e Zé da Flauta com Alceu Valença
CHEGO JÁ, de Alceu Valença com Claudionor Germano
COMO DOIS ANIMAIS, com Alceu Valença
CABELO NO PENTE, de Alceu Valença e Vicente Barreto com Alceu Valença
PLANO PILOTO, de Alceu Valença e Carlos Fernando com Luiz Gonzaga e Alceu Valença.

Quem ouvir verá.

COMPOSITORES DO BRASIL
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Rádio Educadora do Cariri – 1020
Quintas-feiras, de 14 às 15 horas
Retransmissão: www.cratinho.blogspot.com

UMA CRÔNICA DO DESAGRAVO


Pedro Esmeraldo
Pensei em abandonar a escrita. Tive grande pressentimento de que fui subestimado pela mídia da crônica cratense. Quero lembrar que, desde há muito tempo, venho alertando os políticos que o meu único objetivo é defender a minha terra, a fim de vê-la sair do caminho da discórdia e da negligência política.

Há mais ou menos três anos, dei o primeiro grito contrário a separação da Ponta da Serra. Fui um fiel escudeiro em defesa da permanência do Parque de Exposição desta cidade. Fui e continuarei contrário a sua retirada do centro da cidade e venho manifestar sentimento de oposição a esse movimento, que tenho como intuito de evitar quebra da relação que há entre esses políticos que só desejam marchar em direção oposta aos interesses do povo.

Luto com muita veemência contra a penetração de canditados de fora e que só desejam permanecer nesta cidade com o interesse de açambarcar o voto do povo cratense e nada mais. Noto, com isso, que há má vontade desse povo em trabalhar por esta terra, apenas visa o interesse de levar o que tem de bom. Por isso, alerto o povo que não caia nessa armadilha e satisfaça sua vontade de escolher com sabedoria seu canditado. Evite que o Crato caia no esquecimento. Não seja omisso e tenha o bom comportamento patriótico e evite a permanência deles aqui na terrinha.

Tem- se por obrigação escolher os candidato do Crato ( quer sejam filhos legítimos ou adotivos) e não dêem apoio a uma massa repelente que só vem tirar proveito e conseguir prestígio. Procure escolher com muita precisão os candidatos idóneos e sempre tenho a dizer, empregando a palavra popular: "ruim com eles pior sem eles".

Agora recordo com humildade de um simples cronista "mesmo sem ser reconhecido pela mídia" lembro a todos solicitando que se afaste dos canditados aventureiros e tenham sempre em sua mente que deve votar em filho da terra, que será o melhor remédio para o Crato. Exija a sua retirada imediata desta praça, já que a cidade não precisa dessa ajuda desagradável.

Lembro ainda que no pleito passado apareceu aqui um algoz que arrematou do Crato mais de 10 mil votos, para depois abandonar e nunca mais pisar nesta terra. Considero esse cidadão um eterno ingrato ao Crato, creio que esses erros não serão mais cometidos, pois tenho como pensamento que só se deve errar uma vez e da outra vez é preciso consertar o erro com precisão.

Ambiciosamente, serei um criado fiel e lutarei em defesa da minha terra, já que tenho como objetivo estimular os políticos que deixem de lado o comodismo e lutem com ansiedade pela conquista do desenvolvimento equilibrado e com trabalhos insanos, propondo a igualdade e dá, aceleração do crescimento, a fim de facilitar a criação de empregos e rendas.

Isso não ocorre porque não há uniformidade política, visto que todos puxam brasa para sua sardinha e rção facilitam melhores trabalhos na construção de um novo Crato.

Ultimamente, os lideres cratenses não utilizam a seriedade e contorcem-se com medo de estruturar com o pensamento nobre e com intuito de partir para a construção de um novo Crato.

Tenho como pensamento, ver o Crato atingir a sua glória.

Procuro penetrar no seio da massa popular com o único desejo de orientar esse povo que saiba escolher, na hora de votar, o seu candidato serio e honesto.

Cuidados com as conversas dilacerantes como o movimento que há pela separação da Ponta da Serra, pela aceitação de outros canditados de fora que só vêm prejudicar o Crato.

Depois pode-se cobrar desses políticos as suas promessas eleitorais.

Crato -CE,21 de Julho de 2010.



Quando eu canto seu coração se abala
Pois eu sou porta-voz da incoerência
Desprezando seu gesto de clemência
Eu sei que o meu pensamento lhe atrapalha...
(Agalopado)

ALCEU VALENÇA

Por Zé Nilton

O bonito em Alceu Paiva Valença, nascido em 1º. de julho de 1946, é essa dupla proximidade dele com sua música e deles com terra que os originou. O Nordeste e o mundo, eis sua terra. Mas uma vez no mundo, não perde o sentimento e o aconchego telúricos. Quer encontrá-lo quando está em casa? Vá a Recife. A imagem sempre se repete a cada carnaval pernambucano. Aquele homem com cara de louco quedo atrás de um janelão de primeiro andar abençoando a turba de foliões num vai e vem, embevecida pelo autentico som carnavalesco, o frevo.

No memorial de sua arte um dia ele disse:

“No dia em que eu nasci três vezes um galo cantou, Satanás bateu num sino e uma estrela alumiou. Ficou tudo escuro no dia em que nasci. Era meio-dia. E fez um escuro medonho. Em São Bento do Una. Nasceu um bendito.

Um bendito. Mas que acabaria à `profissão de maldito´, já que a música era seu dom.
Sou bendito, isto sim, porque reinvento a MPB e, por outro lado, não sou mais novo. Sou um balzaquiano da música popular brasileira. A base da minha música é praticamente o cordel. Vem das coisas que ouvi diretamente dos cantores da minha terra.

Vem da infância, das histórias contadas pela negra Loló, vem do aboio na voz do vaqueiro ao anoitecer. E tinha lua na caatinga, o menino na garupa, com medo de lobisomem.

Depois, vem dos elementos urbanos que absorvi e misturei a essa base, e tirei meu produto. Um produto novo.

No Recife, comecei a me urbanizar na marra, comecei a ter vergonha do meu sotaque, porque eu era de São Bento e os meninos mangavam muito de mim. Porque eu era matuto. Convivi com a classe média alta, mas meu pai não queria luxo em casa. Mesada pequena, cabresto curto para evitar que seu `gado´ desgarrasse pelo mundo afora. E a vontade de ter roupa bonita. Eu vivia um dilema: morava num bairro bom, mas não tinha dinheiro no bolso. Enfim, um cara diferente no sotaque, no bolso e no gosto. Nunca virei recifense, mas São Bento do Una ia ficando para trás”.
(História da Música Popular Brasileira- Grandes compositores. S. Paulo: Ed. Abril, 1982).

Alceu Valença, diz a crítica, constrói o alicerce da futura música de consumo do Brasil, contudo, digo eu, o invólucro daquela música passou, ou melhor, desmanchou-se no ar. Se a música de Alceu é de consumo, viva a música de consumo de Alceu! E morra a música de consumo de certos “compositores” de hoje e de certos jovens a vista.

Aliás, ele já antecipava tudo isto, se quisermos entender sua crítica para o lado da música, quando disse:

Além de tudo sou moleque mal-ouvido
Sou atrevido, já joguei tudo pro ar
Vai longe a noite do meu sonho colorido
Duvidar? Duvido e insisto em duvidar
Creio na perua
O povo tá comendo vidro
Creio na perua
E o baião vai pipocar
Creio na perua
O que tá pior vai piorar
É como a história da cantiga da perua
Seu Elias fez a sua profecia popular
E Ary Lobo resolveu morar na lua
Partindo do Sputinik do campo do Jequiá...
(Fé na Perua).

COMPOSISTORES DO BRASIL, programa musical da Rádio Educadora do Cariri, nesta quinta-feira, a partir das 14 horas, faz uma retrospectiva musical desse excelente compositor brasileiro.

Na sequencia:

PUNHAL DE PRATA, com Alceu Valença
CARAVANA, de Alceu Valença e Geraldo Azevedo com Elba Ramalho, Zé ramalho e Geraldo Azevedo
A DANÇA DAS BORBOLETAS, de Alceu Valença e Zé Ramalho com Zé Ramalho
AGALOPADO, com Alceu Valença
TÁXI LUNAR, de Alceu Valença, Zé Ramalho e Geraldo Azevedo com Geraldo Azevedo
POR TODA LÃ, com Alceu Valença
CORAÇÃO BOBO, com Alceu Valença
FÉ NA PERUA, de Alceu Valença e Zé da Flauta com Alceu Valença
CHEGO JÁ, de Alceu Valença com Claudionor Germano
COMO DOIS ANIMAIS, com Alceu Valença
CABELO NO PENTE, de Alceu Valença e Vicente Barreto com Alceu Valença
PLANO PILOTO, de Alceu Valença e Carlos Fernando com Luiz Gonzaga e Alceu Valença.

Quem ouvir verá.

COMPOSITORES DO BRASIL
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Rádio Educadora do Cariri – 1020
Quintas-feiras, de 14 às 15 horas
Retransmissão: www.cratinho.blogspot.com

terça-feira, 20 de julho de 2010

DIA DO AMIGO E DA AMIGA: CARIRICATURAS EM PROSA E VERSO


Hoje é um dia muito especial: a lembrança dos amigos e amigas que tive (porque jê foram embora desse mundo) e daqueles que tenho guardado de lembrança no coração. E esses últimos agradeço de coração pela amizade, confiança, carinho e atenção ainda manifestada. E os amigos (as) do Cariri um especial abraço por tudo que aconteceu comigo nos bons momentos alegres e felizes pelos quais passamos juntos. E mesmo estando agora no Rio de Janeiro não esqueci de vocês. Senti muita saudade de cada um que se doou para a construção de uma relação amiga e sincera. Muito obrigado a todos vocês amigos e amigas. Quanta vontade tive de ir visitar vocês durante esse ano ausente do Cariri. Como uma boa parte de vocês está sabendo fui obrigado a me ausentar desde abril de 2009 para tratamento de saúde. Felizmente tenho uma boa perspectiva de retorno ao Cariri para final desse ano ou início do ano de 2011. Deus está me dando uma segunda chance de viver e reviver minhas amizades – os últimos exames foram bons para mim deixando o meu médico bastante otimista da minha recuperação. E não vejo a hora de voltar e abraçar vocês por tudo – tudo mesmo! – que fizeram por mim. “Amigo é para se guardar no centro do peito” Milton Nascimento.

Foi nos meus momentos mais difíceis que percebi o valor da amizade. A doença me fez ver cada um de vocês sorrindo e me confortando quando a minha fé caía num buraco vazio do meu peito. Mas, não estava vazio e sim preenchido com a imagem e a força moral que cada um me transmitiu aí no Crato e em outros lugares. Era o momento de Deus me lembrar que a amizade tem também poder de cura. Assim, nos meus vários momentos de sofrimento solitário tive vontade de me transportar para o Cariri e recebê-los para captar a força do Amor contida em cada intenção amorosa e gesto carinhoso de todos vocês. A batalha não terminou ainda, mas sinto que venci uma parte difícil dos obstáculos.

E fico feliz em comemorar o lançamento do livro CARIRICATURAS EM PROSA E VERSO. E como não poderei estar ai nos dois dias (23 e 24 de julho) comemorativos de lançamento, desejo de coração SUCESSSO E MUITA ALEGRIA COM MÚSICA, DISCURSOS BONITOS E CONFRATERNIZAÇÃO!

Gostaria que me enviassem pelo correio um (O RESTANTE da MINHA PARTE RECEBO NO FINAL DO ANO AI NO CARIRI) exemplar do livro. O meu endereço aqui no Rio de Janeiro é esse:
Estrada do Portela 118 casa 4 – Madureira – Rio de Janeiro – RJ – CEP: 21351-050

Telefone Residencial: (021) 3015-8288

PAZ E SAÚDE COM ALEGRIA SINCERA E AMIGA!

Bernardo Melgaço

EntrePontos no Cariri

Os dez mandamentos dos conservadores - José do Vale Pinheiro Feitosa

As sociedades em transformação revolucionária a partir do século XVII se constituíram em luta entre revolucionários e conservadores. Os primeiros representando as classes sociais emergentes e os segundo as classes sociais tradicionais que detinham o poder. Posteriormente com a consolidação hegemônica da burguesia o pensamento conservador passou a ser formulado pela ex-classe revolucionária dos séculos XVII e XVIII.

Hoje o pensamento conservador é o pensamento da burguesia internacionalista e que foi melhor expresso nos EUA. Portanto estes mandamentos são aqueles formulados pela vanguarda do conservadorismo moderno, mas tem uma estrutura bem típica daquelas bases sociais, culturais e históricas deste país.

Estes mandamentos são um resumo do texto Ten Conservative Principles (1993) por Russell Kirk.

Primeiro - existe uma ordem moral duradoura. Feita para o homem, e o homem é feito para ela: a natureza humana é uma constante, e as verdades morais são permanentes. A ordem tem sido uma preocupação central dos conservadores. O conservador acredita que todas as questões sociais são questões da moralidade privada. Os homens e as mulheres são governados pela opinião em uma ordem moral perene, por um sentido forte de certo e errado, por convicções pessoais sobre a justiça e a honra.

Segundo - adesão ao costume, à convenção, e à continuidade. Os princípios antigos permitem as pessoas viverem juntas pacificamente. Pela convenção conseguimos evitar disputas perpétuas sobre direitos e deveres: as leis, em sua essência, são um conjunto de convenções. Continuidade é a ligação entre uma geração e outra. Conservadores preferem o diabo que conhecem ao que desconhecem. Ordem, justiça e liberdade, são produtos artificiais de uma longa experiência social, o corpo social é um tipo de corporação espiritual, comparável à Igreja. A mudança necessária deve ser gradual e discriminatória, nunca removendo antigos interesses de uma vez.

Terceiro - é o princípio da prescrição, das coisas estabelecidas pelo uso desde tempos imemoriais, de modo que a mente humana não busca os seus contrários. Um exemplo fundamental é o direito de propriedade. Nossa moralidade é em grande parte prescritiva. Em política fazemos bem em seguir por precedência, preceito e mesmo pré-julgamento.

Quarto - o princípio da prudência. Não perseguir objetivos que tentem anular males presentes, pois a mudança pode criar novos abusos maiores do que os presentes. A providência move-se lentamente, mas o diabo sempre se apressa. Reformas, assim como as cirurgias, são perigosas quando repentinas e profundas.

Quinto - o princípio da diversidade. Na preservação saudável da diversidade, em qualquer civilização, deve sobrevir ordens e classes, diferenças em condições materiais e diversos modos de desigualdade. As únicas formas verdadeiras de igualdade são aquelas do Julgamento Final e aquelas perante um justo tribunal da lei; todas as demais tentativas de nivelamento irão conduzir, na melhor das hipóteses, à estagnação social.

Sexto - princípio da imperfeição ("imperfectability"). A natureza humana é imperfeita e sendo assim, nenhuma ordem social perfeita pode ser criada. Perseguir uma utopia é terminar em desastre, não fomos feitos para coisas perfeitas. Tudo que podemos é uma sociedade toleravelmente ordenada, justa, e livre, na qual alguns males, desajustamentos e sofrimentos estarão sempre presentes. Por reformas prudentes podemos preservar e melhorar a ordem tolerável. Mas salvaguardando as formas institucionais e morais antigas.

Sétimo - liberdade e a propriedade são intimamente relacionadas. Nivelamento econômico não é sinônimo de progresso econômico. Para os conservadores a instituição da propriedade privada tem sido um instrumento poderoso para: ensinar responsabilidade, prover motivos para a integridade, suportar a cultura geral, permitir o ócio para o pensar e a liberdade para agir, reter os frutos do trabalho do indivíduo e torná-los permanentes, para legar propriedade à posteridade; erguer-se da pobreza à segurança da realização duradoura; para ter algo que realmente pertença a si mesmo. A posse da propriedade impõe certos deveres ao proprietário e aceita estas obrigações morais e legais alegremente.

Oitavo - suportam ações comunitárias voluntárias e se opõem ao coletivismo involuntário. O espírito bem sucedido de comunidade se opondo aos direitos universais controlados por instituição política geral e não local. Nenhuma nação é mais forte do que as pequenas e numerosas comunidades de que é composta. Uma administração central, ou um conjunto de seletos administradores e servidores civis, embora bem intencionados, não podem conceder justiça, prosperidade e tranquilidade a uma massa de homens e mulheres desprovidos de suas antigas responsabilidades.

Nono - restrições ao poder e às paixões humanas. O poder é a habilidade de realizar a vontade de um não obstante a vontade dos demais. O poder não pode ser abolido; encontra sempre seu caminho para as mãos de alguém. A prescrição dos conservadores é: limitações constitucionais, verificações e contrapesos políticos, o cumprimento adequado das leis, a antiga e intricada teia das restrições por sobre a vontade e os apetites. Um governo justo mantém uma tensão saudável entre as reivindicações da autoridade e as reivindicações da liberdade.

Décimo - permanências e mudanças devam ser reconhecidas e reconciliadas em uma sociedade vigorosa. Quando uma sociedade está progredindo em alguns aspectos, geralmente está declinando em outros. Toda sociedade saudável é influenciada por duas forças: Permanência e Progressão. A Permanência são interesses e convicções perenes que nos dão a estabilidade e a continuidade. A Progressão em uma sociedade é esse espírito e esse conjunto de talentos que nos incitam à reforma e à melhorias prudentes. Então as diferenças deles em relação aos liberais se encontra no trato da Permanência pois estes poriam em perigo a herança nos legada. O conservador favorece o progresso racionalizado e moderado; é oposto ao culto do progresso.


Expocrato? Estou fora! – Por Carlos Eduardo Esmeraldo

Não gosto do Crato no período da exposição. Barulho ensurdecedor até o raiar do dia, ruas estreitas entupidas de automóveis, motoqueiros transitando pelas calçadas, gente em demasia que nos faz sentir-se num outro lugar que não a nossa bucólica e pacata terra. E o que é pior, nos tornamos forasteiros em nossa própria casa. Nas estradas o movimento é intenso. Constantes blitz’s fazem parar nosso carro duas ou três vezes. Nada mal, pois ela surpreende os irresponsáveis motoristas alcoolizados, evitando deste modo que o número de acidentes cresça mais ainda. O pior mesmo são as bandas de forrós que fazem um barulho tão grande que ecoa por toda área urbana do Crato e roubam o sono de muitas pessoas, que não estando de férias, trabalham no dia seguinte.

Soube que a URCA suspende suas aulas no período da Expocrato? Pode um negócio desses? E o Hospital São Francisco que fica tão próximo? Que é feito dos doentes? Onde estão o silêncio e a paz tão necessários para a cura das enfermidades?

Sou favorável que a Exposição volte às suas origens. Imaginem que eu alcancei nos distantes anos de 1954/1955 duas exposições tendo como local a atual Praça Alexandre Arraes, naquela época denominada "Bosque Municipal", depois Parque Municipal, bem defronte da Maternidade e muito próximo do Hospital São Francisco. Ao redor do local já existiam as residências que por lá permanecem até hoje. E não houve incômodo algum para os moradores, a não ser o grande “mosqueiro” que vem após. Afinal, a Expocrato é uma exposição de gado, de produtos agrícolas, agro-industriais, cultura regional e não de swhos musicais com estridentes bandas de forrós e de extremado mau gosto. Para que esse som tão ensurdecedor? Por ventura são surdos? Esquecem também que os animais que ali estão expostos sofrem dez dias de estresse que lhes são prejudiciais à saúde. Então que se volte a fazer a Exposição como ela era até meados de 1960. Sem música estridente, sem bandas de forró. Até então tínhamos festas em todas as noites da exposição que eram realizadas no Crato Tênis Club. Época em que íamos às festas e além de dançar, podíamos bater um agradável papo. Todos ouviam a música num tom normal, ninguém era surdo. Por que então, em vez de transferir o parque para outro local não fazer esses shows em cima da Serra do Araripe, no antigo Aeroporto? Será que o IBAMA deixaria? Tenho certeza que não, pois seria prejudicial à fauna e também à flora. E nós, o bicho homem, podemos suportar tudo isso?

Por Carlos Eduardo Esmeraldo